Os alimentos orgânicos têm mais gorduras saudáveis, mais nutrientes e menos produtos químicos tóxicos do que os alimentos convencionais

Farmers-Market-Organic-Produce-Veggies-And-Fruits

Sabemos já desde algum tempo que há uma enorme diferença entre os alimentos orgânicos e produtos convencionais. Detratores dos produtos orgânicos como Jon Entine poderiam dizer-lhe que não há nada com que se preocupar, contudo a pesquisa diz o contrário. Um estudo recente realizado pela Universidade de Newcastle em Inglaterra em campos agrícolas ecológicos vai directo ao assunto, provando que os produtos orgânicos têm mais gorduras saudáveis, mais nutrientes e menos produtos químicos tóxicos do que os alimentos convencionais.

Na década de 1950, a população mundial era estimada ser pouco menos de 3 biliões. Até o ano 2000, este número facilmente duplicou, chegando a mais de 6 biliões de indivíduos. Hoje, alimentar o mundo é um problema complexo, mas quando você se depara com magnatas corporativos que produzem tudo em massa, desde de sementes de produtos hortícolas, plantas e até animais, tem a certeza que você sabe o que é que está a comer?

A carne com carne não-orgânica e o leite

A fim de aumentar as margens de receitas e lucro, a indústria alimentar têm procurado optimizar as suas linhas de produção, tanto quanto possível – quer desenvolvendo os seus próprios terrenos para a agricultura para cultivar os alimentos que precisam para alimentar o gado até ao abate. Mas os animais normalmente levam anos para se desenvolver. Eles também podem ficar doentes ou desenvolver doenças. Em vez de permitir que a natureza siga seu curso, a indústria alimentar pensou que poderia melhorar ainda mais o processo. Consequentemente, os genomas dos animais estão agora a ser modificados para se desenvolverem prematuramente, bem como para desenvolverem mais carne e menos gordura, enquanto a sua comida é sobrecarregada com antibióticos para os manter vivos em condições precárias.

A comida que eles comem também é geneticamente modificada para ser resistente aos herbicidas. Para quê? Porque proteger manualmente os imensos campos de culturas de ervas daninhas e pragas implica tempo e custos muito elevados. A resistência aos herbicidas permite a utilização de produtos químicos que matam as ervas daninhas sem pôr em perigo o rendimento das culturas, quando a colheita é feita. No entanto, quando se modifica uma estrutura viva para desenvolver uma tal característica, você pode gerar uma reação em cadeia irreversível no meio ambiente. Os organismos vivos não são peças de Lego que podem ser constantemente construídas e reconstruídas: fazem parte de uma sequência que está completamente interligada.

O pior é que essas mutações transgênicas são muito susceptíveis de serem transmitidas aos animais que os comem. Incluindo seres humanos. Essencialmente você come pesticidas quando você escolhe comer não-orgânicos. Também estão a comer herbicidas como o Roundup, que foi declarado um “provável carcinogénico” pela agência de investigação sobre o cancro da ONU. Combinando-as com as modificações a que os animais são submetidos, coloque-o numa prateleira e você tem o alimento convencional – rico em produtos químicos mas muito perigoso para a sua saúde.

Porque é que o orgânico é melhor

A extensa pesquisa conduzida por Carlo Leifert, professor de agricultura ecológica na Universidade de Newcastle da Inglaterra, demonstrou que as carnes orgânicas têm níveis significativamente mais elevados de ácidos gordos ómega-3. E não é só a carne de vaca ou frango, mas também a carne de porco, cordeiro e cabra. O quanto é melhor a carne orgânica? Os dados indicam que ela contém mais 47% em média de ácidos gordos omega-3 poliinsaturados, do que a carne convencional tem. Julgue por si mesmo.

O leite orgânico também é mais nutritivo em toda a linha que o não orgânico, com 46% mais ômega-3. Ele também possui mais 13% de vitamina e 20% mais ferro do que o convencional tem. Obviamente, os animais aos quais é permitido pastar e comer plantas naturais produzem alimentos e leite de qualidade superior. Poderá ser capaz de produzir mais e mais rapidamente em agricultura convencional, mas com uma qualidade significativamente inferior.

A alimentação desequilibrada também caminha lado a lado com o crescimento tão rápido possível dos animais. Por sua vez, isso afecta o meio ambiente, porque mais recursos são desviados para a indústria alimentar e vários ecossistemas estão contaminados por bactérias resistentes a antibióticos. Em particular quando somos tão ignorantes como somos hoje no que diz respeito a mutações genéticas, o melhor é continuarmos a comer o que é natural e orgânico. Ao fazer isso, protegemos a nossa imunidade e a saúde, além de minimizar o risco de desenvolver doenças relacionadas com os OGM.

Fonte: http://www.naturalnews.com/053268_organic_food_nutrients_toxic_chemicals.html  e as fontes para este artigo foram:

Worldometers.info

ERS.USDA.gov

NaturalNews.com

Science.NaturalNews.com

ConsumersUnion.org

Edition.CNN.com

NaturalNews.com


Journals.Cambridge.org

Edition.CNN.com

TruthWiki.org

From Natural News

Deixar uma resposta

Top
%d bloggers like this: