Apenas seguimos ordens é chocante o quanto é fácil fazer com que as pessoas façam coisas más

Imagine este cenário: você inscreve-se para participar num estudo científico sobre a memória e aprendizagem numa grande universidade.

O seu papel é o de “Mestre”, e um “cientista” numa bata de laboratório apresenta-lhe o seu “aluno”.

Está, então, colocado em frente de um gerador de choques eléctricos. O seu aluno está sentado numa sala adjacente, onde ele está ligado a elétrodos. Você pode ouvir o seu aprendiz, mas você não pode vê-lo.

O “cientista” instrui-o a fornecer seu aluno com uma série de pares de palavras. Você deve testar a aprendizagem nomeando uma palavra e pedindo-lhe para recordar o seu par de uma lista de quatro opções possíveis.

Se e quando o aluno responde incorrectamente, você está a administrar um choque eléctrico remotamente. A intensidade dos choques aumenta a cada resposta errada subsequente.

O seu aluno responde às primeiras perguntas correctamente, mas, de seguida, começa a vacilar. Como ele continua a fornecer respostas incorrectas, você será instruído para administrar choques de intensidade crescente. O aluno começa a opor-se, aos solavancos, e grita de dor.

As ordens do “cientista” são para continuar com o teste e os choques e garante que, embora os choques possam ser dolorosos, o aprendiz não sofrerá nenhum dano permanente.

Você continua, ou pára a experiência?

****

Esta foi a pergunta o psicólogo social Stanley Milgram colocou para responder através da experiência acima descrita.
Os seus resultados foram surpreendentes e perturbadores: a tendência a obedecer figuras de autoridade é forte, independentemente do quanto as ordens são prejudiciais.

A pesquisa de Milgram sobre a obediência às figuras de autoridade começou em Julho de 1961, numa cave da Universidade de Yale, três meses após o início do julgamento de guerra do criminoso nazi alemão Adolf Eichmann.

A série de experiências psicológicas de Milgram foi concebida para responder a uma pergunta popular naquela altura:

Poderia ser que Eichmann e os seus milhões de cúmplices no Holocausto estivessem apenas a cumprit ordens? Poderíamos chamá-los a todos de cúmplices?

Ele queria investigar se os alemães foram particularmente obedientes às figuras de autoridade, dado que esta foi uma justificação comum para o genocídio nazi na II Guerra Mundial.

O que ele descobriu foi tanto surpreendente como perturbador.

Fonte: http://www.jakeshealthsolutions.com/just-following-orders-it-is-shockingly-easy-to-get-people-to-do-bad-things-3520

Isenção de responsabilidade: Nós, do Prepararem-se para a Mudança, disponibilizamos informações que não são divulgadas pelos principais meios de comunicação e, portanto, podem parecer controversas. As opiniões, visões, declarações e / ou informações que divulgamos não são necessariamente promovidas, avalizadas, adoptadas ou em concordância com o Prepararem-se para a Mudança, com o seu Conselho de Liderança, com os seus membros, com aqueles que trabalham com o Preparem-se para a Mudança ou com os que leem o seu conteúdo. Contudo os artigos são, esperançosamente, provocadores. Por favor use o seu discernimento! Use o seu pensamento crítico, a sua própria intuição e a sua própria conexão com a Fonte, com o Espírito e as Leis Naturais para o ajudar a determinar o que é verdade e o que não é. Ao partilhar informações e semear o debate de ideias, é o nosso objectivo elevar a Consciência e o conhecimento das verdades mais elevadas, para libertar-nos da escravidão da matriz de controlo neste reino material.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here