Novos documentos mostram que um popular artigo Pro-Monsanto foi realmente escrito pela própria Monsanto

De acordo com documentos recentemente divulgados por via de um processo contra a Monsanto, no que diz respeito à segurança do glifosato, um herbicida amplamente utilizado, um proeminente académico da Universidade de Stanford permitiu que o gigante agroquímico escrevesse um artigo em seu nome. Posteriormente foi publicado na revista Forbes.

Henry I. Miller, um colega de Robert Wesson em Filosofia Científica e Política Pública na Hoover Institution da Universidade de Stanford, tem sido um aliado de longa data das grandes empresas agrícolas, bem como da indústria do tabaco.

Em 2015, logo após a Agência Internacional de Pesquisa sobre o cancro, um ramo da Organização Mundial de Saúde, ter determinado que o glifosato era “provavelmente um cancerígeno”, num e-mail enviado a Miller por Eric Sachs, um Líder de Ciência, Tecnologia e Assistência da Monsanto, convidou-o a escrever sobre a decisão:

“Henry,

Está interessado em escrever mais sobre o tema do painel do IARC sobre o seu processo e decisão controversa? Eu tenho antecedentes e posso fornecer informações, se necessário. O resultado é embargado, mas será comunicado na próxima semana.

Eric “

Este breve e-mail não só estabeleceu que Miller e Sachs já interagiram anteriormente, mas que a empresa estava pedindo directamente a Miller para comentar a decisão do IARC.

A resposta de Miller revela a sua cumplicidade e vontade de deixar Monsanto controlar a narrativa:

“Eu seria se eu pudesse começar com um rascunho de alta qualidade”, ele respondeu, acrescentando que ele foi “inundado por projectos”.

“Nós temos um rascunho quase pronto e enviaremos para si até amanhã”, respondeu Sachs, e apenas algumas horas depois envia um rascunho. “Aqui está o nosso rascunho… Ainda está muito em bruto… mas é um bom começo para a sua magia…” ele escreveu.

Miller eventualmente passou este rascunho à Forbes sem revelar que a Monsanto havia escrito a maior parte do mesmo. Quando a Forbes soube do seu acordo de 2015, neste mês, eles removeram o artigo, embora a CBS tivesse publicado uma versão em PDF da maioria dos seus conteúdos.

No artigo, Miller advertiu contra confiar em qualquer agência das Nações Unidas. Ele argumentou que a EPA (Agência de Protecção Ambiental dos EUA) e a ECHA (Agência Europeia de Produtos Químicos) não tinham descoberto previamente que esses ingredientes activos eram provavelmente cancerígenos (sem surpresas, a gigante agroquímica influenciou essas agências e, no caso da EPA, a própria pesquisa da Monsanto foi usada para aprovar os produtos de glifosato).

Depois de debater a diferença entre “perigos” e “danos”, Miller argumentou que:

“A realidade é que o glifosato não põe riscos para a saúde humana, mesmo em níveis de exposição que são mesmo 100 vezes maiores do que as exposições humanas que ocorrem em condições consistentes com a Rotulagem do produto”.

É claro que as crescentes pesquisas põem em causa a sua afirmação, assim como os acusadores em múltiplos processos de trabalhadores expostos ao químico, e que eventualmente desenvolveram cancro.

Esta não é a primeira vez que a Monsanto tenta influenciar os meios de comunicação e a investigação científica.

De acordo com outros emails internos que foram vazados, trocados cerca de um mês antes da decisão do IARC em 2015, o líder da Estratégia de Avaliação de Segurança do Produto da Monsanto, William Heydens, discutiu as “pesquisas-fantasma” e as solicitações a académicos para colocarem o seu nome nelas. Dirigindo-se à toxicologista Donna Farmer num e-mail intitulado “Planeamento IARC”, Heydens escreveu:

“Uma opção seria adicionar Greim e Kier ou Kirkland para ter os seus nomes na publicação, mas manteríamos os custos baixos fazendo a escrita e eles simplesmente editariam e assinariam com os seus nomes por assim dizer. Recorde-se que foi assim que lidamos com Williams Kroes & Munro, 2000.”

A Monsanto negou veementemente que este e-mail prova que eles escreveram o artigo fantasma de Williams, Kroes e Munro, afirmando que foi retirado do contexto.

Mas esse e-mail está longe de ser o único indicador de que eles tentaram influenciar a conversa em torno de seus produtos. Mesmo assim, a Monsanto está longe de ser o único conglomerado poderoso a tentar exercer controlo sobre narrativas, pesquisas científicas e agências governamentais. Empresas como Coca Cola e a Pepsi também apoiaram estudos académicos e “grupos de saúde“, e as empresas farmacêuticas também influenciam as pesquisas que as agências governamentais costumam usar para aprovarem os seus produtos.

Enquanto isso, à medida que as suas práticas enganosas são expostas, eles continuam a tentar evitar lidarem com a realidade na esperança de convencerem os outros. Como o Vice-Presidente da Monsanto para a estratégia global Scott Partridge disse, após Miller ser exposto:

“Isto foi um esforço colaborativo, em função da indignação que ouvimos de muitas pessoas nos ataques ao glifosato. Este não é um jornal científico, revisto pelos pares. É um artigo em que colaboramos com ele.”

Fonte: http://theantimedia.org/monstanto-writes-mainstream-article-about-monsanto/

Deixar uma resposta

Top
%d bloggers like this: