O colapso económico de 2016 já começou

A crise financeira já está a acontecer e os bancos centrais estão visivelmente em pânico, recorrendo agora às taxas de juros negativas, pela primeira vez!

Eles acreditam firmemente que com este esquema, os credores intermediários são forçados a emprestar mais aos seus clientes e estimulam o crescimento económico.

Caso contrário, ser-lhes-à cobrado estacionarem o seu dinheiro no banco central.

O Banco do Japão, surpreendentemente, adoptou as taxas de juro negativas pela primeira vez.

Clientes num centro comercial em Tóquio

“O governo japonês tentou inúmeras medidas de estímulo, tentando criar crescimento e aumentar a inflacção” – Yuya Shino/Reuters

Como a estagnação económica do Japão perdurou, os seus líderes têm tentado uma série de truques ao longo dos anos, como aumentar os gastos do governo para inundar o sistema financeiro com dinheiro.

Visto a economia mundial parecer cada vez mais frágil, o Japão está agora a tomar um passo mais agressivo, tendo cortado as taxas de juros abaixo de zero na sexta-feira.

A política – que significa que os bancos têm essencialmente de pagar pelo privilégio de estacionar o seu dinheiro – representa um último recurso num país que tem lutado durante um quarto de século contra o crescimento fraco. Em teoria, as taxas negativas fariam os bancos emprestar mais às empresas que, pela lógica, iriam gastar e contratar mais.

O Banco do Japão está a seguir outros bancos centrais nesta política, um sinal do problema mundial que continua a partir queda dos preços do petróleo, estagnando o comércio internacional, e da desaceleração do crescimento na China.

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, está à procura de novas formas de inverter o ciclo de declínio do país.

http://www.nytimes.com/2016/01/30/business/international/japan-interest-rate.html

A importância da economia do Japão é corroborada pelo facto de que ela encheu os bolsos dos czarianos durante quase um século, sendo o período mais importante durante a Segunda Guerra Mundial, quando ele esturpou a China das suas reservas de ouro histórico e colocou-o nas Filipinas e em algumas outras partes do sudeste da Ásia. Os czarianos, posteriormente, construiram um império industrial na Ásia e no país derrotado, enquanto a outra vítima da aventura militar japonesa e jesuíta na Ásia foi prejudicada, ou sejam, as Filipinas, fornecendo a esse império industrial as matérias-primas até muito recentemente.

Sim, os jesuítas controlam ambos os lados do conflito como é apanágio deles nos últimos quatro séculos.

Abaixo, estão os cavaleiros da ordem de Malta o General MacArthur e o imperador Hirohito.

Both Gen. McArthur and Emperor Hirohito were Maltese Knights
Tanto o Gen MacArthur e o Emperor Hirohito Cavaleiros da Ordem de Malta
Emperor Hirohito wearing Maltese cross.
O Imperador Hirohito com a sua cruz de Malta

Não é de admirar que, ao longo de décadas, o Ocidente tenha comprado produtos japoneses a preços muito mais baixos do que aqueles practicados no país de origem. Ao longo do caminho, os czarianos ainda acharam que não era suficiente e levaram a cabo a operação de extorsão nuclear de Fukushima forçando o primeiro-ministro da altura, posteriormente, a dar-lhes pelo menos 70 biliões de dólares, sob ameça de detonarem as restantes centrais nucleares do país.

Nos últimos três anos ou mais, os fundos de pensões Japoneses também foram saqueados para manter os czarianos à tona, através dos esforços internacionais concertados e em curso para os lapidar, e agora o Japão está a vergar-se novamente aos desejos czarianos de adoptar a tendência ocidental de impor taxas de juro negativas. Este é um movimento desesperado tendo em vista suster o valor do dólar FIAT [moeda escritural], encobrindo o seu real valor, que é nulo.

O problema fundamental aqui é que os credores bancários sabem exactamente que os bancos centrais estão apenas a imprimir dinheiro em papel sem qualquer valor, e países como a China estão agora a restringir a aceitação do dólar FIAT e a travar eficazmente a entrega de mercadorias por todo o mundo desde Dezembro do ano passado.

Apocalipse retalhista de 2016 traz Prateleiras vazias e encerramento de lojas por toda a América

Por Michael Snyder a Janeiro, 2016

Fechado ao público – A cadeia de retalho DomainMajor, nos Estados Unidos, está a fechar centenas de lojas, e os clientes estão a relatar que as prateleiras estão a ficar vazias de forma alarmante nas muitas lojas que ainda estão abertas por todo o país. Parece que o apocalipse retalhista que fez tantas manchetes em 2015 passou para um nível inteiramente novo à medida que entramos 2016. Como a actividade económica desacelera e os retalhistas de comércio online tentam captar mais quota de mercado, os retalhistas de tijolo e argamassa estão a tentar reduzir as suas perdas.

Isto é particularmente verdade nos segmentos destinados à escala mais baixa de rendimentos. Nos centros urbanos mais pobres por todo o país, é frequente encontrar shoppings inteiros que já foram completamente abandonados. Estima-se que há cerca de mil milhões de pés quadrados de espaço de retalho actualmente vazios nos EUA, e esta crise só vai piorar à medida que o apocalipse no retalho acelerar.

Nós temos sempre uma onda de encerramentos de lojas após a temporada da compras natalícias, mas este ano tem sido particularmente activo. A seguir, listamos apenas alguns dos grandes retalhistas americanos que já fizeram grandes anúncios neste sentido…

– A Wal-Mart está a fechar 269 lojas, incluindo 154 dentro dos Estados Unidos.

– O K-Mart vai fechar mais de duas dezenas de lojas ao longo dos próximos meses.

– A J.C. Penney estará, em carácter permanente, a fechar mais 47 lojas depois de fechar um total de 40 lojas em 2015.

– A Macy‘s decidiu que ele precisa de lapidar 36 lojas e demitir cerca de 2.500 funcionários.

– A The Gap está em processo de fechar 175 lojas na América do Norte.

– A Aeropostale está em processo de fechar 84 lojas em toda a América.

A Finish Line anunciou que 150 lojas vão ser encerradas ao longo dos próximos anos.

– A Sears encerrou cerca de 600 lojas ao longo do ano passado, mas as vendas nas lojas que permanecem em aberto continuam a cair vertiginosamente.

Mas estes encerramentos de lojas são apenas uma parte da história.

Por todo o país, os consumidores estão a aperceber-se das prateleiras vazias e níveis alarmantemente baixos nos stoques. Isso está a acontecer mesmo com os maiores e mais proeminentes retalhistas.

http://endoftheamericandream.com/archives/retail-apocalypse-2016-brings-empty-shelves-and-store-closings-all-across-america

Não são somente as prateleiras que estão a ficar vazias por toda a América.

A bolsa de valores de Tóquio, o Nikkei, também informou que o seu leilão de títulos do tesouro japoneses a 10 anos foi adiado indefinidamente devido às auto-impostas taxas de juro negativas.

03 de Fevereiro de 2016 03:11 JST

Leilão de títulos do tesouro japoneses a 10 anos abortado devido às taxas de juro negativas

TÓQUIO – A venda planeada para Março de títulos do governo japonês a 10 anos através dos bancos a investidores de retalho, municípios e outros serão canceladas devido aos esperados rendimentos abaixo de zero, após o Banco do Japão ter decidido adoptar taxas de juros negativas, na sua mais recente acção.

O Ministério das Finanças deve anunciar quarta-feira a primeiro decisão de sempre de cancelar as vendas de títulos a 10 anos.

Os títulos em questão são vendidos através do Japan Post Bank e bancos regionais em unidades de 50.000 ienes (415$ dólares americanos). O titular pode sacar este novo tipo de rendimento antes de atingir a maturidade. Visto o ministério já ter suspendido a venda de instrumentos de dois e cinco anos, todas as vendas vão acabar. Mas a taxa variável destes títulos a 10 anos para investidores de retalho ainda será disponibilizada.

Os lances vencedores no leilão do ministério dos títulos a 10 anos na terça-feira traduziu-se num rendimento médio recorde mais baixa de sempre, na ordem dos 0,078%. Desde segunda-feira, quase 70% dos títulos no mercado já tiveram rendimentos negativos, de acordo com o Japan Securities Dealers Association.

Corporações e municípios começaram a atrasar as suas próprias emissões. O Daiwa Securities Group deixou cair os planos para criar as condições, ainda esta semana, para a emissão de obrigações clássicas de sete e 10 anos este mês. A corretora decidiu mudar a perspectiva sobre os rendimentos deste tipo de obrigações e demanda por parte dos investidores, afirmando ainda não ter tomado nenhuma decisão sobre o que fará a seguir.

http://asia.nikkei.com/Markets/Tokyo-Market/Sales-to-individuals-to-be-called-off-over-negative-yields

Esta queda integral das notas promissórias do governo é o que define uma crise económica e, o Japão, é apenas um espelho da condição financeira actual do Ocidente, que ainda está numa grave negação.

Esta situação actual é agravada pela descarga massiva e unilateral, da Arábia Saudita, de activos de obrigações estrangeiras em petrodólares, desta forma:

Os sauditas estão a vender as suas acções no mercado aberto e em massa, especialmente nas primeiras semanas de Janeiro, espalhando o pânico por todo o mundo, aparentemente provocando o descontentamento de outra facção dos Mestres do Universo. Esta facção pode, eventualmente, deixar todo mundo a saber qual é a verdadeira posição da Arábia Saudita de títulos do tesouro dos EUA, até agora mantida em segredo. Lembre-se que estamos a falar pelo menos de 8 triliões de dólares.

A Casa de Saud, previsivelmente, está totalmente em pânico. Imagine uma fuga de informação afirmando que eles estão sentados em cima de 8.000.000.000.000 de dólares, enquanto pedem aos pobres na Arábia Saudita mais “sacrifícios” económicos, para apoiar a sua guerra de preços do petróleo, mais a guerra invencível no Iemen onde lutam com mercenários pagos e caros. Um alvoroço global seria inevitável – reivindicando um congelamento de bens sauditas que estão a ser usados para destruir os mercados mundiais. Um segredo mal disfarçado é que a Casa de Saud não é exactamente popular em todos os lugares cruciais, desde Moscovo, a Washington ou Berlim.

A Casa de Saud não pode acreditar que o FSB, SVR ou GRU profundamente os ama por tentar destruir a Rússia; que os Texanos os amam por tentarem destruir a indústria do petróleo de xisto; que a Alemanha ou a Itália os adora por despejar um trilião de dólares em títulos nos mercados para os abater enquanto Mario Draghi bombeia uma grande Flexibilização Quantitativa para tentar salvar a zona euro. 

http://sputniknews.com/columnists/20160129/1033920936/saudi-arabia-plays-russian-roulette.html

Arábia está apenas a tentar salvar sua própria vida. Aqui está o porquê:

“Após a recente aceitação do reminbi como meio de pagamento de petróleo à Rússia, esperamos que as importações do petróleo pela China atinjam valores recorde”, disse Gordon Kwan, o chefe de regional de pesquisa de petróleo e gás em Hong Kong da Nomura Holdings Inc., através de um e -mail, referindo-se à moeda chinesa. “Se a Arábia Saudita quer recapturar sua classificação como número um, tem de aceitar o reminbi para pagamentos de petróleo em vez de apenas o dólar.”

Tanto o chefe da União Económica da Eurásia (e membro fundador do BRICS), assim como o grande exportador de energia, a Rússia, estão a liderar a carga contra o dólar. E agora outras nações estão a seguir o exemplo: o Irão e a Índia anunciaram o mês passado que pretendem liquidar todos os pagamentos pendentes de petróleo em rúpias, como parte da estratégia conjunta para descartarem o dólar no comércio, utilizando ao invés as moedas nacionais.

http://russia-insider.com/en/politics/saudi-arabia-has-lost-asia-russia-now-chinas-biggest-oil-partner/ri12611

Então, o que é que a Reserva Federal vai fazer agora que seus amigos sauditas estão a deixar o dólar para trás a favor do Yuan chinês, e que o seu mais recente teste piloto no Japão não está a funcionar?

Eles simplesmente não se importam. Na verdade, não seria muito rebuscado concluir que, de alguma forma, isto é deliberadamente orquestrado.

“O Fed quer testar como os bancos lidariam com as taxas negativas”

Como as taxas de juro se estão a tornar negativas por todo o mundo, a Reserva Federal está a pedir aos bancos que considerem a possibilidade do mesmo suceder nos EUA.

No seu teste de esforço anual para 2016, o Fed disse que vai avaliar a resiliência dos grandes bancos para um número de situações possíveis, incluindo uma em que a taxa sobre os títulos do Tesouro EUA a três meses permaneça abaixo de zero por um período prolongado.

O cenário adverso grave é caracterizada por uma recessão global grave, acompanhada por um período de stress financeiro corporativo elevado, e rendimentos negativos para títulos do Tesouro EUA a curto prazo” disse o banco central, ao anunciar os testes de stress na semana passada.

O presidente da Reserva Federal de Nova Iorque, William Dudley, disse no mês passado que os decisores políticos “não estavam a pensar de todo e seriamente nas taxas de juros negativas”.

“Mas acho que se a economia enfraquecesse inesperada e dramaticamente, e nós decidíssemos que precisávamos de utilizar um conjunto completo de ferramentas de política monetária para fornecer estímulos, então é algo que nós contemplamos como um potencial de acção”, disse ele a 15 de Janeiro.

O Vice-presidente do Fed, Stanley Fischer, disse hoje que os bancos centrais estrangeiros que haviam recorrido a taxas de juros negativas para estimular as suas economias tinham sido mais bem-sucedidos do que ele antecipou.

“Está a funcionar melhor do que eu posso dizer que esperava em 2012” disse ao Conselho das Relações Exteriores em Nova Iorque. “Todos estão observar como funciona”, acrescentou.

http://www.bloomberg.com/news/articles/2016-02-02/rates-less-than-zero-is-bank-stress-fed-wants-to-test-in-2016

O que quer que lhe chamem, o sistema financeiro FIAT está a desmoronar-se à frente dos seus olhos, e o que eles estão prestes a fazer é apenas outra forma de chutar a bola mais uma vez, porque dizer ao povo qual será a situação financeira real certamente ia colocá-los fora do poder rapidamente, assim acreditamos.

No entanto, e isto é o que eles estão a contar-nos, se a reacção grega para a intimidação financeira pela Troika for uma boa comparação, os loucos czarianos não terão escrúpulos em implementar “soluções” ainda mais duras para seu império em queda. Na verdade, eles poderiam até lucrar com a sua própria derrota a Leste, com mais medidas de austeridade contra os seus próprios povos.

Para todos os efeitos, os protestos de rua não funcionam contra estes psicopatas, da mesma forma que não se pode apenas gritar com mosquitos para os repelir. Há uma necessidade de os espalmar com a mão, e com força, pois ninguém pode esperar que o corrupto e o corrompido se corrijam sem a motivação necessária.

Para continuar seu reinado sobre a multidão eles devem manter toda a fachada legitimando todo os sistema financeiro FIAT, e eles já estão a preparar o terreno para uma sociedade sem dinheiro para nos amarrar a todos aos computadores.

Obviamente, com a digitalização total da sua salvação, eles serão capazes de eliminar a privacidade e camuflar a verdadeira natureza do seu poder projectado e imaginário, tudo ao mesmo tempo. Esta é a única solução viável para permanecer no poder e as pessoas vão ser jogadas para fora mais uma vez, e vão continuar a ter fé no próprio sistema que os escraviza.

Compreender esta verdade simples capacita a vítima e toda a empreitada FIAT vai desmoronar-se através da desobediência e da não participação.

A população ocidental não precisa de esperar pela completa deterioração da sua qualidade de vida até chegar ao nível do Terceiro Mundo, com a sua apatia.

O Oriente espera que o Ocidente limpe a sua própria casa de todos os indesejáveis antes que uma colaboração saudável e mutuamente vantajosa possa ser trabalhada. O mecanismo para esta cooperação mútua já está em vigor.

Fonte: http://geopolitics.co/2016/02/03/the-crash-of-2016

Deixar uma resposta

Top
%d bloggers like this: