Como a Monsanto Promove a Infertilidade a Nível Mundial

how-monsanto-promotes-infertility-fb

A Monsanto tem uma longa e infame história de fabricação e comercialização de produtos químicos como o DDT, o Agente Laranja, o Aspartame, o Roundup e a dioxina (1) – compostos químicos dos quais a sociedade continua a sentir os efeitos.

Num esforço para se distanciar a actual corporação das acções passadas, a Monsanto refere-se à empresa antes de 2002 como a “ex-Monsanto” nos seus comunicados de imprensa (2). No entanto, nada realmente mudou para além da sua máquina de Relações Públicas.

Enquanto a Monsanto se especializou na engenharia genética de plantas, a venda de sementes Geneticamente Modificadas patenteadas simplesmente alimenta a necessidade dos pesticidas da empresa. A Monsanto AINDA É a principal fornecedora de toxinas, e não de vida.

A Monsanto começou a forjar um relacionamento único e financeiramente vantajoso com o governo dos EUA começando pelo envolvimento da empresa no Projeto Manhattan que produziu as primeiras armas nucleares durante a Segunda Guerra Mundial. Durante a Guerra do Vietname eles foram o principal produtor do agente laranja.

A especialização na produção e distribuição de produtos químicos tóxicos continua até hoje.

A sua influência sobre o governo é tão profunda que, apesar do facto de que outros 64 países rotulam alimentos geneticamente modificados (GM) já desde há anos, os EUA têm agora a distinção de serem o primeiro país a não rotularem alimentos transgênicos pela insistência de uma empresa de produção em massa de sementes GM.

A Monsanto e os Bifenilos Policlorados (PCBs)

Na última parte da década de 1920, a Monsanto foi a maior produtora de PCBs. Este produto químico foi usado como lubrificante para motores elétricos, fluidos hidráulicos e para isolar equipamentos eléctricos (3). As antigas lâmpadas fluorescentes e aparelhos eléctricos com capacitores em PCB ainda podem conter o produto químico.

Durante os anos em que o PCB foi fabricado e usado, não havia controlos ou regulamentos sobre a gestão e eliminação de resíduos. Uma vez que os PCBs não se decompõem em muitas condições, eles estão agora amplamente distribuídos no meio ambiente e têm viajado até a cadeia alimentar.

Entre o início da distribuição do produto e a sua subsequente proibição no final dos anos 70, cerca de 680 toneladas foram libertadas em produtos por todo o mundo (5)

A Monsanto foi o principal fabricante de PCBs nos EUA sob o nome comercial Aroclor. Os problemas de saúde associados à exposição ao produto químico foram observados já em 1933, quando 23 dos 24 trabalhadores da fábrica de produção desenvolveram pústulas, perda de energia e de apetite, perda da libido e outras perturbações cutâneas (6).

De acordo com a cronologia pública da Monsanto, foi em 1966 que “Monsanto e outros começaram a estudar a persistência de PCB no meio ambiente” (7).

No entanto, sete anos antes, o director assistente de Monsanto do seu departamento médico escreveu:

[…] A exposição eficiente, seja por inalação de vapores ou por contacto com a pele, pode resultar em cloracne o que, creio, deve ser uma indicação de uma lesão mais sistémica caso a exposição fosse permitida (8)

Em 1967, a Shell Oil informou a Monsanto sobre relatos vindos da Suécia, observando que os PCBs estavam a acumular-se em mamíferos da cadeia alimentar. A Shell solicitou amostras de PCBs para realizar os seus próprios estudos analíticos (9).

Com pleno conhecimento da devastação esperada para o meio ambiente e para a Humanidade, não foi até 11 anos mais tarde, em 1977, que a Monsanto parou a produção do PCB (10).

Os PCBs são prováveis cancerígenos humanos

A Agência Internacional de Investigação sobre o Cancro (IARC), a Agência de Protecção Ambiental dos EUA (EPA), o Programa Nacional de Toxicologia e o Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional (NIEHS) identificaram os PCB como prováveis, potenciais ou razoavelmente prováveis agentes causadores de cancro em humanos (11).

Se parece que essas agências estão a expressar-se pelas suas próprias palavras, é porque estão mesmo. Estudos em humanos verificaram taxas aumentadas de cancro do fígado, da vesícula biliar, melanomas, cancro gastrointestinal, do tracto biliar, do cérebro e da mama quando os indivíduos apresentavam níveis mais altos de produtos químicos de PCB no sangue e nos tecidos (12).

No entanto, o EPA limita a capacidade dos pesquisadores para nomearem um produto químico como carcinógeno a menos que existam provas conclusivas. Embora esta prova seja evidente em estudos com animais, você não pode alimentar seres humanos com esses produtos químicos e registar os resultados. Dessa forma os PCBs são um “provável” carcinógeno para os seres humanos.

Outros efeitos dos PCBs sobre a saúde incluem:

  • Bebés nascidos com atrasos no controlo neurológico e motor, incluindo menor QI, má memória de curto prazo e mau desempenho em testes padronizados de avaliação comportamental
  • Hormonas sexuais interrompidas incluindo ciclos menstruais encurtados, contagem reduzida de espermatozóides e puberdade prematura
  • Desequilíbrio hormonal da tiróide que afecta o crescimento, desenvolvimento intelectual e comportamental
  • Efeitos imunológicos, incluindo crianças com mais infecções nos ouvido e varicela

Uma vez que os PCBs são absorvidos no corpo que depositam no tecido adiposo. Eles não são degradados ou excretados. Isto significa que o número de PCBs aumenta ao longo do tempo e avança na cadeia alimentar. Os peixes menores são comidos por maiores e, eventualmente, acabam na sua mesa de jantar.

O envenenamento químico começa antes do nascimento

Um estudo recente realizado pela Universidade da Califórnia demonstrou que os PCBs são encontrados no sangue de mulheres grávidas (13). Antes do nascimento, o cordão umbilical fornece aproximadamente 300 litros de sangue ao seu bebé todos os dias.

Há não muito tempo atrás, os pesquisadores acreditavam que a placenta protegeria o seu bebé em desenvolvimento da maioria dos poluentes e produtos químicos. Agora sabemos que não.

O cordão umbilical é uma corda de salvação entre mãe e o filho, sustentando a vida e impulsionando o crescimento. No entanto, em pesquisas recentes o sangue do cordão continha entre 200 e 280 produtos químicos diferentes. 180 eram carcinógenos conhecidos e 217 eram tóxicos para o sistema nervoso em desenvolvimento do bebé (14).

Os depósitos de produtos químicos no seu corpo ou no corpo do seu bebé em desenvolvimento são chamados de “carga corporal” de produtos químicos e poluição.

Um fluxo constante de substâncias químicas do ambiente durante o período crítico de desenvolvimento dos órgãos e sistemas tem um impacto significativo na saúde do seu filho, tanto na infância quanto à medida que a criança cresce até a idade adulta.

Tracey Woodruff, Doutor e director do Programa de Saúde Reprodutiva e Meio Ambiente da Universidade da Califórnia em San Francisco, foi citado num comunicado de imprensa afirmando:

Foi surpreendente e preocupante encontrar tantos produtos químicos em mulheres grávidas sem conhecer plenamente as implicações para a gravidez. Muitos destes produtos químicos em mulheres grávidas estavam nas mesmas concentrações que foram associadas a efeitos negativos em crianças de outros estudos.

Para além disso, a exposição a vários produtos químicos que podem aumentar o risco de um resultado adverso na saúde e pode ter um impacto maior do que a exposição a apenas um produto químico.

O Ftalato de butil benzilo – Outro produto da Monsanto

O ftalato de butil benzilo (BBP), também fabricado pela Monsanto, foi recentemente implicado no armazenamento da gordura celular (15). Este ftalato específico foi encontrado em fluidos humanos e teve um efeito na acumulação de gordura no interior das células.

O BBP é usado no fabrico de azulejos de vinil, como um plastificante em tubos de PVC, tapetes, correias transportadoras e isolamento da sua casa e escritório.

Tal como outros ftalatos utilizados na produção de plásticos, o BBP não está ligado ao produto e pode ser libertado no seu ambiente. Pode ser absorvido pelas culturas e mover-se ao longo da cadeia alimentar (16). A maior fonte de exposição são os alimentos.

As cadeias de restaurantes de fast-food podem estar a aumentar a sua ingestão de ftalatos. O perigo não está no alimento em si, mas nos produtos usados para lidar com ele. O estudo analisou dados de quase 9.000 indivíduos, notando que o terço que tinha comido em restaurantes de fast-food tinham níveis mais elevados de dois ftalatos diferentes (17).

Potencialmente, o BBP pode afetar negativamente sua função reprodutiva. No entanto, em doses mais baixas também tem um efeito nos rins, fígado e no pâncreas (18).

O aumento dos riscos de distúrbios respiratórios e mielomas múltiplos também têm sido relatado em pessoas que têm exposição a produtos fabricados com BBP (19). Uma cintura mais dilatada resultante da exposição ao BBP também pode reduzir a sua fertilidade.

Contagem baixa de espermatozóides e infertilidade que afectam animais e seres humanos

Um estudo de 26 anos de fertilidade em cães, publicado recentemente, evidencia semelhanças notórias com as taxas de infertilidade nos seres humanos. Neste estudo, os investigadores avaliaram o esperma de quase 2.000 cães. Ao longo do período de 26 anos, eles notaram uma queda na motilidade espermática de 2,4 por cento ao ano (20).

Para além disso, o sêmen e os testículos dos cães castrados continham PCBs e ftalatos, implicados noutros estudos para a redução da fertilidade. Os ftalatos têm sido implicados na diminuição da motilidade espermática e na qualidade dos espermatozoides (21), afectando tanto a fertilidade quanto a saúde de seus filhos (22).

Os investigadores usaram cães neste estudo, visto eles viverem no mesmo ambiente que os seus proprietários, e muitas vezes comerem alguns dos mesmos alimentos. Esta correlação entre a função e a concentração espermática, o ambiente e os alimento em cães e seres humanos é significativa.

Nesses 26 anos existiu também um aumento do criptorquidismo em filhotes machos (uma condição em que os testículos não descem para o escroto) nascidos de cães de pastoreio, que sofreram um declínio na qualidade e mobilidade do esperma (23).

A criptorquidia e os testículos não descendentes ocorrem numa taxa de 1 em cada 20 lactentes do sexo masculino e 1 em cada 3 bebés pré-termo (24).

Os problemas com a infertilidade também estão a afetar os animais marinhos no topo da cadeia alimentar. Nas águas ocidentais do Atlântico, as últimas Orcas estão condenadas à extinção.

Os níveis elevados de PCB foram encontrados na gordura de mais de 1.000 golfinhos e Orcas nos últimos 20 anos, agora a causar danos na fertilidade do animal, sendo que este grupo de Orcas não se reproduziu nos 19 anos que esteve a ser estudado (25).

As Orcas viviam no Mar do Norte até a década de 1960. Naquela época a poluição de PCBs atingiu o ponto máximo nessa zona e as baleias da espécie das Orcas desapareceram. O mesmo aconteceu no Mar do Mediterrâneo, onde as baleias floresceram até aos anos 80. Este grupo ao largo da costa do Reino Unido é o último vivo nesta área.

Argumento da Monsanto nas acções sobre o PCB

Embora a Monsanto negue a culpabilidade e o conhecimento do perigo por detrás do PCB químico, você descobrirá documentação interna neste vídeo que evidencia que eles sabiam do perigo durante a fabricação e distribuição do produto.

A Monsanto está actualmente envolvida em vários processos em oito cidades e o argumento é sobre quem é que será o dono da chuva. As cidades estão a processar a Monsanto no Tribunal Federal, afirmando que os PCBs fabricados pela Monsanto poluíram a Baía de São Francisco (26).

O advogado da Monsanto Robert Howard argumenta que, por a cidade não possuir os direitos sobre a água, a cidade não tem o direito de processar. E, como os PCBs não danificaram as propriedades da cidade, como corroer as tubagens do saneamento, Howard afirma que é um problema do estado. Scott Fiske, advogado de três cidades, respondeu que os interesses regulatórios da cidade na gestão da água pluvial são uma função fundamental da cidade (27).

Enquanto Fiske afirma que ele pode provar que a Monsanto sabia que o produto era perigoso já em 1969, Howard afirma que a empresa não deveria ser responsável pelo uso dos produtos químicos produzidos.

Em 2001, os advogados da Monsanto no caso de Owens contra Monsanto reconheceram apenas uma ameaça à saúde decorrente da exposição a PCBs: o cloracne, e argumentaram que, uma vez que todo o planeta foi contaminado, eles são inocentes de toda a responsabilidade (28).

O advogado da Monsanto foi citado nos Arquivos da Indústria Química dizendo:

A verdade é que os PCBs estão por toda parte, eles estão na carne, estão em todas as sala de tribunal, estão em toda parte e já há muito tempo, juntamente com uma série de outras substâncias (29)

As cidades actualmente envolvidas nas ações judiciais contra a Monsanto por danos ao meio ambiente e vias navegáveis incluem Berkley, Oakland, San José, Portland, Spokane, Seattle, Long Beach e San Diego.

Todas as oito cidades tentaram articular os seus casos contra o gigante agroquímico, mas não tiveram êxito quando um juiz achou que as questões eram suficientemente diferentes para justificar casos separados (30).

Os recursos consideráveis da Monsanto

A Monsanto pediu ao Tribunal Federal que rejeitasse o processo de Portland, alegando que iria responder com um processo recíproco, acrescentando anos de demora no processo. É provável que a Monsanto aumentasse o alcance do caso e incluísse as empresas que usaram o produto e libertaram os PCB (31).

Entretanto, três queixosos de St. Louis receberam as melhores notícias em Maio de 2016, quando um júri lhes concedeu um total de 46,5 milhões de dólares de indeminização, sentenciando a Monsanto como culpada por negligência na produção de PCBs (32).

O processo alegou que a Monsanto vendeu PCB mesmo depois de ter descoberto os seus perigos, levando a tribunal documentos internos datados de 1955, que afirmavam:

Sabemos que os Aroclors [PCBs] são tóxicos, mas o limite real não foi definido com precisão (33)

Até hoje, esta vitória sobre a Monsanto foi coisa rara. Williams Kherkher, advogado dos queixosos, explicou a EcoWatch (34):

A única razão pela qual esta vitória é rara é porque ninguém teve dinheiro para lutar contra a Monsanto

Kherkher e outras empresas juntaram os seus recursos neste caso e esperam vencer em processos futuros. A empresa compilou os nomes de aproximadamente 1.000 queixosos com reivindicações contra a Monsanto e os PCBs.

Notícia Triste: o Congresso aprova uma Lei que torna o processo de rotulagem mais obscuro

O Congresso aprovou um compromisso ao fazer uma Lei que forçará os distribuidores de alimentos a revelar a presença de ingredientes geneticamente modificados (GM) com um código barras que pode ser lido por smartphones. O presidente Obama assinou o projecto de lei que remove os direitos dos estados de rotularem os OGMs. O projecto está cheio de lacunas, o que pode permitir que ingredientes geneticamente modificados sejam infiltrados sem serem anunciados.

Os organismos geneticamente modificados (OGMs), também conhecidos como alimentos transgênicos, são organismos vivos cujos componentes genéticos foram artificialmente manipulados em laboratório através da criação de combinações instáveis de plantas, animais, bactérias e até genes virais que não ocorrem na natureza ou através de métodos tradicionais de cruzamento.

Os defensores dos OGM alegam que a engenharia genética é “segura e benéfica”, e que ela faz avançar a indústria agrícola. Eles também afirmam que os OGMs ajudam a garantir o fornecimento de alimentos e a sustentabilidade global. Mas existe alguma verdade nestas afirmações? Eu não acredito.

Durante anos, reafirmei a crença de que os OGMs representam uma das maiores ameaças à vida no planeta. A engenharia genética NÃO é uma tecnologia segura e benéfica tal como é anunciada.

A FDA abriu caminho para o salmão do Atlântico GM ser cultivado para consumo humano. Graças à adição de linguagem no projecto de Lei dos gastos federais, o produto exigirá rotulagem especial, pelo menos os consumidores terão a capacidade de identificar o salmão GM nas lojas. No entanto, é imperativo que todos os alimentos GM sejam claramente rotulados sem um código de barras que possa ser lido por smartphones, porque nem todos possuem um smartphone.

A FDA está a ameaçar a existência da nossa cadeia alimentar. Temos de começar a agir agora. Exorto-vos a partilharem este artigo com amigos e familiares. Se agimos juntos, podemos fazer a diferença e pôr um fim ao absurdo.

Boicote as etiquetas inteligentes já

Quando você vir o código de barras ou a chamada etiqueta inteligente num produto alimentar, não o compre. Os produtos que contenham essa etiqueta da Associação de Fabricantes de Produtos de Mercearia (GMA) estão, com toda a probabilidade, contaminados com pesticidas e / ou ingredientes OGM.

Os mais de 300 membros do GMA incluem empresas de tecnologia química, sementes GM e empresas de alimentos e bebidas. A Monsanto, a Dow e a Coca-Cola são apenas alguns dos pesos-pesados desta poderosa indústria, que não mostrou escrúpulos em fazer o que fosse necessário para proteger o interesse dos seus membros.

Não perca o seu tempo a pesquisar através do seu site, que pode ou não conter as informações que você está à procura. Se eles insistem em desperdiçar o seu tempo e tornam as suas compras mais difíceis, porquê recompensá-los com uma compra?

Um facto pouco conhecido é que o GMA realmente possui a marca “Smart Label [Etiqueta Inteligente]” que o Congresso aceitou como um “compromisso” para a rotulagem dos OGM na embalagem, e essa é outra razão pela qual acredito que a marca “Smart Label” é a marca de daqueles com algo a esconder, como a Monsanto.

Você vai apoiar financeiramente um sistema de alimentos corruptos, tóxicos e insustentáveis, ou um de alimentos saudáveis e regenerativos? Existem muitas opções disponíveis para além das grandes marcas de alimentos processados que fazem parte do “lista da GMA verificado para publicidade enganosa”.

Você pode:

  • Comprar directamente aos produtores locais
  • Somente comprar produtos marcados como “100 por cento orgânico” (que por lei não podem conter OGMs), “100 por cento criado ao ar-livre” ou “Não contém Organismos Geneticamente Modificados”
  • Se você tem um smartphone e não se importa de o usar, descarregue a aplicação Buycott da OCA para identificar rápida e facilmente as milhares de marcas proprietárias pertencentes aos membros da GMA, para que você possa evitá-las e identificar os nomes das marcas éticas que merecem seu patrocínio

Por último, mas não menos importante, encorajar as boas empresas a rejeitarem as etiquetas inteligentes e a serem transparentes e claras com a sua rotulagem. Isso acabará por garantir que todos os alimentos geneticamente modificados possam ser facilmente identificados.

A Campbell, Marte, Kellogg’s, ConAgra e General Mills prometeram voluntariamente cumprir com a Lei de rotulagem de OGM de Vermont rotulando todos os seus alimentos vendidos por todos os EUA. Os seus planos vão mudar agora que a Lei foi aprovada pelo Congresso e assinada pelo Presidente?

Isso continua a ser uma interrogação, mas se você gosta dessas empresas, encorajo-o a tentar até eles e pedir-lhes para permanecer firme em sua promessa.

Recursos alimentares não OGM por país

Se você estiver procurando alimentos não-OGM, aqui está uma lista de sites confiáveis que você pode visitar.

Pelo Dr. Joseph Mercola

O estabelecimento médico existente é responsável por matar e ferir permanentemente milhões de americanos, mas o crescente número de visitantes a mercola.com desde que eu comecei o site em 1997 – agora estamos regularmente entre os 10 principais sites de saúde na Internet – convence-me de que você também está farto deste engodo. Você quer soluções práticas de saúde sem distracções desnecessárias, e é isso que eu ofereço.

Fontes e Referências:

1, 3 Top 10 Poisons that are the legacy of Monsanto. (2016). Seattleorganicrestaurants.com. Retrieved 14 August 2016
2, 7, 10 PCBs (polychlorinated biphenyl). (2016). Monsanto.com. Retrieved 14 August 2016
4 Polychlorinated Biphenyls (PCBs) and Your Health. (2014). Wisconsin Department of Health Services
What are PCBs?. (2016). Oceanservice.noaa.gov. Retrieved 14 August 2016
6, 8, 9 The History of PCBs | America Unites. (2016). Malibuunites.com
11, 12 What Are The Human Health Effects Of PCBs?. (2016). Clearwater.org. Retrieved 14 August 2016
13 Environmental Chemicals in Pregnant Women in the United States: NHANES 2003–2004. Environ Health Perspect, 119(6), 878-885
14 Galen, E. (2016). Study finds hundreds of toxic chemicals in umbilical cords of newborns – World Socialist Web Site. Wsws.org
15, 16 Chemical of the Day – Interesting News! – Monsanto Chemical May Lead to Weight Gain. (2016)
17 Ferdman, R. (2016). Researchers have found a ‘striking’ new side effect from eating fast food. Washington Post
18 Concise International Chemical Assessment Document 17. (1999). World Health Organization
19 Hazard assessment of benzyl butyl phthalate. Ministry of Economy, Trade and Industry. Retrieved 14 August 2016
20 Radford, T. (2016). Study showing decline in dog fertility may have human implications. the Guardian. Retrieved 14 August 2016
21 Wang YX, e. (2016). Phthalate exposure and human semen quality: Results from an infertility clinic in China. – PubMed – NCBI
22 BLAKESLEE, S. (2016). Research on Birth Defects Shifts to Flaws in Sperm. Nytimes.com. Retrieved 13 August 2016
23 Environmental chemicals impact dog semen quality in vitro and may be associated with a temporal decline in sperm motility and increased cryptorchidism
24 Undescended Testes (Cryptorchidism) | myVMC. (2005). myVMC. Retrieved 14 August 2016
25 Carrington, D. (2016). UK’s last resident killer whales ‘doomed to extinction’. the Guardian. Retrieved 14 August 2016
26, 27, 30 CNS – Polluted Stormwater Isn’t Owned by Bay Area Cities, Monsanto Says. (2016). Courthousenews.com. Retrieved 15 August 2016
28, 29 The Inside Story: Anniston, AL In-depth: Monsanto knew about PCB toxicity for decades. (2016). Chemicalindustryarchives.org
31 In move to dismiss Portland Superfund lawsuit, Monsanto threatens to expand it wider – Portland Business Journal. (2016). Portland Business Journal
32, 33, 34 Monsanto Ordered to Pay $46.5 Million in PCB Lawsuit in Rare Win for Plaintiffs. (2016). EcoWatch. Retrieved 15 August 2016

Deixe um comentário

Top