Fabricantes substituem o BPA por outros produtos químicos que causam danos ao ADN

Quando já se acreditava que era seguro comprar produtos “sem BPAs”, os fabricantes inundam o mercado com uma sopa de alfabeto de bisfenóis tóxicos.

Consumidor, tenha cuidado. A nova pesquisa publicada na revista Chemosphere confirma que o químico disruptor de hormonas conhecido como bisfenol A (BPA) não é o único bisfenol com efeitos prejudiciais no DNA. Na verdade, o novo estudo celular descobriu que:

 “… o bisfenol AP, bisfenol M ou bisfenol P exerceram potenciais genotóxicos maiores do que os do BPA”.

À medida que a pressão do consumidor e dos reguladores força os fabricantes a eliminarem o BPA a favor de alternativas aparentemente mais seguras, alguns simplesmente substituem os bisfenóis por outros, menos conhecidos, nos seus produtos rotulando-os posteriormente e de forma insensata como “sem-BPAs”. Outros estão a encontrar alternativas verdadeiramente mais seguras aos bisfenóis, mas existe muito pouca supervisão para se ter a certeza.

A cadeia alimentar dos EUA já está amplamente contaminada por bisfenóis

Esta última revelação traz à tona uma descoberta referente ao início deste ano, de que uma grande variedade de bisfenóis já estão a contaminar a cadeia alimentar dos EUA.

O estudo publicado no Journal of Agricultural and Food Chemistry analisou as concentrações de substâncias químicas que provocam disrupções nas hormonas, conhecidos como bisfenóis, nos produtos alimentares dos Estados Unidos, e suas implicações para a exposição humana, revelando uma contaminação generalizada. [i]

Os investigadores procuraram determinar a ocorrência de bisfenóis, para além do BPA, nos alimentos, devido ao facto de que as informações sobre o assunto são escassas. A sua metodologia foi a seguinte:

Diversos análogos ao bisfenol, incluindo o BPA, BPF e BPS, foram analisados ​​em alimentos (N = 267) colectados em Albany, Nova Iorque, EUA, usando espectrometria de massa em cromatografia líquida de alto desempenho (HPLC-MS / MS) . Os produtos alimentares foram divididos em nove categorias de bebidas, produtos lácteos, gorduras e óleos, peixes e frutos do mar, cereais, carne e produtos à base de carne, frutas, vegetais e “outros”.

O estudo revelou que a contaminação com bisfenois na cadeia alimentar dos EUA é endémica:

Os bisfenóis foram encontrados na maioria (75%) das amostras de alimentos e as concentrações totais de bisfenóis (ΣBPs: soma de oito bisfenóis) estava dentro do limite de quantificação para 1130 ng / g de peso fresco, com um total de Valor médio de 4,38 ng / g. A maior concentração média global de ΣBPs foi encontrada na categoria “outros”, e que inclui os condimentos [com ênfase].

Dentro da categoria dos vegetais, uma amostra de mostarda (penteadeira) e gengibre continha as maiores concentrações de 1130 ng / g para o bisfenol F (BPF) e 237 ng / g para bisfenol P (BPP). Isso combina com outras duas descobertas perturbadoras do ano passado: 1) hormonas humanas e sintéticas contaminam agora, amplamente, os produtos frescos. 2) A actividade hormonal sintética agora eclipsa a das hormonas naturais nas populações expostas.

O estudo do Journal of Agricultural and Food Chemistry também descobriu que os alimentos enlatados continham maiores concentrações de bisfenóis individuais e totais, em comparação com alimentos vendidos em recipientes de vidro, papel ou plástico, provavelmente devido aos revestimentos de lata de resina epoxi o que significa que, a menos que seja explicitamente rotulado como sendo livre de bisfenol, contêm bisfenol

Mesmo com a última descoberta sobre a genotoxicidade dos bisfenóis diferentes do BPA, ainda houve pouca ou nenhuma pesquisa toxicológica e de segurança adequada sobre esses produtos químicos xenobióticos relativamente novos, apesar de milhões de consumidores já estarem expostos a eles.

Foi apenas no ano passado que ficou evidente que os fabricantes mundiais de bens de consumo que antes usavam o BPA estavam a mudar para o bisfenol BPS, igualmente tóxico (e ambientalmente mais persistente). [Ver: Alerta ao consumidor: os produtos sem BPA ainda contêm a toxina bisfenol.]

O BPS é cada vez mais usado para substituir o BPA na impressão de moeda-papel e impressão térmica, e agora é encontrado em amostras de urina humana em níveis tão elevados quanto o BPA. O novo estudo descobriu que o segundo análogo de bisfenol, mais prevalente e encontrado em alimentos foi o BPF, que representou 17% das concentrações de PA total versus 42% para o BPA.

O estudo concluiu que, com base nas concentrações medidas e nas taxas diárias de ingestão de alimentos, a ingestão dietética diária de bisfenóis (calculada a partir da concentração média) foi estimada em 243,142,177,63,6 e 58,6 ng / kg bw / dia para bebés, crianças, adolescentes e adultos, respectivamente.

Para entender quão altos são esses níveis, é preciso comparar os efeitos perturbadores dos níveis de exposição em “doses baixas” nos animais. Dois estudos feitos em animais, publicados em 2005, descobriram que doses tão baixas quanto 25 ng / kg bw / dia resultaram em “alterações permanentes no trato genital”, [ii] e “alterações no tecido mamário que predispõem células a hormonas e carcinogéneos” [iii]. Baseado nas descobertas do estudo, as crianças pequenas estão a ser expostas a quase 10 vezes essa quantidade (243 ng / kg de peso corporal / dia) através dos seus alimentos sozinhos. Isso nem sequer tem em conta as muitas outras fontes no seu ambiente, incluindo recipientes, recipientes dos alimentos enlatados e processados, etc.

Para pesquisas adicionais, incluindo estratégias naturais para reduzir a toxicidade dos bisfenóis e incentivar a sua desintoxicação, leia o artigo: Fabricantes substituem o BPA com o ainda altamente tóxico BPS.


Recursos:

Escrtito por: Sayer Ji

Deixar uma resposta

Top
%d bloggers like this: