operação paperclip

Como os nazis na realidade ganharam a guerra

Os nazis ganharam a guerra em muitos sentidos, maneiras e aspectos – mas tudo isso está fora do alcance do pensamento histórico dominante. Terá que escavar fundo para ver a verdade do que aconteceu.

O facto chocante é que os principais líderes nazis, a tecnologia, dinheiro, armas e pessoas (engenheiros, cientistas e técnicos) foram escoltados em segurança para fora da Alemanha antes de Maio de 1945, data do fim da Segunda Guerra Mundial na Europa.

Tanto antes como durante a Guerra, os nazis criaram bases fora da Alemanha e, em 1944, conscientes de que o fim estava próximo, encontraram uma forma de obter dinheiro secretamente.

Quando digo que os nazis ganharam a guerra, não quero dizer nazis no sentido figurativo ou como um termo generalista para descrever fascistas ou autoritários.

Refiro-me aos nazis originais do 3.º Reich de 1933 a 1945 na Alemanha, aos líderes do NSDAP, e não aos alemães que os seguiram e, claro, aos restantes alemães que não o fizeram.

A história convencional não faz a mínima ideia do que se passou. Sabe que os nazis das hierarquias mais elevadas, a tecnologia, o dinheiro, as armas e a ideologia foram escoltadas em segurança para fora da Alemanha antes de Maio de 1945?

Os nazis sempre tiveram amigos influentes desde o início, como veremos, e esses mesmos poderes asseguraram que o pessoal, a tecnologia e a ideologia nazis sobrevivesse noutros lugares e de outras formas (fosse por convite e infiltração ou discretamente associados) – como acontece ainda hoje.

Como os nazis ganharam a guerra: a organização Bormann, o Reich no exílio e as empresas multinacionais escondidas

Os nazis podem ter, “oficialmente”, perdido a Segunda Guerra Mundial, mas os melhores escaparam – e a sua influência continua até hoje. Além de se infiltrarem nas fileiras da CIA, da NASA e de outras agências governamentais dos EUA (por convite), os nazis no exílio criaram uma rede económica massiva composta por 750 corporações em países neutros.

Isto não foi devido a Hitler, mas sim ao Reichsleiter (director do Império) Martin Bormann, um génio organizacional e secretário pessoal de Hitler. A organização Bormann controlou as principais corporações da Alemanha e teve uma influência considerável na América.

Bormann, conhecido como “Brown Eminence [Eminência Castanha]”, fugiu com sucesso da Europa para a América do Sul e administrou o “Reich in Exile [Reich no Exílio]” nos anos que se seguiram à guerra. O ouro nazi foi levado para o escritório de advocacia de Nova Iorque, Sullivan e Cromwell (onde Allen Dulles, que se veio a tornar no director da CIA e o orquestrador do assassinato da JFK, trabalhou).

O ouro foi derretido e levado para a Reserva Federal e então investido nessas 750 corporações nazis que se tornaram uma base do poder económico nazis no período pós-guerra.

De acordo com Tony Gosling, que aborda esse tópico neste vídeo, um banqueiro citado pela Manning chamou à Organização Bormann dao poder de acumulação de dinheiro mais importante do mundo sob um comando único, na história”.

Ele controlou as principais corporações da Alemanha, a própria República Federal, grande parte da América Latina e exerceu uma influência considerável nos EUA. Essas 750 corporações não só receberam a riqueza líquida da Alemanha nazi, mas também muito em termos de informações industriais patenteadas.

Herbert Dorsey, no seu livro The Colvert Colonization of Our Solar System [A Colonização Furtiva do nosso Sistema Solar] também tem isto a dizer:

“Otto Skorzeny financiou a internacional nazi. E, ao mesmo tempo, foi contratado pela CIA depois da guerra! Prestou assistência a Martin Bormann na recuperação das pilhagens nazis depositadas em países neutros, para essa organização”

“A ideia original veio, não de Skorzeny, mas de Martin Bormann, o secretário particular de Hitler.

Num encontro secreto no Hotel Rotes Haus, em Estrasburgo, a 10 de agosto de 1944, Bormann encontrou-se com os principais industriais alemães. Eles perceberam que a Alemanha perderia a guerra e desenvolveram planos para um mundo pós-guerra.

“Eles começariam imediatamente a transferir o dinheiro, máquinas e ferramentas, aço especial e planos de tecnologias avançadas para países neutros, para serem usados no pós-guerra… Skorzeny era o sobrinho de Hjalmar Schacht por casamento, e ambos estiveram envolvidos na criação da Internacional Nazi.

“O financiador do Terceiro Reich, Hjalmar Schacht, aconselhou os industriais sobre como camuflarem os seus activos em papel. Otto Skorzeny trataria da transferência física dessa riqueza. Ambos sabiam os segredos do tesouro nazi, onde estava localizado, como lá chegou em quem o controlava e a finalidade para a qual estava destinado.

“Para além disso, Otto Skorzeny foi o homem mais importante na Organização da Entlassene SS Angehorige (ODESSA – Organização para a Libertação de Antigos Membros das SS). A ODESSA tornar-se-ia numa parte importante da Internacional nazi e ajudaria os criminosos de guerra nazis a escaparem à justiça…”

Como os nazis ganharam a guerra: linhas de fuga do Vaticano e bancos suíços

Muitos estudiosos como John Loftus expuseram os laços muito próximos entre os nazis e o Vaticano. O Vaticano (juntamente com investidores britânicos e norte-americanos) ajudou a construir o 3.º Reich após a derrota da Alemanha na Primeira Guerra Mundial e deu dinheiro directamente a Hitler.

Em algum ponto, Hitler virou-se contra o Vaticano e apreendeu todos os seus activos (consideráveis) na Alemanha, dizendo-lhes que os devolveriam a conta-gotas se não fizessem nada.

O Vaticano criou rotas de fuga (redes de escape) que permitiram a muitos criminosos nazis notórios da guerra escaparem, depois da Segunda Guerra Mundial.

Enquanto isso, se acredita que a Suíça era verdadeiramente neutra, pense novamente. Grande parte da Suíça fala alemão afinal e, culturalmente, é muito parecida com a Alemanha. A Suíça era “neutra” apenas no papel, escondendo toneladas de dinheiro (roubado) nazi nos seus bancos durante toda a guerra.

Com tantos funcionários nazis e dinheiro nazis roubado escapando dos Aliados no final da Segunda Guerra Mundial, essa foi outra forma pela qual os nazis ganharam a guerra, mesmo que a própria Alemanha fosse conquistada e capturada pelas forças aliadas.

Como os nazis ganharam a guerra: Armamento sofisticado com base em tecnologias doutro mundo

Nenhuma compreensão do nazismo ou da Segunda Guerra Mundial é completa sem compreendermos verdadeiramente até que ponto a engenharia alemã foi a força motriz por detrás dos avanços tecnológicos do mundo durante a década de 1930. A Alemanha tem sido famosa pela sua excelência em engenharia. Apesar de ser uma nação menor que a França, a Rússia e EUA, a Alemanha liderou o mundo

Uma vez começada a guerra, tornou-se evidente que a tecnologia alemã, aplicada a armas, submarinos, aeronaves, metalurgia e outras indústrias, era mais sofisticada do que a dos seus inimigos em tempos de guerra, o que permitiu que ganhasse a vantagem durante os anos de 1939 a 1941.

Para além da tecnologia mundana que eles desenvolveram, os alemães também tiveram tecnologia que eles desenvolveram e que era doutro mundo – literalmente de fora deste mundo.

Reza a história que as famosas Sociedades Thule e Vril, lideradas por canais de canais psíquicos como Maria Orsic, conseguiram entrar em contacto com seres extraterrestres avançados do planeta Aldebaran (na constelação de Taurus) e, de facto, descarregaram informações relacionadas com a tecnologia de antigravidade.

Há muito mais sobre esta história (incluindo reivindicações dos ETs de que eles eram os arianos originais, oferecendo aos alemães / nazis provas, dando-lhes escritos em lingua suméria, etc., mas está além do alcance deste artigo).

O ponto a reter é que os nazis usaram essa informação canalizada e, na realidade, criaram protótipos funcionais de OVNIS que voaram! Para mais informações sobre isso, veja meu artigo anterior Este denunciante vai leva-lo a lugares onde nunca esteve antes… e para a história completa, leia o excelente livro de investigação de Joseph Farrell, O Reich do Sol Negro: Armas secretas Nazis e a Lenda dos Aliados da Segunda Guerra Mundial.

Aliás, Farrell apresenta fortes evidências de que os nazis também tiveram a bomba nuclear antes dos americanos, mas não possuíam o sistema de entrega adequado.

O agora abandonado Hotel Sos Hot Springs na Argentina – um possível antigo esconderijo nazi. Os nazis das hierarquias superiores ganharam a guerra, de certa forma, planeando muito bem a continuação do seu poder após a guerra. Crédito da imagem: Martin Schneiter (Dreamstime).

 

Como os nazis ganharam a guerra: Argentina

Os próximos 3 pontos referem-se a bases nazis que foram estabelecidas antes de 1945 (bem antes do final da Segunda Guerra Mundial). A primeira é na área de Bariloche no sul da Argentina. Agora, todos sabemos que Hitler cometeu suicídio num bunker em Berlim, certo? Não!

No seu livro Hitler na Argentina: A verdade documentada da fuga de Hitler de Berlim, o autor Harry Cooper mostra evidências de que Hitler e outros nazis superiores, como Martin Bormann, viajaram em submarinos alemães até a Argentina. Algumas das evidências de que essa afirmação surpreendente é verdade são estes documentos desclassificados do FBI.
O artigo FBI discretamente desclassifica ficheiros confirmando que Hitler foi para a Argentina em 1945 contém mais informações:

“Juntamente com os documentos do FBI que detalham uma testemunha ocular do paradeiro de Hitler na Argentina, mais evidências acumulam-se para confirmar que Adolf Hitler e Eva Braun não morreram naquele bunker. Em 1945, um Adido Militar da Marinha em Buenos Aires relatou a Washington que havia uma elevada probabilidade de que Hitler e Eva Braun tivessem acabado de chegar à Argentina.

“Isso coincide com os avistamentos do submarino U-530. Provas adicionais existem a forma de artigos de jornal detalhando a construção de uma mansão de estilo bávaro nos sopés dos Andes. Mais uma prova surge através do arquitecto Alejandro Bustillo, que escreveu sobre o seu design e construção da nova casa de Hitler, que foi financiada por imigrantes alemães ricos.

“…[um] arqueólogo do Estado de Connecticut, Nicholas Bellatoni foi autorizado a realizar testes de ADN num dos fragmentos de crânio recuperados. O que descobriu desencadeou uma reacção através das comunidades de inteligência e académica. Não só o ADN não batia certo com as amostras existentes de Hitler, como também não pertencia ao ADN familiar de Eva Braun”.

 

Os nazis ganharam a Guerra: insígnia da Expedição Alemã à Antártida de 1938 a 1939.

Como os nazis ganharam a guerra: a Antártida

A Antártica é um tópico escaldante agora na comunidade de pesquisa alternativa. E sim, existem mais especulações e boatos em todas as manchetes com letras maiúsculas do que evidências mas, no entanto, as pessoas despertaram para o facto de que algo está a acontecer lá em baixo – algo grande.

Existem evidências consideráveis de que os nazis tinham uma base totalmente funcional (eles chamaram-na de Antarctica Neu Schwabenland [Nova Suabia] após o nome de um estado do Sul da Alemanha e a base de Neu Berlin [Nova Berlim]). Nós sabemos, com certeza, que realizaram expedições até lá em 1938. Vou citar de novo o livro A Colonização Furtiva do nosso Nosso Sistema Solar:

“A 17 de Dezembro de 1938, a expedição para a Nova Suabia deixou Hamburgo em direcção à Antártida a bordo do MS Schwabenland liderado pelo capitão Alfred Ritscher, para capitão no Kriegsmarine [Fuzileiros navais alemães]. A expedição chegou à Antartica a 19 de Janeiro de 1939 a 4 graus 30 minutos a oeste e a 69 graus 14 minutos a Sul da costa da princesa Martha… esta área era geotérmicamente ativa e continha fontes termais e alguma terra livre de gelo.

“Nessa zona também se encontrava a cidade subterrânea que lhes tinha sido revelada pelos Agarthanos [e que ajudaram os nazis no Tibete]. U_boats alemães também foram enviados para a região antes da descoberta da cidade abandonada sob a cobertura de gelo… Alguns alemães foram deixados a viver lá a tempo inteiro e a Nova Berlim era regularmente reabastecida com alimentos e equipamentos da Alemanha, por submarinos vindos da América do Sul”.

Muitos cientistas analisaram o que o Almirante Richard Byrd disse sobre a Operação Highjump, a expedição militar dos EUA de 1947, que partiu para a Antártida uma missão de muitos meses, mas que foi interrompida por OVNIs que repeliram os navios dos EUA e os forçaram a bater em retirada após apenas 8 semanas!

Alguns especularam que Byrd encontrou ETs. No entanto, dada a informação que temos sobre os nazis, eu sugeriria que é mais provável que ele tivesse encontrado os próprios nazis. Byrd estava a perseguir os nazis?

Este é um excerto do relato do jornal local chileno El Mercurio de quarta-feira, 5 de Março de 1947:

“O Almirante Richard E. Byrd advertiu hoje que os Estados Unidos devem adoptar medidas de protecção contra a possibilidade de uma invasão do país por planos hostis provenientes das regiões polares. O Almirante explicou que ele não estava a tentar assustar ninguém, mas a realidade cruel é que no caso de uma nova guerra, os Estados Unidos poderiam ser atacados por aviões a voarem sobre um ou ambos os polos”.

Os interessados sem saberem mais podem querer ler a Génesis para a Nova Era Espacial por John Leith.

Como os nazis ganharam a guerra: base na Lua em 1942

Se pensou que as bases nazis na Argentina e na Antártica eram selvagens, espere até ler isto. Se esta teoria estiver correcta, a corrida à Lua na década de 1960 não poderia ter sido vencida pelos americanos ou pelos russos – porque os alemães já tinham estado lá!

Isto é certo: de acordo com pelo menos 2 fontes (o investigador Vladimir Terziski e o denunciante Corey Goode), os nazis construíram uma nave operacional de antigravidade que poderia tê-los levado à Lua tão cedo quanto em 1942 e conseguiram construir uma base lá nessa altura.

Segue-se uma outra citação do livro Colonização Furtiva do nosso Sistema Solar:

“…durante os últimos anos da Segunda Guerra Mundial, os habitantes informados da Alemanha sabiam que iam perder a guerra, apesar de toda a propaganda em contrário. Grande parte da estratégia passou a basear-se na transferência da tecnologia alemã avançada para outros locais como a Argentina, a Antártida e a Lua.

“Hans Kammler foi encarregue do projecto e conseguiu mover grande parte desse material antes dos Aliados assumirem o controlo das áreas onde estava… a construção da base da Lua só foi possível por acordos entre o governo alemão e a federação draconiana, perto do fim da guerra. A Lua eé ocupada por vários grupos extraterrestres e é usada como um interface diplomático entre esses grupos…”

No seu livro Reich do Sol Negro, Farrell detalha o papel especial e poderoso de Kammler em liderar um grupo discussão nazi altamente secreto, dedicado a militarizar fenómenos exóticos e do outro mundo.

Depois de saber dos incríveis conhecimentos e desenvolvimentos que eles alcançaram, e as experiências bizarras que eles levaram a cabo para alcançar isso, pode perceber-se como não é rebuscado entretermo-nos com a noção de que os nazis chegaram à Lua antes de quaisquer outros.

Uma foto de alguns dos aproximadamente 1600 nazis contrabandeados para os EUA através da Operação Paperclip.
A Operação Paperclip: Wernher von Braun de terno, que passou a liderar a nazi-NASA até à aparente fama do alegado poso na Lua em 1969 – se acreditar.

Como os nazis ganharam a guerra: Infiltração nos EUA (NASA, CIA, etc.) via Operação Paperclip

É um facto interessante da história que os EUA foram quase derrubados num golpe em 1933 (conhecido como o Business Plot [Conspiração dos Homens de Negócios) liderado pelas mesmas pessoas que estavam a financiar, e estreitamente associadas, ao surgimento do nazismo na Alemanha.

O veterano fuzileiro condecorado Smedley Butler (famoso pelo seu livro A Guerra é uma Fraude) foi recrutado para o golpe, mas mais tarde ele denunciou tudo após ter reunido informações suficientes sobre os conspiradores.

De acordo com este documentário, entre os conspiradores estava o membro dos Skull ‘n’ Bones, Prescott Bush, pai do chefe da CIA e presidente dos EUA, George H. W. Bush, e avô do presidente dos EUA, George W. Bush.

O professor Anthony Sutton escreveu livros a expor todos os detalhes de como Wall Street financiou o nazismo. Certos empresários americanos importantes eram simpatizantes nazis desde o início.

Então, quando a guerra terminou e cerca de 1600 nazis inundaram os CIM’s dos EUA (Complexo Industrial Militar e Complexo de Inteligência Militar) através da Operação Paperclip, esses cientistas, engenheiros e técnicos nazis capitalizaram sobre uma ideologia subjacente já implantada.

Obviamente, grande parte da sociedade americana era contra o nazismo, mas existiam pessoas chave suficientes, e em lugares-chave de poder, para alistarem os nazis superiores e ajudá-los a evitar julgamentos e punições.

Esses nazis, uma vez instalados com segurança dentro da CIA, da NASA e de outras agências militares, começaram a aproveitar o surpreendente dinheiro e a produtividade dos EUA para ajudar a transformá-los na primeira super-potência mundial.

Em muitos aspectos, os nazis e os soviéticos lutaram as batalhas mais cruéis e cruciais da Segunda Guerra Mundial uns contra os outros. Os novos nazis “americanos” podem ter-se tornado cidadãos dos EUA, mas eles não esqueceram o ódio que tinham pela Rússia, e não demorou muito até que desempenhassem um papel na transformação da atitude da sua nova nação anfitriã contra os russos, naquilo que viríamos a conhecer como a Guerra Fria.

E sim, os EUA provavelmente viam a URSS como um rival e um potencial inimigo independentemente disso (uma vez que a mentalidade guerreira exige sempre a existência de um inimigo para justificar a sua própria existência), porém não há dúvidas de que o pensamento e a ideologia nazi ajudaram a transformar a perspectiva dos EUA contra a URSS .

Conclusão: Os nazis na realidade ganharam a guerra

Portanto, apesar disso, apesar da Alemanha ter sido invadida e capturada em 1945, é justo dizer que, duma certa perspectiva, os nazis ganharam a guerra.

No seu livro de 2009 A ascensão do 4.º Reich: as sociedades secretas que ameaçam assumir o controlo da América, o falecido e lendário Jim Marrs expôs como a ideologia nazi infestava os EUA, usando empresas de fachada do mundo inteiro para esconderem o que tinham pilhado e roubado e trazendo a sua milagrosa tecnologia bélica que ajudou os EUA a conquistarem a corrida espacial.

Numa famosa entrevista do Projeto Camelot em 2013, Max Spires (agora falecido) e Michael Prince (também conhecido como James Casbolt), supersoldados e vítimas de controlo mental, revelaram como a Nova Ordem Mundial tinha duas facções-chave: a facção Rothschild-Sionista e a Rockefeller-nazi (esta última poderá ser chamada de 4.º Reich).

Os Rockefeller eram, obviamente, simpatizantes nazis de longa data e intimamente ligados a eles através das indústrias do petróleo, farmacêutica e química.

O nazismo foi, de longe, muito mais do que apenas um partido político. Era uma ideologia e uma identidade que foi muito para além de Hitler. Devemos encarar a possibilidade muito real de que a ideologia nazi esteja bem viva hoje, nos EUA, e continua a ser uma força-chave da Nova Ordem Mundial.

Por Makia Freeman

Fonte: http://humansarefree.com/2017/11/why-really-nazis-won-war.html?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+humansarefree%2FaQPD+%28Humans+Are+Free%29

Deixe um comentário

Top