Novo estudo Norueguês acusa a Monsanto de falsamente declarar que os Organismos Geneticamente Modificados são seguros

NORWAY

Pesquisas internacionais sobre a segurança dos organismos geneticamente modificados são raramente relatadas nos meios de comunicação social ocidentais. Apesar da feroz resistência aos OGM noutros países, os norte-americanos só agora estão a começar a aprender que os OGM não são seguros para o consumo humano, e que eles comportam riscos ambientais significativos também.

E é precisamente por isso que dezenas e dezenas de países ao redor do mundo têm totalmente proibido os OGM, sejam importados ou produzidos no seu país. Enquanto as principais organizações de saúde do governo ocidental dizem que a ciência é clara sobre a sua segurança, vários governos, pesquisadores e publicações científicas de todo o mundo dizem algo diferente.

O governo norueguês, através do Conselho Consultivo de Biotecnologia da Noruega (NSAB), é um desses grupos. Encomendado pela Agência Ambiental Norueguesa no final do ano passado, tendo em vista o desenvolvimento de um documento de orientação de acordo com a Lei da Tecnologia Genética norueguesa, o seu objectivo era o de avaliar a sustentabilidade das plantas geneticamente modificadas (GM) tolerantes a herbicidas (HT).

O relatório examina um dossier que foi apresentado ao governo brasileiro pela Monsanto, e é e é sublinhado como a pesquisa tinha falhas e falta de uma quantidade enorme de dados. O estudo também apontou uma miríade de outras preocupações em relação aos OGM Intacta Roundup Ready 2 Pro Soja, finalmente concluindo que a ciência por detrás do cultivo desta variante é simplesmente inadequada. O relatório destaca uma série de deficiências metodológicas, bem como o problema das informações incompletas, pesquisa e ciência sobre culturas geneticamente modificadas. Isso é algo que vários outros países e cientistas de todo o mundo já advertiram antes.

O facto de que os efeitos a longo prazo exigem estudos de longo prazo pode parecer óbvio, mas é, aparentemente, para além da compreensão dos reguladores de OGM por todo o mundo, nenhum dos quais exige provas de mais de 90 dias em ratos (cerca de 7 anos em termos humanos). É um caso de “não olhamos, não vemos” (fonte)

Você pode ler o relatório completo aqui.

A Noruega é um dos muitos países na Europa a proibir os produtos geneticamente modificados e escolher não produzi-los. Na realidade, eles são um dos importadores mais restritivos de produtos geneticamente modificados, com vários OGM aprovados pela UE sendo estritamente ilegais no país. (fonte)

A resistência global contra as culturas geneticamente modificadas está a crescer a uma taxa exponencial. Há alguns anos, quase que se era ridicularizado por sugerir que os alimentos geneticamente modificados podiam ser perigosos, mas agora cientistas e pesquisadores estão a apresentar informações que fez com que 19 novos países se juntassem a uma já longa lista de nações a proibir completamente, ou pelo menos a restringir severamente, os OGM – e os pesticidas que vêm com eles. Você pode ler mais sobre isso aqui.

O que isso significa para as relações políticas entre os países que recusam OGM e a América do Norte? É difícil de dizer, mas um conjunto de vazamentos de informações da Wikileaks revelam que o Departamento de Estado Norte-americano estava a fazer lobby por todo o mundo para a Monsanto e outras grandes empresas de biotecnologia. Eles também revelam que os diplomatas americanos solicitaram um financiamento para enviar lobistas de biotecnologia para se encontrarem com políticos e autoridades agrícolas em “países-alvo”. Esses países seriam de África, América Latina e Europa.

Uma das fugas de informação mais reveladoras é de 2007. Ela olha para os esforços franceses de proibir uma variedade de milho Monsanto GM. Aqui está um excerto que mostra Craig Stapleton, ex-embaixador dos EUA em França, sob a administração Bush, pedindo a Washington para punir os países da UE que não apoiassem o uso de culturas geneticamente modificadas:

Pôr em práctica a retaliação deixará claro que o caminho actual tem custos reais para os interesses da UE e poderia ajudar a fortalecer as vozes pró-europeias de biotecnologia…

A equipa do país Paris recomenda que calibrem uma lista de retaliação alvo que cause alguma dor em toda a UE uma vez que esta é uma responsabilidade colectiva, mas que também se concentre, parcialmente, nos maiores responsáveis (fonte)

Isto basicamente é pressionar os países que ameacem para aceitarem a importação de produtos Norte-americanos geneticamente modificados.

Mais sobre os OGM e porque é que mais países estão a recusa-los

As principais preocupações sobre os OGM estão relacionadas com a saúde humana e ambiental. Juntamente com todos esses problemas (de acordo com a Reuters), alguns países simplesmente querem ter tempo para fazer a investigação adequada – desmentindo a Organização Mundial de Saúde (OMS) na sua cara, pois estes afirmam que os OGM são totalmente seguros:

Como parte do processo, eles retrataram as várias preocupações como meramente as opiniões ignorantes de indivíduos mal informados – e ridicularizou-os não apenas como não-científicos, mas anti-ciência. Eles, então, começaram a trabalhar para convencer os funcionários públicos e governamentais, por meio da divulgação de informações falsas, de que houve um consenso esmagador entre os especialistas, com base em provas sólidas, de que os OGM eram seguros.

– Jane Goodall (fonte)

Há muita pesquisa que rebate esta afirmação, tais como um estudo publicado no Jornal de Ciências Ambientais na Europa, que nunca citou quaisquer estudos de longo prazo que comprovem a segurança dos OGM. Quando um estudo foi finalmente realizado, encontrou danos graves no fígado e nos rins, bem como distúrbios hormonais em ratos alimentados com milho GM e níveis reduzidos de Roundup – níveis que eram inferiores aos permitidos na maioria água potável em toda a Europa. Os ratos também desenvolveram grandes tumores cancerígenos. (fonte)

Outros estudos descobriram casos de efeitos adversos microscópicos e moleculares por alguns alimentos GM em diferentes órgãos ou tecidos. Eles também determinaram que não há métodos padronizados para avaliar a segurança dos alimentos GM estabelecidos. Muitos estudos têm enfatizado que mais esforços científicos são necessários, a fim de criar confiança na avaliação e aceitação dos alimentos GM. (Fonte) (fonte)

Os estudos também associaram a alimentação animal com OGM à inflamação do estômago severa e úteros alargados em porcos. (fonte)

Aqui está o que Irina Ermakova, VP da Associação Nacional para a Segurança Genética da Rússia, disse no ano passado, quando a Rússia estava a ponderar sobre a decisão de proibir os OGM:

É necessário proibir os OGM, para impor moratória [sobre ele] por 10 anos. Enquanto os OGM estiverem proibídos, podemos pensar em experiências, testes, ou talvez até mesmo novos métodos de pesquisa que podem ser desenvolvidos… Ficou provado não só na Rússia, mas também em muitos outros países do mundo, que os GMO são perigosos. Os métodos de obtenção de OGM não são perfeitos e, portanto, nesta fase, todos os OGM são perigosos… O consumo e utilização de OGM obtidos desta forma podem levar a tumores, cancro e obesidade em animais… As biotecnologias, certamente, devem ser desenvolvidas, mas os OGM devem ser parados. [Nós] devemos parar a sua propagação. (fonte)

Tenha em mente que estamos a falar de culturas geneticamente modificadas que são pulverizadas com biliões de euros de produtos químicos tóxicos por ano. Estes produtos químicos têm sido associados a um sem número de doenças, desde o autismo, doença de Alzheimer, cancro outras mais.

As crianças de hoje estão mais doentes do que à uma geração. Desde cancros infantis ao autismo, defeitos de nascimento e asma, uma ampla gama de doenças na infância e outras patologias estão em ascensão. A nossa avaliação da ciência mais recente deixa pouca margem para dúvidas. Os pesticidas são um factor-chave nesta tendência preocupante – outubro 2012 relatório da Pesticide Action Network América do Norte (PANNA) (fonte) (fonte)

A lista continua e continua. Eu recomendo o livro abaixo se você quiser saber mais sobre este assunto.

Excelente recomendação de livro para aprender a verdade sobre os OGM

Para aqueles que estão a pesquisar para educar-se mais sobre os OGM, confira este livro: Genes Alterados, Verdade distorcida: Como o processo de manipular geneticamente a nossa comida subverteu a Ciência, corrompeu o Governo e sistematicamente enganou o público.

“Genes Alterados, Verdade distorcida será lembrado como um marco. Ele deveria ser de leitura obrigatória em cada curso de biologia na universidade” – Joseph Cummins, Ph.D., Professor Emérito de Genética da Universidade Ocidental, London, Ontario (fonte)

“Este livro incisivo e perspicaz é verdadeiramente notável. Não só é bem-fundamentado e cientificamente sólido, é lê-lo é um prazer – e uma leitura obrigatória. Através da sua triagem magistral dos fatos, que dissipa a nuvem de desinformação que tem enganado as pessoas ao leva-las a acreditar que os alimentos transgénicos foram devidamente testados e não implicam nenhum risco anormal” – David Schubert, Ph.D. biólogo molecular e chefe da Cellular Neurobiology, Instituto Salk para Estudos Biológicos (fonte)

Source: http://www.collective-evolution.com/2016/04/09/new-norwegian-study-accuses-monsanto-of-falsely-claiming-gmos-are-safe/

Deixar uma resposta

Top
%d bloggers like this: