As Toxinas Ambientais que Imitam o Estrogénio Estão a Causar Cancros

citrus-whitefly-june-2012-e-gaitarossa-1500x500

O cancro afligirá 1 em cada 2 homens e 1 em cada 3 mulheres nos EUA e 1 em cada 2 dos diagnosticados morrerão de cancro. Estes números são esperados que quase dupliquem por volta do ano 2050, tendo por base as estatísticas colectadas pelo Instituto Nacional do Cancro [NCI nos EUA].

Não é exagero apelidar esses números de epidemia, a par da peste bubónica do século XIV (também conhecida como a “Morte Negra”), que matou mais de 30% da população da Europa.

A minha família foi devastada pelo cancro. Aposto que a sua também foi. Será que acreditamos que essa hiper-aceleração nas taxas de cancro é genética?

Com toda a magia bioquímica da Monsanto, alguém poderia pensar que eles iam encontrar outra forma de criarem pesticidas para além de continuarem a despejar substâncias cancerígenas que imitam o estrogénio na cadeia alimentar mundial.

No vídeo abaixo, o Dr. Terry Grossman e o Dr. Nick Delgado falam sobre a relação entre o cancro e esses estrogénios não naturais no nosso ambiente.

Décadas de pesquisas revistas por pares mostraram que os produtos químicos prejudiciais que imitam o estrogénio estão a invadir os nossos corpos através dos pesticidas, plásticos (PCBs) e petroquímicos, entre outros vectores. A exposição a estes “xenoestrogénios” tem sido associada não apenas a cancros nos órgãos reprodutivos, mas também da mama, pulmão, rim, pâncreas e cérebro.

Para além disso, novas pesquisas mostram que todas as carnes, mesmo a de animais criados sem hormonas adicionadas, criados ao ar livre, orgânicos, etc. são naturalmente muito hormonais, de tal forma que hoje em dia a maioria de nós acumula até 10.000 vezes mais estrogénio no nosso corpo do que o acumulado pelos nossos ancestrais.

A acumulação excessiva de xenoestrogénios pode levar à ginecomastia nos homens (glândulas mamárias mais desenvolvidas que o normal), bem como a acumulação excessiva de DHT (Diidrotestosterona), um metabolito da testosterona, que se liga aos receptores nos folículos pilosos e é o principal factor no padrão masculino da calvície (que igualmente afecta algumas mulheres). Um facto pouco conhecido é que os homens de 60 ou mais anos frequentemente têm maiores níveis de estrogénio do que as mulheres da mesma faixa etária.

A exposição a estas toxinas ambientais que imitam o estrogénio pode manifestar-se através de sintomas relacionados com o estrogénio alto e baixo. Nas mulheres, o excesso de estrogénio pode levar ao ganho de peso, enxaquecas, depressão, insónia e uma série de outros sintomas de desequilíbrio hormonal. O baixo estrogénio nas mulheres pode resultar em pressão arterial elevada, doenças cardíacas e falta de libido, juntamente com muitos outros problemas.

O que podemos fazer quanto a isso?

O Dr. Grossman e Dr. Delgado concordam que a desintoxicação através do suor e das nossas outras excreções é importante – tal como evitar a ingestão desses produtos químicos em primeiro lugar. Isso implica limitar ou eliminar inteiramente o nosso consumo de água em garrafas de plástico, carnes e outros alimentos que podem estar contaminados com PBCs, em particular quando aquecidos em recipientes de plástico num forno de micro-ondas.

Mesmo com uma dieta estritamente vegana, a ubiquidade dos pesticidas e outros petroquímicos, que também inalamos pelo ar, torna impossível evitar os xenoestrógenos completamente.

O Dr. Grossman recomenda uma dieta rica em vegetais crucíferos da família Brassica, como o repolho, a couve-de-Bruxelas, couves, couve-galega, mostarda, couve-flor, agrião, rúcula, couve-china e brócolos, entre outros. Estes contêm compostos que se verificaram que inibem o desenvolvimento do cancro e a sua recorrência.

Para os melhores resultados ao comer vegetais crucíferos é necessário consumir 1 quilo por dia, o que será um desafio para qualquer pessoa, e por isso ele também recomenda o uso de suplementos contendo os dois principais compostos naturais encontrados nesta família de legumes, DIM (Diindolylmethane) e o Indole-3-carbinol, que alteram as formas tóxicas de estrogénio para as suas formas menos tóxicas e benéficas.

Veja o seguinte vídeo intitulado “Toxinas ambientais que imitam o Estrogénio estão a causar o cancro”:

Fonte: http://forbiddenknowledgetv.net/estrogen-mimicking-enviro-toxins-are-giving-us-cancer/

Deixar uma resposta

Top
%d bloggers like this: