O Instituto Nacional do Cancro dos E.U.A. discretamente confirma que a Cannabis pode curar o cancro

Aparentemente, a mão esquerda deste governo não sabe o que a mão direita está a fazer, ou provavelmente não quer saber. Usando como presa fácil os utilizadores de Cannabis e utilizando-os como mão-de-obra barata nas prisões enquanto destroem famílias, existe pouca motivação para remover a cannabis da lista de substâncias proíbidas.

Essa lista inclui drogas perigosas, viciantes e sem mérito terapêutico. A Agência Americana para o Narcotráfico [DEA – Drug Enforcement Administration] precisa de justificar o seu financiamento e a Agência Reguladora dos Alimentos e Fármacos [FDA – Food and Drug Administration] prefere carimbar a aprovação de medicamentos farmacêuticos que são muito mais perigosos do que a cannabis e muito menos eficazes. A FDA tem de obrigar os seus clientes corporativos a manterem os seus pagamentos de licenciamento das grandes farmacêuticas em dia.

Os estudos não divulgados que comprovam os méritos médicos da cannabis são referenciados no NCI (National Cancer Institute) [Instituto Nacional do Cancro nos EUA]. Embora sejam drogas com utilidade para melhorar a quimioterapia ou suprimir alguns dos efeitos colaterais terríveis da quimioterapia existem muitas, muitas histórias de casos reais de cura do cancro com cannabis.

É claro que esses são descartados como anedóticos e não recebem atenção das agências governamentais e dos meios de comunicação social. As pessoas que são curadas pela cannabis não satisfazem a “ciência” médica. Tem de haver uma possibilidade de refutar isso e continuar como se nada fosse, como é habitual.

No entanto, a lista a seguir é extraída directamente de uma das páginas de perguntas e respostas do NCI sobre a cannabis:

[Versão para profissionais de saúde]

RELATÓRIO SOBRE A ACTIVIDADE ANTITUMORAL DA CANNABIS

Estudos em ratos mostraram que os cannabinóides podem inibir o crescimento do tumor, causando a morte celular, bloqueando o crescimento celular e bloqueando o desenvolvimento dos vasos sanguíneos necessários para que os tumores cresçam. Estudos em laboratório e animais demonstraram que os canabinóides podem matar as células cancerígenas enquanto protegem as células normais.

– Um estudo em ratos mostrou que os canabinóides podem proteger contra a inflamação do cólon e podem ter potencial na redução do o risco de cancro do cólon e, possivelmente, no seu tratamento.

– Um estudo de laboratório de delta-9-THC em células de carcinoma hepatocelular (cancro do fígado fígado) mostrou que danificou ou matou as células cancerosas. O mesmo estudo de delta-9-THC em modelos de cancro do fígado em ratos mostrou que teve efeitos antitumorais. O Delta-9-THC provou que é a causa esses efeitos, agindo sobre moléculas que também podem ser encontradas em células de cancro do pulmão de células não pequenas e células de cancro da mama.

– Um estudo de laboratório do cannabidiol (CBD) em células de cancro da mama para os receptores de estrogénio positivos e receptores de estrogénio negativos mostrou que isso causou a morte células cancerígenas, tendo pouco efeito sobre as células normais da mama. Estudos em modelos de ratos de cancro da mama metastático mostraram que os canabinóides podem diminuir o crescimento, o número e a disseminação de tumores.

– Um estudo de laboratório do cannabidiol (CBD) em células de glioma humano mostrou que, quando administrado juntamente com a quimioterapia, o CBD pode tornar a quimioterapia mais eficaz e aumentar a morte de células cancerígenas sem prejudicar as células normais. Estudos em modelos de cancro em ratos mostraram que o CDB em conjunto com o delta-9-THC pode tornar a quimioterapia, como a de temozolomida, mais eficaz.

ESTIMULANDO O APETITE DOS PACIENTES DE CANCRO

– Muitos estudos em animais mostraram que o delta-9-THC e outros canabinóides estimulam o apetite e podem aumentar a ingestão de alimentos.

ALÍVIO DA DOR

Os receptores anabinoidais (moléculas que se ligam aos cannabinóides) foram estudados no cérebro, na medula espinhal e nas terminações nervosas de todo o corpo para entender os seus papéis no alívio da dor.

– Os anabinoidais foram estudados para efeitos anti-inflamatórios que podem desempenhar um papel no alívio da dor.

Fim de citação da NCI, a “principal agência de pesquisa de cancro do governo”.

Paradoxalmente, outra agência governamental que deveria proteger-nos, a FDA, aprovou recentemente o analgésico mais perigoso, o Oxycontin, para crianças com 11 anos. Oxycontin é heroína sintética, muito viciante.

Depois, existem drogas de velocidade sintética como a Ritalina que são aprovadas para crianças com menos de cinco anos de idade. Ambas mascaram os sintomas enquanto arruínam a saúde.

Mas, é claro, essas drogas não estão na lista. Todas têm mérito terapêutico “aceite”, aprovado pela FDA e prescrito pelos médicos, os impulsionadores oficiais dos fármacos. Evidentemente, os estudos listados pelo NCI não indicam mérito terapêutico, mas os derivados sintéticos de cannabis menos eficazes e com efeitos colaterais que as grandes farmacêuticas criam são aprovados pela FDA. UAU!

E, é claro, também são ignorados os vários ensaios em animais e humanos realizados com a cannabis para várias doenças, incluindo o cancro, em Espanha e em Israel. Pode ir a este site da PubMed e fazer uma pesquisa por cannabis ou marijuana e vai encontrar vários estudos favoráveis à cannabis.

Onde estão os principais meios de comunicação social no meio disto tudo? A honrarem o seu fluxo de caixa proveniente do grande orçamento de propaganda das grandes farmacêuticas, com o seu silêncio eu suspeito.

Fonte: https://realfarmacy.com/national-cancer-institute-quiety-confirms-cannabis-cures-cancer/

Deixar uma resposta

Top
%d bloggers like this: