As 8 Formas de Capital – uma nova forma de olhar para a economia

Em 2008 e 2009, eu fazia parte da equipa de organização e facilitação do Curso de Permacultura financeira em Hohenwald, Tennessee, convocada pelo Centro de Ecologia Holística, a Universidade de Gaia e Solari, Inc, e o curso reuniu designers de permacultura, gestores financeiros, empresários, activistas comunitários, defensores de moedas complementares, agricultores e autoridades governamentais de todo o país.

A Permacultura financeira vai além da abordagem tradicional da economia pela permacultura e faz a pergunta: “Como seria o sistema financeiro global se o redesenhássemos usando os princípios da permacultura?” ou “e se o nosso sistema financeiro se parecesse mais com um ecossistema?”

Em 2009, Catherine Austin Fitts apresentou o “Mapeando Ecossistemas Financeiros”. Nós mapeamos todas as “concentrações e circuitos de capital” na comunidade local. Nós exploramos os fluxos financeiras entre entidades, e discutimos como as economias locais vibrantes são mais definidas pelos fluxos de dinheiro, em vez das concentrações. Algo não batia certo. Continuamos a falar de dinheiro, como se fosse a única forma de capital, embora não houvesse uma Consciência crescente de que acres de terra, pés cúbicos de madeira, e toneladas de carbono poderiam também ser parte de uma economia ecossistémica.

Numa das sessões em espaço aberto, comecei a desenhar um mapa mais completo do “capital”.

AS OITO FORMAS DE CAPITAL

O Oxford American Dictionary afirma que o capital é a “riqueza sob a forma de dinheiro ou de outros activos” e um “valioso recurso de um tipo particular.” O que são esses “outros activos”? Eu nunca vi um mapa inteiro de todos os diferentes tipos de “recursos valiosos”. No Manual de Designers de Permacultura, Bill Mollison oferece e expande sobre uma categorização dos activos com base no seu potencial: degenerativo, generativo, procreativo, Informativa, Conservador (1). Esta parece sempre ser uma boa forma de pensar sobre as coisas, mas eu não consigo usa-las de forma tangível.

Eu queria algo que fosse mais útil para a compreensão das transações complexas e intercâmbios que circulam em torno de mim como ser humano e nós, como uma comunidade global. À medida que eu efectuava o exercício de mapeamento dos ecossistemas financeiros, uma visão mais abrangente começou a emergir à medida que eu pensava sobre as concentrações e fluxos de capital de um presidente da câmara de uma hipotética pequena cidade.

O presidente da câmara pode ter algum dinheiro (capital financeiro). Um bom presidente da câmara, provavelmente, também tem muitos amigos na cidade e alguma influência (capital social). O presidente da câmara, que tem um diploma em economia, conhece o mercado de acções extremamente bem. Se ele usar esse capital intelectual para gerar mais dinheiro (capital financeiro) para financiar a sua campanha de reeleição, ele / ela vai trabalhar para transformar o capital financeiro em capital mais social na cidade.

Tentei enumerar todos dos diferentes recursos valiosos que um indivíduo ou entidade podem reunir ou trocar. Surgiram então as “Oito Formas de Capital”:

CAPITAL SOCIAL

A Influência e conexões são capital social. A pessoa ou entidade que tem “bom capital social” pode pedir favores, influenciar as decisões e comunicar de forma eficiente. O capital social é de importância primordial na política, negócios e na organização comunitária.

Jason Eaton do Social Thread LLC explicou-me que o capital pode ser na forma de capital ou dívida. No capital social, uma pessoa pode “dever” favores ou influência na tomada de uma decisão de outra pessoa ou entidade.

CAPITAL MATERIAL

Objetos físicos não-vivos formam o capital material. Os recursos brutos e processados como pedra, metal, madeira e os combustíveis fósseis são combinados uns com os outros para criar materiais ou estruturas mais sofisticadas. Edifícios modernos, pontes e outras peças de infraestrutura, juntamente com ferramentas, computadores e outras tecnologias são formas combinadas de capital material.

CAPITAL FINANCEIRO

Estamos mais familiarizados com o capital financeiro: Dinheiro, moedas, títulos e outros instrumentos do sistema financeiro global. A sociedade global actual dedica uma enorme quantidade de atenção sobre o capital financeiro. Ele é a nossa principal ferramenta para a troca de bens e serviços com outros seres humanos. Ele pode ser uma poderosa ferramenta para a opressão ou, potencialmente, libertação.

CAPITAL VIVO

Um negociante de metais preciosos, que participou em ambos os cursos Permacultura Financeira aconselha: “Ao invés de dólares norte-americanos, meça sua riqueza em onças [de ouro e prata]!” Reconhecendo que os “preciosos” metais são apenas uma outra forma de capital financeiro, Catherine Austin Fitts recomenda que nós diversifiquemos e “Meçamos a nossa riqueza em onças, acres, e animais”. O capital vivo é composto por animais, plantas, água e solo da nossa terra – a verdadeira base para a vida no nosso planeta.

O design de permacultura ensina-nos os princípios e práticas para a criação rápida de capital vivo. A Permacultura encoraja-nos a partilhar a abundância do capital vivo em vez da “riqueza imaterial” do capital financeiro.

(Nota: “Capital Natural” pode ser sinónimo de Capital Vivo, mas o livro de 1999 “Capitalismo Natural” por Hawkens et al é mais focado num sistema ligeiramente actualizado do capitalismo do que sobre a verdadeira riqueza dos sistemas vivos. O actual movimento Slow Money também está a avançar numa direção similar, procurando transferir capital financeiro para as formas de vida no solo, animais e agricultura).

CAPITAL INTELECTUAL

O capital intelectual é melhor descrito como um activo de “conhecimento”. A maioria do actual sistema de educação global está focado em transmitir o capital intelectual – quer seja ou não a forma mais útil de capital para a criação de comunidades resilientes e bem-sucedidas. Ter o capital intelectual é apontado como a melhor forma de ser bem-sucedido. A ciência e a pesquisa podem concentrar-se na obtenção de capital intelectual ou da “verdade”, embora muitas vezes sejam motivadas pelo desejo do capital financeiro ou social. Por exemplo, “ir para a universidade” é essencialmente uma troca de capital financeiro por capital intelectual. É suposto preparar as pessoas para o resto de suas vidas no mundo.

CAPITAL EXPERIENCIAL (OU HUMANO)

Nós acumulamos capital experiencial quando realmente organizamos um projecto na nossa comunidade, ou construímos uma casa de palha, ou completamos um projecto de permacultura. A maneira mais eficaz de aprender alguma coisa é através da combinação do  capital intelectual com o experiencial. A minha experiência pessoal de tirar um mestrado na Universidade de Gaia mostrou-me que a aprendizagem experiencial é essencial para o meu funcionamento eficaz do mundo: Eu fui capaz de fazer projectos em vez de apenas “ir às aulas”, e agora estou a organizar de forma colaborativa a aliança da permacultura local e co- gerir uma empresa de design de permacultura bem-sucedida (2).

Eu consigo perceber que o “capital humano” é uma combinação de capital social, intelectual e experiencial, e todas as facetas de uma pessoa que podem ser captadas e transferidas em quantidades essencialmente ilimitadas. Mas há mais uma forma de capital que uma pessoa pode explorar e percepcionar dentro de si.

CAPITAL ESPIRITUAL

Quando se pratica uma religião, espiritualidade, ou outros meios de ligação ao nosso Eu e ao universo, pode-se acumular capital espiritual. Ele contém aspectos de capital intelectual e experiencial, mas é mais profundo, mais pessoal e menos quantificável. Muitas das religiões do mundo incluem um conceito do “grande encadeamento do ser”, uma compreensão holárquica da existência, onde a realização espiritual (neste contexto, a acumulação de capital espiritual) leva a diferentes níveis de estar (3).

O Budismo até tem uma moeda espiritual explícita: o Karma! Esta forma de capital espiritual é registada e contabilizada, não só na vida actual de alguém, mas (tendo a reencarnação em consideração), também em todas as vidas passadas e futuras vidas de sua alma. Na capital espiritual, novamente, entra o conceito de que o capital pode ser na forma de capital (recolha positiva espiritual experiência / compreensão / realização) ou sob a forma de dívida. Em algumas culturas Maias (como a Tzutujil do Lago Atitlan), a compreensão básica da existência é a que os seres humanos têm uma “dívida espiritual” relativamente à beleza e complexidade magnificientes da existência. De acordo com essa visão do mundo, o objetivo da vida no mundo é a criação de obras de beleza indescritível e de gratidão, dessa forma reembolsando a dívida espiritual para com a existência (4). Os Tzutujil também reconhecem que os seres humanos, individualmente, nunca poderão realmente ser eficazes na captação e fluxo de capital se eles estiverem separados da sua comunidade.

CAPITAL CULTURAL

Todas as outras formas de capital podem ser possuídas e devidas por pessoas físicas, mas o capital cultural só pode ser captado por uma comunidade de pessoas. O capital cultural descreve os processos partilhados internos e externos de uma comunidade – as obras de arte e de teatro, as canções que cada criança aprende, a capacidade de se unir em celebração das colheitas ou durante um feriado religioso. O capital cultural não pode ser captado pelas pessoas, individualmente. Pode ser visto como uma propriedade emergente do complexo sistema de trocas de capital que ocorre numa aldeia, numa cidade, num biótopo ou nação.

 

PROPRIEDADES DO SISTEMA

Estas oito formas de capital ajudam-nos a mapear a nossa compreensão do mundo. O mapa esclarece que o dinheiro não é a única forma de capital que flui em redor e através de nós. Este mapa expande os conceitos de riqueza (e pobreza) para incluir os “recursos valiosos” das conexões pessoais, recursos naturais, terra, conhecimento, experiência, e muito mais. Ele fornece uma linguagem para os designers de permacultura comunicarem o valor do solo e comunidades saudáveis para as pessoas imersas na mentalidade actual do capitalismo global, onde o capital financeiro é a única realidade.

Existem dois tipos de fluxo entre as concentrações de capital:

Fluxos internos de Capital, entre o mesmo tipo de capital. Por exemplo, usando dólares para comprar uma acção ou título, ou troca de sementes de tomates por uma caixa de ovos.

Fluxos externos de Capital, entre diferentes tipos de capital. Por exemplo, pagar por um estágio de 2 anos com um mestre de obras seria uma troca de capital financeiro por capital experimental, intelectual, e até mesmo social.

Estas propriedades do fluxo de capital levantam uma outra questão interessante e característica deste mapa: Quais são os meios de troca utilizados em cada forma de capital?

OS OITO TIPOS DE MOEDA

Embora a maioria das definições S moeda sobre o capital financeiro, o Oxford American Dictionary e o Princeton Wordnet (5) ambos incluem a definição de “facto ou qualidade de ser geralmente aceite ou em uso”. Para este mapa, eu defino uma moeda como o meio geralmente aceite (ou em uso) de troca entre concentrações de capital. Em muitos casos, a moeda é o próprio capital – por exemplo, itens de “Capital Material”, como o cobre ou aço, podem ser o meio de troca. As moedas também podem ser “combinadas” de formas mais interligadas e funcionais, e ainda usadas como meio de troca.

Aqui estão as oito formas de moedas associadas a cada forma de capital:

APLICAÇÕES PRÁTICAS

No início deste ano, quando eu e o meu colega projectamos um curso de 4 fins-de-semana de Horto-floresta, estávamos a ter uma série de problemas com o orçamento. Os custos de alugar o espaço e pagar aos professores, combinados com nosso desejo de manter os preços acessíveis à comunidade local fez os números parecem inviáveis. Não importa como nós mudávamos as coisas, não conseguíamos descobrir como obter um retorno financeiro razoável. Então percebemos que nosso pensamento estava muito afunilado – estávamos apenas a olhar para o capital financeiro! Quando considerado o capital experiencial que nós iriamos ganhar executando um curso, o capital social, a criação de florestas comestíveis no novo centro de educação, e o capital vivo de centenas de plantas úteis que seriam plantadas, tornou-se claro que o retorno financeiro era apenas uma das faces do sistema. No entanto, ainda era necessário para equilibrar o balanço de entradas e saídas desta forma de capital.

As oito formas de capital fornecem um caminho claro para um pequeno ponto de grande alavancagem: Investimento Eco-social. Podemos incentivar os indivíduos, empresas, organizações e governos a imitar, em termos de investimento, os processos naturais: Localmente, intimamente, diversamente e, principalmente, no capital vivo. A comunidade da Permacultura Financeira, Universidade de Gaia, e uma série de empresas e organizações associadas estão a investir em diversas cestas de capitais, oferecendo eventos como o Curso de Agricultura de Carbono no Tennessee e o próspero negócio eco-social do chocolate BooyaCacao.

Eu já delinei um conjunto de princípios para investimentos Eco-Sociais e em ecossistemas, que pode encontrar no meu blog www.appleseedpermaculture.com/blog. Uma das aplicações mais úteis deste mapa é o de fazer crescer e mudar a nossa própria compreensão do mundo e das transações que fazemos. Quando eu me voluntario com tempo de trabalho no terreno de permacultura orgânica do meu amigo, é mais do que apenas “trabalho não remunerado”:

  • Eu estou a ganhar experiência e capital intelectual sobre o solo, as culturas e gestão da quinta.
  • Estamos a apoiar o crescimento do capital vivo saudável no solo.
  • Ajudo o meu amigo a produzir produtos para trocar por capital financeiro (apoiando o seu modo de vida)
  • Nós os dois construímos capital social por intermédio da interacção positiva e da ligação uns com os outros.

Este nível de transparência pode levar a todo um novo nível de transparência no nosso trabalho como designers eco-socio-economico-culturais. Ele pode guiar-nos para uma prática cada vez mais profunda da terceira ética da permacultura.

A TERCEIRA ÉTICA

Embora Bill Mollison inicialmente previssem a terceiro ética da permacultura como “Definir limites para a população e consumo”, (6) muitos de nós (em particular nas vagas mais recentes da Permacultura) foram ensinados diferentes formas da terceiro ética. Alguns aprendem que é a “justa parte”, uma versão mais suave prazeirosa de “Limites”. Outros aprendem como “partilha de recursos”, que foca a atenção para longe de escassez e para o reinvestimento na abundância. E mais recentemente eu vi Starhawk referir-se à terceiro ética como “Salvaguardar o futuro”, o que sintetiza a as expressões “justa parte” e “partilha de recursos” com o foco na criação de heranças prósperas para as gerações futuras. As oito formas de capital podem e devem ser consideradas em termos de cada versão da terceiro ética.

A JUSTA PARTE

Quando as pessoas, as empresas, organizações e governos compreenderem as oito formas de capital, eles podem pensar que o capital financeiro não é o sistema todo. Isso pode levar a uma diminuição do consumo de bens e serviços não essenciais que alimentam o nosso sistema financeiro baseado no crescimento infinito.

Uma sociedade verdadeiramente justa requer uma distribuição justa e equitativa de todas as formas de capital. Embora o capital financeiro seja importante, os capitais não-financeiros oferecem caminhos para a capacitação das comunidades oprimidas no nosso planeta. Nas comunidades que visitei (Cazaquistão, Chile e na América Latina), a abundância de capital cultural, muitas vezes supera a do capital financeiro, regenerando-as com uma riqueza de experiência e capital como eu nunca vi na minha zona do nordeste dos EUA. Qualquer um de nós no mundo sobre-desenvolvido pode seguir este modelo, trabalhando para acabar com a opressão causada pelos nossos sistemas actuais, centrados no capital financeiro.

PARTILHA DE RECURSOS

Podemos usar as oito formas de capital para incluir a partilha de recursos nos nossos projetos. A Appleseed Permaculture definiu uma nova Política de carbono, em que 5% das nossas receitas serão dedicadas à compensação das nossas emissões de carbono por meio de projectos de cultivo de carbono (capital vivo). O imposto das árvores defendido pelos activistas da Permacultura funcionam de forma muito semelhante, transformando o capital financeiro em capital vivo para o bem do planeta.

A Appleseed Permaculture também é inspirada pelos nossos amigos Shabazz e Josephine da Greenway Environmental Services, que doam de forma explícita 10% de cada semana de trabalho de volta para a comunidade através da educação e consultoria. Eles partilham o seu capital intelectual e experiencial com jovens grupos de permacultores urbanos e rurais, gerando capital social por si mesmos, ao mesmo tempo. Como um homem branco de classe média-alta do nordeste dos Estados Unidos, eu estou à procura de formas de utilizar transparentemente e com alegria a minha situação previligiada para partilhar eficazmente recursos com aqueles que têm menos poder e liberdade do que eu. Este artigo é uma manifestação da minha partilha de capital intelectual. Para além disso, eu vou abordar este tema através do meu trabalho com o investimento eco-social. Depois de buscar a liderança de pessoas e comunidades que foram alvo dos efeitos opressivos de sexismo, racismo e classismo, os seus projectos podem ser alavancados através dos fluxos de investimento com multi-capitais.

SALVAGUARDAR O FUTURO

Para cuidar das gerações futuras, precisamos ir além das finanças na direcção do capital vivo e cultural. De todas as oito formas, estes dois têm o maior potencial para a mudança sistémica positiva. Mollison escreve: “Devemos desenvolver ou criar riqueza, assim como nós desenvolvemos paisagens, através da conservação da energia e dos recursos naturais [e] através do desenvolvimento de activos de procriativos (proliferando florestas, pradarias e sistemas de vida)” (7). Só através das canções, histórias e ética partilhadas pelo capital cultural pode o foco no capital vivo ser sustentado pela sétima geração vindoura.

Algumas peças estão em falta no mapa: onde é que o “trabalho” se encaixa no quadro? Que forma de capital é o “tempo”? Pode haver algumas implicações perigosas: O mapa pode mercantilizar os serviços dos ecossistemas, espiritualidade e cultura. Para cuidar do futuro, devemos pensar de forma mais holística sobre o nosso actual sistema de capital.

Deixe que este mapa seja um primeiro esboço. Nós não sabemos o que vai acontecer no futuro, mas se um conjunto complexo de mudanças e fluxos de capitais surgirem ao longo do caminho, eu irei oferecer as oito formas de capital como um novo mapa para a viagem.

Fonte: http://www.appleseedpermaculture.com/8-forms-of-capital/

Deixar uma resposta

Top
%d bloggers like this: