Despertar da religião

waking-up-from-religion-330x217
Eu encontrei Deus quando perdi a minha religião.

Muitas vezes as nossas crenças religiosas são-nos entregues pela nossa família e cultura e, quando atingimos a idade em que podemos escolher de forma consciente, é demasiado tarde porque já sofremos uma lavagem cerebral com as crenças pré-determinadas que parecem estar gravadas em pedra.

Idealmente, o verdadeiro propósito de qualquer religião deve ser o de facilitar uma conexão directa com o “Divino” e apoiar o despertar espiritual. Infelizmente poucas, se nenhuma religião, cumprem esta finalidade. Se o fizessem, muitos mais de nós estariam despertos agora, ou pelo menos intimamente ligados à Fonte de quem nós realmente somos. Mesmo hoje com a prevalência das práticas espirituais da “Nova Era”, poucos de nós atingiram o despertar espiritual completo e a conexão divina directa.

O que é que está errado nesta imagem? Talvez essa resposta esteja nas razões pelas quais a Humanidade procura a religião, ou espiritualidade estruturada, em primeiro lugar…

Procurar as respostas para o desconhecido pode ser algo assustador – de onde viemos, porque estamos aqui e, especialmente, para onde vamos após partirmos? Quanto mais fundo vamos na “toca do coelho” na nossa busca pela verdade espiritual, mais solitários, confusos e assustador se torna. A Religião é uma predadora desse medo e confusão. Ao fornecer respostas pré-concebidas projetadas para nos dar uma falsa sensação de segurança, oferece um alívio dessa busca interior, mas em troca dessa muleta espiritual devemos renunciar à soberania espiritual e à liberdade de escolher as nossas próprias crenças. Devemos abdicar da mesma coisa que nos permite encontrar o nosso verdadeiro eu.

De muitas maneiras, a minha infância espiritualmente complicada foi um presente disfarçado. Embora a minha mãe tivesse sido criada como estritamente Católica Romana e o meu pai tivesse sido criado como estritamente judeu, fui baptizado Cristão, e quando chegou a hora de me mandarem para a escola, eu era tarde para uma escola muito católica dirigida por freiras tirano. Nem minha mãe nem meu pai ponderaram antes de me enviar para uma escola católica, onde certamente me iria destacar como um polegar inchado – com um último nome muito judaica e um nariz a condizer. Eu fui tratado de forma diferente das outras crianças pelas freiras, mas eu era muito jovem para entender porquê e, no final da primeira classe, mesmo as outras crianças formaram uma aliança contra mim. Este julgamento ostensiva de freiras e colegas durou anos e, em resultado disso, eu dei-me mal na escola, eu não tinha amigos e eu acreditava que havia algo de muito errado comigo.

Na quinta classe, o stresse emocional em curso causou-me um colapso nervoso e, em resultado disso, os meus pais matricularam-me na escola pública, o que me permitiu descobrir essa “coisa religiosa” por mim próprio. Aos doze anos, a minha imensa procura da verdade estava em andamento.

Até aquele momento, eu tinha sido ensinado que Deus devia ser temido, e se você quebrasse qualquer mandamento seria punido, e talvez até enviado para um inferno de fogo para se arrepender para sempre. Ele foi muito convincente mas algo dentro de mim me dizia que isto simplesmente não era verdade.

A minha busca longa e incessante pela verdade espiritual entregou-me a um espaço sagrado que era, não surpreendentemente, vazio de toda a religião e dogmas limitadores que nos impede de descobrir a verdade por nós mesmos.

Porque é que a religião nos impede de fazer aquilo que eles deveriam estar a fazer? Em vez de nos capacitar para uma conexão completa com o Divino e nos apoiar para despertar e lembrar de quem realmente somos, mantêm-nos a dormir, enterrados sob pilhas de crenças incapacitantes que eles programam nas nossas mentes vulneráveis.

Se estamos a lutar para provar que somos dignos do amor de Deus ou que temos de depender de um “intermediário” (padre, rabino, guru, etc …), a fim de comunicar com Deus, como é que alguma vez poderemos alcançar uma profunda ligação espiritual com o Divino?

Religiões que programam

A maioria das religiões opera através de mecanismos de controlo, mas frequentemente a dinâmica do controlo é tão secreto que você não consegue reconhecê-lo, e se você não conseguir reconhecê-lo, você pode facilmente cair nos argumentos de vendas da religião. Ou se você for um seguidor de longa data, deixar a religião pode ser como extrair-se de areias movediças emocionais.

A maioria das religiões, e até mesmo algumas práticas espirituais, mantêm as pessoas a dormir através de um programa de vergonha e sigilo. O programa inclui uma fórmula de controlo engenhosa, baseada em crenças incapacitantes, tais como indignidade, impotência, exclusão e julgamento, e todas essas coisas resultam em emoções dolorosas e debilitantes que podem durar uma vida.

Instalando as crenças

A maioria das religiões instala crenças sobre “certo e errado”, “bons e maus” e “santos e pecadores”, fazendo com que os seguidores acreditem que o seu bem-estar ou salvação é dependente de seu comportamento e, se eles desobedecerem, eles são julgados e punidos com o equivalente ao karma ou vida após a morte eterna de proporções indesejáveis. Mas isso nem sequer é a pior parte! O enfrentar das suas crenças religiosas automaticamente invoca sentimentos de vergonha, culpa, ligação ou arrependimento. Estes sentimentos, ou o medo destes sentimentos, pode ser um impedimento ainda mais poderoso do que até mesmo a ameaça de tortura física.

A parte mais profunda do mecanismo de controlo é através da manipulação das emoções, de modo que seja você a punir-se a si mesmo.

Por exemplo, se a sua religião diz que é errado ter sexo fora do casamento, e se você faz sexo pré-marital, você vai punir-se automaticamente através de profundos sentimentos de vergonha, culpa, arrependimento e indignidade. Na verdade, se você sequer pensar em ir contra a doutrina religiosa, estas emoções poderosas irão induzir sentimentos de arrependimento iminente, e faze-lo pensar duas vezes.

O mesmo é válido para coisas como a “assiduidade” nas cerimónias, o dízimo / doações e quaisquer outras condições ou requisitos da sua religião. O seu medo de sentir culpa ou arrependimento controla o seu comportamento e fá-lo fazer coisas que talvez não sejam certas para si, ou talvez o impeça de expressar o seu verdadeiro eu. A questão é, se você está emocionalmente manipulado, como pode sequer sabe o que é melhor para si? Somente através do livre-arbítrio você poderá ser inspirado pelo seu próprio ser interior.

Como o controlo é proveniente de dentro de si, sob a forma das suas próprias crenças e emoções, você provavelmente nem sequer se apercebe que você está a ser controlado, o que que torna este tipo de controlo é ainda mais diabólico do que se alguém o ameaçasse com uma faca. Quando você consegue identificar uma fonte de controlo externo, é claro que você está a ser controlado, mas quando você é voluntariamente programado com crenças e essas crenças estão a causar emoções dolorosas, é quase impossível discernir que uma fonte externa está a exercer controlo sobre a sua vida.

Aproveitando-se dos jovens e vulneráveis

A maioria das pessoas são programadas com crenças religiosas, quer quando elas são muito jovens para questionar essas crenças ou em num momento muito vulnerável das suas vidas. Por exemplo, as pessoas procuram respostas espirituais quando estão a viver dor emocional ou confusão. As Religiões alimentam-se isso, e até mesmo tiram proveito dessa vulnerabilidade, seduzindo os candidatos com as promessas de segurança e conforto para esta vida, e talvez até mesmo para a vida após a morte.

Sacrificar o poder em troca da Salvação

A maioria das religiões pede que você delegue o seu poder, e que você confie na religião e nos seus líderes mais do que você confia em si mesmo. Você é ensinado que, a fim de se conectar com o Divino, você deve depender de divindades não-físicas, ou líderes religiosos. Se você quer uma resposta a uma oração ou quer o perdão, você deve usar um “intermediário”, porque você não é digno, ou suficientemente puro, para a comunhão directa com o Divino. O pior de tudo é que a mensagem é: “Não confie em si mesmo” e, desde que você não confie em si mesmo, você permanecerá impotente perante a autoridade externa.

Governado pelo Crescimento Condicional

Na maioria das religiões existe um decreto tácito que determina o que é digno e com o qual todos os praticantes concordam. O seu valor depende do quão bem você seguir as regras da sua religião – se você fizer como lhe disserem para fazer, de acordo com sua religião, ou com o seu líder religioso, será considerados digno e, se você for contra ou questionar as regras ou crenças, será considerado indigno. A indignidade induz profundos sentimentos de vergonha que levam ao sigilo.

Uso de Julgamentos

O medo de ser julgado, envergonhado ou alvo de falatório é frequentemente usado para manter os seguidores na linha, criando o sigilo e impedindo os seguidores de partilharem as suas “indiscrições” uns com os outros. Por o julgamento ser semelhante à morte do ego, vamos fazer quase qualquer coisa para evitar sermos julgados. Em resultado, todos fingem serem bons seguidores, enquanto secretamente escondem qualquer “mau comportamento” e, porque ninguém partilha nada abertamente, parece que todos são santos, o que torna impossível para si falar a sua própria verdade.

waking-up-from-religion-god-has-no-religion
Deus não tem religião

Sem margem para dúvidas ou perguntas

Se você acredita que os seus companheiros praticantes irão ostraciza-lo ou denunciá-lo aos seus líderes religiosos, você provavelmente não vai partilhar quaisquer sentimentos de dúvida sobre a religião ou os seus líderes – você vai silenciosamente guardar as suas dúvidas ou incertezas para si mesmo, sem nunca saber que o seu amigo, vizinho ou membro da família se sente da mesma forma. O julgamento e o medo de ser julgado promove a divisão. Como diz o ditado, “dividir e conquistar” e, a todo custo, impedir os já conquistados de se juntarem e revoltarem. O silêncio e a separação permitem que as agendas religiosas operem discretamente.

Excluir os Não-Crentes

E a ameaça dos não-crentes que não fazem parte da religião? Muitas vezes, os seguidores são bem treinados na conversão de não-crentes, com respostas programados para qualquer objeção que possa surgir a partir do que eles já estão a tentar converter. Os seguidores são inclusive ensinados a explorar as vulnerabilidades com promessas de salvação mas, se isso não funcionar, o não-crente é visto negativamente, posto de lado com ignorante e excluído. Este tipo de justiça, onde o crente está certo e o não-crente errado, é apenas uma outra forma de julgamento e exclusão em nome de Deus.

O lema frequentemente é: “Ou acredita e junta-se a nós ou é excluído e julgado como pecador”.

Não estou a dizer que você deva deixar a sua religião, ou mesmo pensar sobre fazer isso – não é essa a ideia. O ponto é, se você quer despertar para a verdade de quem você realmente é, você deve libertar-se da perda de poder. Isto significa tomar conquistar de volta o seu poder em relação a tudo e todos – incluindo a religião.

Pode parecer fácil culpar a religião de nos manter impotentes, adormecidos ou desconectados mas a religião só existe porque nós procuramos respostas fora de nós mesmos. Do ponto de vista mais profundo, as religiões são configuradas para lhe falhar para que, eventualmente, você comece a olhar para o único sítio onde poderá sempre encontrar as respostas que procura. No fundo de si.

A religião diz: “Você é indigno a menos que você cumpra certas condições”

O Despertar revela: “Você é digno incondicionalmente”

A religião diz: “Você é impotente perante uma fonte externas”

O Despertar revela: “Você acede ao seu poder quando assume a responsabilidade pela sua vida”

A Religião separa, julga e exclui.

O Despertar e a Unidade são sinónimos.

Ao Despertar, você começa a recordar-se que realmente é o Divino, e quando você se julga a si mesmo ou aos outros, na realidade está realmente a julgar Deus.

Como é que você sabe se a sua prática religiosa ou espiritual realmente promove a Capacitação Espiritual, a conexão divina e o despertar espiritual?

  • Mais importante ainda, a sua religião ou prática espiritual deve trabalhar para si, e só você pode decidir o que isso significa, mas aqui estão algumas sugestões à sua consideração:
  • A sua prática espiritual dá-lhe liberdade e espaço para encontrar as suas próprias respostas, mesmo que essas respostas não concordem com os ensinamentos espirituais.
  • Você não é julgado, punido ou excluído por pensar de forma diferente, ou questionar ideias.
  • A sua prática espiritual move-se na direcção do Amor e da Unidade, concedendo espaço para você se perdoar a si mesmo e aos outros, à medida que você se desfaz da velha bagagem pesada que já não lhe serve.
  • Os ensinamentos espirituais elevam-no a novos patamares de Consciência, enquanto o inspiram a expressar-se.
  • As crenças espirituais são oferecidas através de aulas de capacitação, e não através do medo do karma, punição ou de qualquer forma de perda de poder, nem devem ser manipuladas através da culpa, obrigação ou do arrependimento iminente.
  • O seu Professor Espiritual não encoraja a dependência dele ou dela, não lhe diz o que fazer, como pensar ou como encarar outros ensinamentos espirituais como errado ou inferior a.
  • Você não é convidado a julgar, rejeitar ou excluir os outros a fim de permanecer na religião, nem é punido por amar aqueles que não obedecem as regras de sua religião.
  • Você sente-se honrado e respeitado pelo seu professor e colegas, e você nunca vai sentir-se como se o professor ou a prática espiritual têm poder sobre si, ou que o seu merecimento está em causa.
  • A sua prática capacita-o a descobrir quem você realmente é e apoia-o a desenvolver um relacionamento íntimo e pessoal com o Divino, onde você se experiencia a si mesmo como sendo incondicionalmente amado.
  • Se a sua intenção é o despertar espiritual, a sua prática espiritual não só deve capacitá-lo a descobrir a porta do Despertar, como deve encorajá-lo bastante a deixar-se ir para que possa entrar. A fim de Despertar totalmente, você deve estar disposto a deixar de ir até mesmo a prática sagrada que você chegou lá.
  • A ideia a reter aqui é: se a sua prática espiritual o orienta para o interior de si mesmo? Faz você sentir-se mais perto do Divino? Será que o capacita?

Não deite fora o bebé com a água do banho

Se você deixou a sua religião, ou você está pensando em deixa-la, não confunda deixar a religião com deixar Deus. Assim como diz o ditado “não deitar fora o bebé com a água do banho”, não deite fora Deus com a religião. Deus tem sido manchado por todos os tipos de crenças incapacitantes – desde regras insanas a disparates absurdos e tudo mais. Você pode deixar tudo isso para trás e pode encontrar Deus nos seus próprios termos, de uma forma que sinta particularmente certa para si.

Perder a comunidade

Às vezes continuamos numa religião mesmo muito depois de expirada a data de validade porque se a deixarmos provavelmente significará que devemos deixar a nossa comunidade. Tolerar regras e dogmas que já não nos servem pode parecer um pequeno preço a pagar em troca do Amor e do apoio duma comunidade, mas o preço é muito maior do que parece. Se está a comprometer a sua liberdade, a esconder os seus verdadeiros sentimentos ou a restringir a sua expressão a fim de ser aceito numa comunidade, mais cedo ou mais tarde, você provavelmente vai ser confrontado com as profundas feridas espirituais que surgem de trair o seu próprio e verdadeiro espírito.

Sim, pode haver um período de tempo em que você não tem o apoio da comunidade, mas prometo, a sua comunidade ideal está lá fora à sua espera. Uma onda massiva de pessoas de todo o mundo estão a despertar e a deixar as situações e ambientes que não lhes servem mais. Assim como você, eles estão à procura do lugar onde pertencem. É hora de nos unirmos para criarmos paradigmas comunitários capacitantes onde todos nós podemos prosperar, e sermos quem nós viemos aqui para ser.

Por Nanice Ellis

Escritora e contribuidora do site Wake up World

1 comentário em “Despertar da religião

  1. Só que muita gente vai começar a buscar as ideias de liberdade espiritual, de auto-empoderamento, de um mundo cósmico que está dentro de você e acaba novamente como religiosa, criando grupos e pequenos conluios, isso também está acontecendo fora das religiões organizadas, é como se fosse algo que realmente fosse implantado e quando você consegue apertar um pouco o botão ele diz:- Ok, você vai até aqui, depois eu volto INDUBITAVELMENTE a ter poder sobre você.

Deixe um comentário

Top