Uma cidade subterrânea de gigantes descoberta no Grand Canyon?

Mesmo com os avanços da moderna arqueologia, a maioria das cidades soterradas do mundo ainda permanecem um mistério. Descobertas surpreendentes requerem grandes esforços e, às vezes, uma quantidade ainda maior de sorte. Se tivéssemos de confiar no jornalismo do início do século 20, gostaríamos de saber que acaso levou à descoberta da mais famosa e fascinante cidade subterrânea de gigantes descoberta até hoje.

De acordo com um artigo publicado no The Arizona Gazette a 5 de Abril de 1909, o Grand Canyon foi o lar de uma civilização provavelmente constituída por indivíduos de proporções ciclópicas. Se tal civilização existiu, certamente ela teria deixado para trás alguma estrutura que testemunhasse a sua existência.

O artigo menciona a descoberta de uma fortaleza subterrânea enorme por um explorador chamado G. E. Kinkaid, na qual literalmente tropeçaram, enquanto faziam rafting no Rio Colorado. É importante ressalvar que Kinkaid era um arqueólogo de renome, e teve o apoio financeiro do Instituto Smithsonian.

grandcanyon_entry

A entrada para a cidade era afinal de contas um túnel que se estendia por quase 1 kilómetro.

Primeiro, eu gostaria de salientar que a caverna é quase inacessível “, escreveu Kinkaid. “A entrada é 1.486 pés após a entrada da caverna. Ela está localizada em terras do governo, e a nenhum visitante será permitida a entrada lá, sob pena de ofensa “.

[…] Acima de uma saliência escondida de quem passa no rio, estava a boca da caverna. Quando eu vi as marcas talhadas na parede interior da entrada fiquei interessado, certefiquei-me que a minha arma estava segura e entrei.

A arquitetura sugeria que os construtores da cidade subterrânea possuíam competências de engenharia avançadas.

tablet_a

O ponto central da cidade subterrânea era uma câmara gigantesca da qual irradiavam passagens como se dos raios de uma roda se tratasse. As paredes da câmara principal eram adornadas com armas de cobre e tabuletas cobertos de símbolos hieroglíficos, não muito diferentes dos encontrados no Egipto. Outro achado que apontava para uma ligação egípcia eram os corpos mumificados, de longe, as coisas mais intrigantes dentro da cidadela.

Nenhuma múmia media menos de 9 pés e todas elas estavam envoltas em linho escuro. Kinkaid escreveu que ele tinha levantado uma delas e tirou-lhe uma fotografia, mas a mesma nunca foi encontrada.

Uma exploração mais profunda revelou algo sobre a religião dos habitantes gigantes da cidade:

 

A cem pés da entrada havia um salão onde desembocavam vários corredores, com várias  centenas de pés de comprimento, onde eu encontrei o ídolo, ou imagem, do deus desse povo, sentado de pernas cruzadas, com uma flor de lótus ou lírio em cada mão.

A fisionomia desse rosto era oriental, assim como as esculturas da caverna. O ídolo assemelhava-se a Buddha, embora os cientistas não estejam certos quanto à religião que ele representava .

grandcanyonshrine%20429

O artigo regista a descoberta de cerâmicas e instrumentos, todos com os sinais de ter origem noutras partes do mundo. Uma mistura tão grande de culturas raramente é encontrada em achados arqueológicos, fazendo com que esta descoberta tenha uma importância sem precedentes.

A última camara que aguardava os exploradores era o que Kinkaid e seu parceiro, o Prof. S. A. Jordan, acreditavam ser uma cripta cerimonial. Foi localizada no final do quarto grande onde todas as outras múmias tinham sido encontradas.

Havia uma camara da passagem que não era ventilada, e quando nos aproximamos sentimos um cheiro mortal e furtivo que nos atingiu. A Nossa luz não conseguiu penetrar nessa escuridão e, até outros mais fortes estarem disponíveis, não saberemos o que a câmara contém.

Alguns dizem que eram cobras, mas outros pensam que podia conter um gás mortal ou produtos químicos usados ​​pelos antigos.

A instalação subterrânea inteira dá uns  nervos instáveis ​​e arrepios.

 

orion6_crypt2

Nesta área do Canyon estavam nomes como a pirâmide Quéops, o Claustro Buda, o Templo de Buda, o Templo Manu e o Templo de Shiva. Haveria alguma relação entre esses locais e as supostas descobertas egípcias no Grand Canyon?

Um arqueólogo estatal no Grand Canyon disse que os primeiros exploradores tinham nomes egípcios e hindus, mas era verdade que esta área estava fora dos limites para os caminhantes ou outros visitantes, por causa das “cavernas perigosas”.

Na verdade, toda esta área a que foi dado o nome de Egípcios e Hindus no Grand Canyon, é uma zona proibida – ninguém está autorizado a entrar nesta grande área. A nossa pesquisa só poderia concluir que esta era a área onde onde a cidade está localizada. Hoje, esta área ainda está, curiosamente, fora dos limites para os caminhantes e até mesmo, em grande parte,  para permanecer. O teórico da conspiração John Rhodes disse uma vez que sabia a localização exacta da entrada da cidade, mas que era guardada 24 horas por dia, 7 dias por semana, por soldados carregando espingardas M-16. Outra ideia que circula na internet afirma que a cidade subterrânea agora serve como um museu para a sombria classe dominante.

Fonte: locklip.com

Deixe um comentário

Top