A Verdade Sobre o Acordo das Mudanças Climáticas de Paris

post-07-04-2

O acordo sobre as mudanças climáticas de Paris foi assinado por 195 países no dia da Terra, a 22 de abril de 2016, com uma data limite para ser “colocado em vigor” de 13 dias após os governos de 55 países que representam 55% das emissões totais de carbono aprovarem globalmente seus termos, colocando assim o acordo sobre as mudanças climáticas de Paris em boa posição para se tornar numa lei internacional para ser aplicada pelo conselho de segurança da ONU. A data final para a rectificação  por cada governo é 21 de abril de 2017.

Na verdade colocar tal acordo histórico “em vigor” significa a implementação da redução das emissões de carbono em cerca de 30 a 50% para algumas nações, o que por sinal significa o fim do uso do petróleo bruto como principal fonte de energia, mas secretamente ele realmente abriga o quadro jurídico intencional para a implementação de um tratado global de ouro que redefine um novo sistema monetário mundial, bem como todas as moedas (conhecida como “RV”).

As nações dos BRICS procuraram concretizar isto utilizando um tratado ambiental global ao invés de dizer o mais óbvio, que é uma mudança financeira, porque cria a paz ao invés do medo. Ninguém quer alertar o público em geral sobre a crise financeira e muito menos quer que a população saiba que há mais de 20 anos existe diariamente uma guerra brutal e sangrenta pelo controle das moedas do mundo inteiro.

Então, eles inteligentemente atribuíram individualmente aos países uma “percentagem da emissão de carbono”, o que na realidade representa a sua percentagem do PMB (produto mundial bruto), e que traduzido significa o quanto um país produz anualmente dentro da economia global actual. Então, para se certificarem de que eles tinham um consenso da maioria ficou determinado que os 55 países/governos que representam 55% do produto mundial bruto ratificassem o acordo de Paris sobre as mudanças climáticas antes de qualquer outra nação (para 100% das nações) poder aceder e prosperar usando o novo sistema financeiro baseado no sistema (CIPS) [o CIPS é o equivalente ao sistema de cadastro de tansferências electrónicas ocidental SWIFT] criado pelos BRICS/China, incluindo todo o mundo bancário ocidental (Europa, EUA e Canadá).

Sim, este foi claramente um caso geopolítico de engodo. Mas destina-se a actuar como uma ferramenta de manutenção da paz benevolente. No entanto precisamos de confessar que muitos de nós vão prestar atenção a cada dia, se não a cada hora da evolução da Reavaliação Global das Moedas (RV). Mesmo que apreciemos os novos poderes que estão a usar o acordo sobre as mudanças climáticas de Paris para sutilmente e publicamente negociarem todas as principais questões geopolíticas, agora é hora de ratificar este acordo histórico de modo a que a Humanidade possa seguir em frente. Porque a população do mundo está a sufocar em frentes intermináveis e uma hidratação económica é imediatamente necessária para sustentar e alavancar a vida.

Moralmente ela deve libertada agora senão forças maiores do que aquelas que criaram o plano vão intervir e fazer com que isso aconteça. Lembre-se, todos nós temos um superior.

Os bloqueios restantes no caminho da implementação ainda repousam na capacidade de cada país ratificar internamente os termos do acordo sobre as mudanças climáticas de Paris (na realidade a RV). Só então o país pode individualmente e adequadamente ser internacionalmente representado em termos do verdadeiro valor da sua moeda (emissões de carbono).

No entanto, a questão da micro implementação deste tratado é, em última análise, a causa do macro sofrimento de toda a Humanidade. Não pode haver reavaliação nos EUA sem 100% de ratificação do acordo global porque os países dos BRICS (que detém os direitos de voto da república dos EUA) NÃO VÃO IMPLEMENTAR O ACORDO DE PARIS SEM TODAS AS NAÇÕES RATIFICAREM O ACORDO POLITICAMENTE. A China será o último país a ratificar para que eles possam ter a honra de estabelecer um mundo livre economicamente, isto como um tributo merecido aos guardiões das contas de garantia globais (conhecidos como os Anciões Chineses e o Avô como seu líder).

Assim, a menos que todos os países o passem, ninguém segue. E é isto que a Anciãos chineses sempre exigiram e se recusam a ceder antes de libertar o mundo para implementar esta bênção através de quantidades infinitas de abundância fiscal apoiada por ouro. Na segunda-feira (06/06/2016) de manhã o USD (Dólar dos Estados Unidos) foi oficialmente transferido para o USN (Nota dos Estados Unidos) num valor justo reconhecido internacionalmente conforme os recursos naturais auditados. Outros países ainda têm de fazer o mesmo e ratificar o acordo de Paris… Enquanto isto não acontecer nenhum país do mundo pode receber as bênçãos.

Sabemos que o Iraque, a Venezuela, o Brasil, Filipinas e o Vietname são ainda os países que estão ou estavam em condições excepcionais em termos de ratificar o acordo sobre a mudança do clima em Paris, visto os seus governos terem estado em transformação para determinar quem está realmente no comando destas nações soberanas. Então, até que essas nações resolvam as suas questões politicamente e geopoliticamente, estamos todos a aguardar… E a exercer pressão sobre os países que ainda restam para jogarem correctamente na caixa de areia global.

Sabemos que ultimamente houve movimentos dramáticos sobre os valor das moedas do Brasil, Iraque, Vietname, Zimbábue e Filipinas, o que é um grande sinal, mas até que os valores destes países se estabeleçam… Antes é preciso corrigir os problemas internos difíceis causados pelas forças políticas locais, em que todos ainda estão disputando o poder interno para reinar na pré-RV.

As situações, tal como as entendemos agora, precisam que tudo em cada país seja resolvido e os seus valores de moeda foram criados para eles se juntarem a comunidade global de moedas através do “acordo sobre as mudanças climáticas de Paris” (na realidade o Tratado Global do ouro = RV). E, durante a última semana, os seus valores monetários individualmente têm aumentado antes da ratificação pelos seus governo.

Complicado ? Com certeza. Criticamente necessário ? Sem dúvida. Isto porque a população do mundo simplesmente não pode avançar sem estar apoiada pelo ouro e sem as moedas terem um valor comum e justo, assim como um sistema financeiro seguro, sendo que a partir de então o ecossistema do planeta deve começar a ser desintoxicado do gás e dos produtos do petróleo. Assim, ambas as coisas devem acontecer num curto espaço de tempo para que as nações não implodam de dentro para fora, ou se vaporizem de fora para dentro.

Abaixo estão as percentagens públicas de emissões de carbono (produto mundial bruto “PMB”) para todas as 195 nações. Dos quais entendemos que a partir de meio-dia de sexta-feira (10/06/2016) as nações soberanas dos 194 governos vão finalmente  ratificar os termos. Todos excepto a China. Bom, mau, certo ou errado… Esta é a verdade real sobre o acordo das mudanças climáticas de Paris.

Parceiro ou signatário  % Dos gases com efeito estufa para ratificar (RV) Assinou Ratificou ou aderiu
Afeganistão 0.05% 22/04/2016
África do Sul 1.46% 22/04/2016
Albânia 0.02% 22/04/2016
Alemanha 2.56% 22/04/2016
Argélia 0.30% 22/04/2016
Andorra 0.00% 22/04/2016
Angola 0.17% 22/04/2016
Antigua and Barbuda 0.00% 22/04/2016
Argentina 0.89% 22/04/2016
Austrália 1.46% 22/04/2016
Áustria 0.21% 22/04/2016
Azerbaijão 0.13% 22/04/2016
Bahamas 0.00% 22/04/2016
Bahrein 0.06% 22/04/2016
Bangladesh 0.27% 22/04/2016
Barbados 0.01% 22/04/2016 22/04/2016
Bielorrússia 0.24% 22/04/2016
Bélgica 0.32% 22/04/2016
Belize 0.00% 22/04/2016 22/04/2016
Benim 0.02% 22/04/2016
Butão 0.00% 22/04/2016
Bolívia 0.12% 22/04/2016
Bósnia e Herzegovina 0.08% 22/04/2016
Botswana 0.02% 22/04/2016
Brasil 2.48% 22/04/2016
Brunei [a] 22/04/2016
Bulgária 0.15% 22/04/2016
Burkina Faso 0.06% 22/04/2016
Burundi 0.07% 22/04/2016
Camboja 0.03% 22/04/2016
Camarões 0.45% 22/04/2016
Canadá 1.95% 22/04/2016
Cabo Verde 0.00% 22/04/2016
Catar 0.17% 22/04/2016
Chade 0.06% 22/04/2016
China 20.09% 22/04/2016
Colômbia 0.41% 22/04/2016
Comores 0.00% 22/04/2016
Coreia do Norte 0.23% 22/04/2016
Coreia do Sul 1.85% 22/04/2016
Costa Rica 0.03% 22/04/2016
Costa do Marfim 0.73% 22/04/2016
Croácia 0.07% 22/04/2016
Cuba 0.10% 22/04/2016
Chipre 0.02% 22/04/2016
Dinamarca 0.15% 22/04/2016
Djibouti 0.00% 22/04/2016
Dominica 0.00% 22/04/2016
Egito 0.52% 22/04/2016
El Salvador 0.03% 22/04/2016
Emirados Árabes Unidos 0.53% 22/04/2016
Eritreia 0.01% 22/04/2016
Eslováquia 0.12% 22/04/2016
Eslovênia 0.05% 22/04/2016
Espanha 0.87% 22/04/2016
Estado da Palestina [c] 22/04/2016 22/04/2016
Estados Unidos 17.89% 22/04/2016
Estónia 0.06% 22/04/2016
Etiópia 0.13% 22/04/2016
Fiji 0.01% 22/04/2016 22/04/2016
Filipinas 0.34% 22/04/2016
Finlândia 0.17% 22/04/2016
França 1.34% 22/04/2016
Gabão 0.02% 22/04/2016
Gâmbia 0.05% 26/04/2016
Geórgia 0.03% 22/04/2016
Gana 0.09% 22/04/2016
Grécia 0.28% 22/04/2016
Granada 0.00% 22/04/2016 22/04/2016
Guatemala 0.04% 22/04/2016
Guiné 0.01% 22/04/2016
Guiné-Bissau 0.02% 22/04/2016
Guiné Equatorial [a] 22/04/2016
Guiana 0.01% 22/04/2016 20/05/2016
Haiti 0.02% 22/04/2016
Honduras 0.03% 22/04/2016
Hungria 0.15% 22/04/2016
Ilhas Marshall 0.00% 22/04/2016 22/04/2016
Ilhas Salomão 0.00% 22/04/2016
Islândia 0.01% 22/04/2016
India 4.10% 22/04/2016
Indonésia 1.49% 22/04/2016
Irã 1.30% 22/04/2016
Irlanda 0.16% 22/04/2016
Israel 0.20% 22/04/2016
Itália 1.18% 22/04/2016
Jamaica 0.04% 22/04/2016
Japão 3.79% 22/04/2016
Jordânia 0.07% 22/04/2016
Kiribati 0.00% 22/04/2016
Kuwait 0.09% 22/04/2016
Laos 0.02% 22/04/2016
Letônia 0.03% 22/04/2016
Líbano 0.07% 22/04/2016
Lesoto 0.01% 22/04/2016
Libéria 0.02% 22/04/2016
Líbia [a] 22/04/2016
Liechtenstein 0.00% 22/04/2016
Lituânia 0.05% 22/04/2016
Luxemburgo 0.03% 22/04/2016
Madagascar 0.08% 22/04/2016
Malásia 0.52% 22/04/2016
Maldivas 0.00% 22/04/2016 22/04/2016
Mali 0.03% 22/04/2016
Malta 0.01% 22/04/2016
Mauritânia 0.02% 22/04/2016
Maurícia 0.01% 22/04/2016 22/04/2016
México 1.70% 22/04/2016
Micronésia 0.00% 22/04/2016
Mônaco 0.00% 22/04/2016
Mongólia 0.05% 22/04/2016
Montenegro 0.01% 22/04/2016
Marrocos 0.16% 22/04/2016
Moçambique 0.02% 22/04/2016
Myanmar 0.10% 22/04/2016
Namíbia 0.01% 22/04/2016
Nauru 0.00% 22/04/2016 22/04/2016
Nepal 0.07% 22/04/2016
Nova Zelândia 0.22% 22/04/2016
Níger 0.04% 22/04/2016
Noruega 0.14% 22/04/2016
Omã 0.06% 22/04/2016
Paquistão 0.43% 22/04/2016
Palau 0.00% 22/04/2016 22/04/2016
Panamá 0.03% 22/04/2016
Papua-Nova Guiné 0.01% 22/04/2016
Paraguai 0.06% 22/04/2016
Peru 0.22% 22/04/2016
Polônia 1.06% 22/04/2016
Portugal 0.18% 22/04/2016
Quênia 0.06% 22/04/2016
Reino dos Países Baixos 0.53% 22/04/2016
Reino Unido 1.55% 22/04/2016
República Centro-Africana 0.01% 22/04/2016
República Checa 0.34% 22/04/2016
República da Macedônia 0.03% 22/04/2016
República Democrática do Congo 0.06% 22/04/2016
República do Congo 0.01% 22/04/2016
República Dominicana 0.07% 22/04/2016
Romênia 0.30% 22/04/2016
Ruanda 0.02% 22/04/2016
Rússia 7.53% 22/04/2016
San Marino 0.00% 22/04/2016
Santa Lúcia 0.00% 22/04/2016 22/04/2016
São Cristóvão e Nevis 0.00% 22/04/2016 22/04/2016
Samoa 0.00% 22/04/2016 22/04/2016
São Tomé e Príncipe 0.00% 22/04/2016
São Vicente e Granadinas 0.00% 22/04/2016
Senegal 0.05% 22/04/2016
Seicheles 0.00% 25/04/2016 29/04/2016
Sérvia 0.18% 22/04/2016
Singapura 0.13% 22/04/2016
Somália [a] 22/04/2016 22/04/2016
Sri Lanka 0.05% 22/04/2016
Suazilândia 0.05% 22/04/2016
Sudão 0.18% 22/04/2016
Sudão do Sul [a] 22/04/2016
Suriname 0.01% 22/04/2016
Suécia 0.15% 22/04/2016
Suíça 0.14% 22/04/2016
Tailândia 0.64% 22/04/2016
Tajiquistão 0.02% 22/04/2016
Tanzânia 0.11% 22/04/2016
Timor-Leste 0.00% 22/04/2016
Tonga 0.00% 22/04/2016
Trindade e Tobago 0.04% 22/04/2016
Tunísia 0.11% 22/04/2016
Turquia 1.24% 22/04/2016
Tuvalu 0.00% 22/04/2016 22/04/2016
Ucrânia 1.04% 22/04/2016
Uganda 0.07% 22/04/2016
União Europeia [b] 22/04/2016
Uruguai 0.05% 22/04/2016
Vanuatu 0.00% 22/04/2016
Venezuela 0.52% 22/04/2016
Vietnã 0.72% 22/04/2016
Zimbábue 0.18% 22/04/2016

Adaptado para Português Europeu da Tradução original para Português do Brasil do site: https://portal2013br.wordpress.com/2016/07/04/a-verdade-real-sobre-o-acordo-da-mudanca-do-clima-em-paris/

Fonte original do artigo: http://www.ascensionwithearth.com/2016/06/yosef-update-june-10-2016.html#more

1 thought on “A Verdade Sobre o Acordo das Mudanças Climáticas de Paris

Deixar uma resposta

Top
%d bloggers like this: