Armas de Feminização em Massa

Se você já se perguntou para onde foram todos os machos alfa, a interação entre a química e a biologia pode oferecer uma pista.

Químicos de alteração de género estão por toda parte, e literalmente é impossível evita-los. Eles actuam como disruptores endócrinos (DEs) que bloqueiam, diminuem ou estimulam excessivamente as hormonas. Mais frequentemente, os DEs imitam o estrogénio, baixam os níveis de testosterona e impedem que a hormona masculina faça o seu trabalho, fazendo com que os homens a exibam traços mais feminino. Os desequilíbrios hormonais resultantes podem estar na raiz das tendências mundiais perturbadoras dos homens que incluem a puberdade atrasada, a queda da contagem de esperma, a diminuição do tamanho dos genitais, muito menos meninos e com muitas mais e numerosas deformidades genitais a nascerem mais do que nunca e um aumento na fluidez dos géneros à medida que os meninos ficam cada vez mais feminizados. Um efeito similar é visto por todo o planeta na vida selvagem, com relatos de um aumento de anfíbios hermafroditas, peixes machos a desenvolverem ovos nos seus testículos e a completa mudança de sexo em espécies com exposição a DEs. As Alianças governamentais e industriais têm utilizado armas de feminização em massa por todo o planeta Terra, envolvendo todos os seus habitantes numa experiência perigosa e descontrolada cujos resultados apontam para um futuro distópico que fará com que o filme Soylent Green pareça um cenário aprazível.

O Instituto Nacional de Ciências da Saúde Ambiental tem o seguinte a dizer sobre os DEs:

Weapons Of Mass Feminization
Os disruptores endócrinos são químicos que podem interferir com o sistema endócrino do corpo e produzir efeitos adversos ao nível do desenvolvimento, reprodução, neurologia e sistema imunitário tanto em humanos como na vida selvagem. Uma gama variada de substâncias, tanto naturais como artificiais, acredita-se serem a causa da disrupção endócrina, incluído fármacos, dioxinas e compostos semelhantes a dioxinas, bi-fenil policlorados (PCBs), DDT e outros pesticidas, e plastificantes como o bisfenol A (BPA). Os disruptores endócrinos podem ser encontrados em muitos produtos de uso diário – incluindo garrafas de plástico, latas de metal para armazenamento de alimentos, retardantes, comida, brinquedos, cosméticos e pesticidas.

A experimentação em massa com hormonas começou no início do século XX, mas o termo “disruptor endócrino” só foi cunhado em 1993:

O Diethylstilbestrol (DES), um estrogénio sintético, é o histórico cabeça de cartaz para os efeitos dos DEs. No início, ele foi usado para baixar os níveis de testosterona em criminosos sexuais condenados, uma forma de castração química. Os médicos prescreviam DES a um número estimado de 10 milhões de mulheres grávidas entre os anos 1938 e 1971. Ele imita fortemente o estrogénio e foi pensado para evitar abortos e outros problemas de gravidez. Em 1947, a FDA finalmente aprovou-o para uso na gravidez. Pesquisas publicadas em 1953 descobriram que o DES não impediu abortos ou partos prematuros, mas os médicos continuaram a prescrevê-lo. Em 1971, a FDA emitiu um Boletim de Medicamentos instruindo os médicos a pararem de prescrever DES porque descobriu-se que causava cancros vaginais raros em descendentes do sexo feminino tão jovens quanto 8 anos de idade. Os filhos da DES são mais propensos a terem cistos testiculares, veias varicosas, infecções e inflamações, criptorquidismo (testículos pequenos ou que não descem), microfalo (pênis pequeno), hipospadias (pênis malformado), infertilidade e maior prevalência de homossexualidade, disforia de género, condições intersexuais e identidade de homem a mulher transexual ou transgénero.

Os ftalatos são anti-androgénios, químicos de alteração de género encontrados em recipientes de plástico usados ​​em quase todas as categorias de produtos de consumo, incluindo alimentos, produtos de higiene pessoal, cosméticos, perfumes e produtos de limpeza domésticos. Eles suavizam o plástico, tornam-no flexível e inquebrável, ajudam-no a durar mais tempo, e pode adicionar transparência. Para além das garrafas de plástico que são vendidas, medicamentos e suplementos nutricionais muitas vezes contêm ftalatos no próprio produto em si, como ligantes, emulsionantes, gelificantes, estabilizantes, lubrificantes e dispersantes. Os recém-nascidos suecos expostos, em regime pré-natal, aos ftalatos apresentaram uma distância menor entre o ânus e a genitália, um marcador validado da toxicidade reprodutiva em animais. Outros estudos confirmaram um aumento da incidência de testículos não descendidos e outros defeitos de nascimento genitais e função testicular anormal, incluindo uma incidência superior à média de infertilidade, em homens adultos. Os ftalatos estão associados a mudanças no comportamento específico do género, como os machos expostos ao contaminante que preferem brincar com “brinquedos típicos de menino” com menos frequência. Os fabricantes de ftalatos apoiam a segurança dos seus produtos e contestam as conclusões científicas sobre toxicidade.

Drogas frequentemente usadas: os alteradores de género não são apenas produtos químicos furtivos com nomes desconhecidos que você não consegue sequer pronunciar. O paracetamol, o mais popular analgésico que não requer prescrição nos EUA, a aspirina e a indometacina foram associados a múltiplos distúrbios hormonais em testes laboratoriais de testículos adultos. Dado que a prescrição de medicamentos que não têm aspirina e anti-inflamatórios não-esteróides agora possuem uma caixa preta de aviso para doenças cardiovasculares e as suas versões de venda directa contêm semelhantes linguagens com impacto nos seus rótulos, os analgésicos como uma categoria podem gerar mais riscos do que benefícios. As estatinas de redução do Colesterol, amplamente utilizadas para prevenirem doenças cardíacas, estão associadas à disfunção erétil, hipogonadismo (volume testicular reduzido), ginecomastia, baixa testosterona e motilidade espermática reduzida. As pílulas anticoncepcionais são outro feminizante que pode passar através do tratamento de águas residuais e acabar em abastecimentos de água municipais e água da torneira potável. Foi demonstrado que a exposição a pílulas anticoncepcionais feminiza os peixes e afecta a reprodução, mas os efeitos da exposição humana através da água da torneira não são conhecidos.

O Triclosan é um DE antibacteriano e antifúngico ED banido do sabão anti-séptico para consumidores pela FDA em 2016. Curiosamente, a FDA não concluiu que o triclosan fosse inseguro ou ineficaz, apenas que não estava suficientemente estudado pelos fabricantes para permitir as suas reivindicações dos produtos. Ao Colgate Total, um creme dental contendo fluoreto e triclosan, foi dada carta branca porque o fabricante convenceu a FDA que os benefícios do triclosan superam os seus riscos de inflamação das gengivas e da placa dental, com base em estudos realizados pela empresa. Os observadores ficaram confusos com a decisão da FDA pois o triclosan é rapidamente absorvido pelas gengivas, em particular as inflamadas, na corrente sanguínea. Estudos científicos não patrocinados pela indústria do triclosan descobriram que ele tem actividade anti-andrógena e pro-estrogénio, e afetar negativamente o desenvolvimento masculino, a reprodução, o movimento, a concentração e contagem de espermatozoides. O Triclosan pode interagir com cloro livre da água da torneira não filtrada para criar outras toxinas potencialmente nocivas.

O Bisfenol A (BPA) é um alterador de género encontrado em mais de 90% da população. O BPA é um contaminante encontrado em recibos de caixa térmicos, mas a via mais comum de exposição é através da dieta, porque o BPA transfere-se dos recipientes de plástico, metal e embalagens para os alimentos e bebidas. O BPA actua para aumentar o estrogénio e tem sido associado a níveis baixos de testosterona, disfunção erétil, redução da libido e crescimento mamário (ginecomastia) em homens. A exposição pré-natal está associada à feminização de fetos do sexo masculino, retração testicular, aumento da próstata e contagem e movimento anormal de espermatozoides, o que afecta a fertilidade futura. Estudos sugerem que os efeitos adversos à saúde decorrentes da exposição ao BPA ocorrem em níveis inferiores ao padrão aprovado pela FDA. As alternativas de embalagens sem BPA estruturalmente semelhantes, como o BPS, não devem ser consideradas mais seguras do que a BPA nos seus efeitos sobre a saúde.

Weapons of Mass Feminization

O Atrazine, um herbicida proibido na Europa em 2004, ainda é amplamente utilizado em todos os EUA para combater as ervas daninhas em relvados residenciais, campos de golfe e pinhais de árvores de Natal, e é pulverizado em mais de metade do nosso milho. É um dos mais vulgarmente encontrados pesticidas a contaminar a água potável americana. Em 2007 a Agência de Protecção Ambiental informou que os estudos sugerem que o atrazine é um disruptor endócrino mas, apesar disso, declarou-o como seguro. A exposição pré-natal à atrazina está associada a malformações genitais e desenvolvimento sexual deficiente em meninos, e infertilidade. A Syngenta AG, o fabricante da atrazina, suprimiu a pesquisa do Dr. Tyrone Hayes que demonstrava que quimicamente castrava e feminizava a vida selvagem. A empresa liquidou um processo por 105 milhões de dólares em 2012, concordando em remover o produto químico da água potável de 52 milhões de americanos de todo o oeste médio dos EUA, enquanto suplicando “nenhuma responsabilidade”. Outros processos estão em curso. A EPA está actualmente a rever os seus regulamentos sobre atrazine e sua avaliação está prevista para este ano. Até lá, a atrazina continua a envenenar o poço.

Os regulamentos federais tratam os produtos químicos como “inocentes até que sejam provados culpados”, o que permitiu que a carga média sobre o corpo humano aumentasse sem controlo. Os níveis oficiais e “seguros” entre países são inconsistentes porque resultam da influência de poderosos interesses corporativos do governo. Por exemplo, a União Europeia limita o BPA a 600 partes por bilião por kg de alimento versus o Japão que permite 2500, a França recomenda que a ingestão diária total não exceda as 0,0025 ppb e o estado da Califórnia inclui-o na sua lista Prop 65 de toxinas reprodutivas. A definição de níveis de segurança para cada DE individualmente não leva em conta o “efeito guisado”, uma visão mais realista de como os seres humanos experimentam regularmente a vasta gama de toxinas químicas: a exposição a muitos de uma só vez e com efeitos aditivos. Níveis de segurança específicos também não consideram os níveis cumulativos através do tempo, visto que muitas toxinas são armazenadas no corpo. Existem evidências de que os efeitos disruptivos endócrinos em indivíduos são transgeracionais e podem continuar a ser transmitidos, visto que a terceira geração de DEs, os netos de DEs terem uma maior incidência de hipospadias e outras anormalidades.

Os disruptores endócrinos são broncodilatadores sintéticos que afetam os machos significativamente mais do que as fêmeas, de todas as idades desde o nascituro aos bebés, meninos, adolescentes e homens adultos. Eles são encontrados no sangue, urina e / ou leite materno de praticamente todos os que são testados, mesmo aqueles que vivem em áreas remotas, relativamente “intocadas”. Além dos efeitos feminizantes, os DEs têm sido associados a um aumento do cancro do testículo e da próstata, doenças cardiovasculares, distúrbios da tiroide e do sistema imunológico, diabetes e obesidade.

O banco de dados Toxnet NIH contém informações extensas e pesquisáveis ​​sobre os disruptores endócrinos, incluindo os efeitos sobre a saúde, presença em produtos e mapas interativos mostrando como as áreas geográficas são afetadas.

Você não pode conseguir eliminar completamente os disruptores endócrinos, mas aqui estão algumas formas de o ajudar a esconder-se dele. Qualquer coisa que diminua a carga tóxica global faz a diferença:

Dicas para reduzir a exposição aos disruptores endócrinos

Acções de Proteção Notas
Ler Etiquetas Não compre produtos que contenham DEs
Evite produtos com ingredientes que não reconhece
Filtrar toda a água Pondere entre os filtros de gravidade por gota a gota ou osmose reversa.
Considere adquirir filtros de vitamina C e grânulos de vitamina C para o
banho.
Comprar Alimentos Orgânicos Os alimentos não orgânicos estão cheios de pesticidas e herbicidas e são fertilizados com lodo de esgotos e de águas residuais.
Maquilhagem e cosméticos não-orgânicos têm concentrações elevadas de DEs.
Lave as mãos regularmente, em particular antes das refeições. Utilize sabão e água sem fragrâncias, como antigamente.
Descarte os plásticos Escolha alimentos, suplementos e bens de consumo embalados em vidro.
Descarte-se dos metais para acondicionar alimentos Utilize aço inoxidável para café e para outras bebidas e para cozinhar.
Evite analgésicos Use as alternativas naturais como o açafrão para a dor.
Evite as “fragrâncias” As “fragrância” muitas vezes contém DEs. Em vez disso, use óleos essenciais para se perfumar.
Pó e Limpeza Utilize aspiradores de vácuo de alta qualidade com filtros HEPA.
Elimine os DEs da sua casa regularmente Limpe com vinagre, bórax e bicarbonato de sódio.
Purifique o ar interior com plantas de folhas grandes para filtrar as toxinas do ar
Evite os recibos térmicos Não receba recibos ou envie-os por e-mail ou, se necessário receba-os e lave as mãos imediatamente após os tocar e não os recicle.
Sue para se desintoxicar Practique exercício e use sauna.

Para pesquisas baseadas em evidências sobre os disruptores endócrinos veja o Painel de Pesquisa do GreenMedInfo.com:

Endocrine Disruptor Research Dashboard

Jennie Ann Freiman é uma médica interessada em como as sinergias do conhecimento baseado em evidências e a moderna medicina revista pelos pares pode oferecer uma abordagem holística para o bem-estar.

Fonte: http://www.greenmedinfo.com/blog/weapons-mass-feminization

Deixar uma resposta

Top
%d bloggers like this: