A História completa da BAYER — Uma das maiores empresas de controlo populacional do mundo

A Bayer AG é um gigante da indústria química e farmacêutica fundada em Barmen, na Alemanha, em 1863 por Friedrich Bayer e pelo seu parceiro Johann Friedrich Weskott.

Hoje tem a sua sede em Leverkusen, na Alemanha. Registou a marca do ácido acetilsalicílico como aspirina em 1899.

Também registou a marca da heroína um ano antes e, posteriormente, comercializou-a por todo o mundo ao longo de décadas como um “remédio para a tosse para crianças “, e “sem efeitos colaterais”, apesar dos perigos de vício conhecidos.

Durante a Primeira Guerra Mundial, a Bayer voltou a sua atenção para o fabrico de armas químicas, incluindo o gás de cloro, que foi utilizado com efeitos horrendos nas trincheiras. Também construiram uma “Escola de Guerra Química”.

bayer-ag-gmo-depopulation

Durante esse tempo a Bayer criou uma relação estreita com outras empresas químicas alemãs, incluindo a BASF e a Hoechst.

Esta relação foi formalizada em 1925, quando a Bayer foi uma das empresas químicas que se fundiram para formar o enorme conglomerado alemão Interessengemeinschaft Farben ou IG Farben, abreviado.

Tornou-se na maior empresa na Alemanha e tornou-se o maior doador para a campanha de Hitler.

Depois de Hitler chegar ao poder, a IG Farben trabalhou em estreita colaboração com os nazis, tornando-se no maior especulador da Segunda Guerra Mundial.

Entre muitas outras coisas, a IG Farben produziu todos os explosivos para as forças armadas alemãs e sistematicamente saquearam as indústrias químicas da Europa ocupada. Tem sido descrita como “chacal industrial” dos nazis à sombra dos exércitos de Hitler.

Durante a Segunda Guerra Mundial a IG Farben usou trabalho escravo em muitas das suas fábricas e minas e, em 1944, mais de 83.000 trabalhadores forçados e prisioneiros de campos de morte tinham sido colocados a trabalhar no campo da IG Farben em Auschwitz, na Polónia ocupada pelos nazis.

Auschwitz era um vasto campo de trabalho e de morte, onde mais seres humanos foram condenados à morte dos que foram mortos em toda a Primeira Guerra Mundial

Ela era composta por 3 campos principais: Auschwitz I, um campo de concentração; Auschwitz II (Birkenau), um campo de extermínio em que em 1944 cerca de 6.000 pessoas por dia eram mortas e Auschwitz III, que fornecia o trabalho escravo para a fábrica da IG Farben nas proximidades (Buna-Werke, também conhecida como IG Auschwitz).

A fábrica de Auschwitz da IG Farben era um complexo industrial massivo. O maior fora da Alemanha, que consumia tanta eletricidade quanta toda a cidade de Berlim.

Construída e gerida com recurso a trabalho escravo pensa-se – numa estimativa conservadora – ter custado pelo menos 35.000 vidas.

Em 1941, Otto Armbrust, o membro do conselho de administração da IG Farben responsável pelo projecto de Auschwitz da IG Farben, disse aos seus colegas “a nossa nova amizade com as SS é uma bênção. Nós determinamos todas as medidas necessárias para integrar os campos de concentração por forma a beneficiar a nossa empresa “.

E não foram só milhares de trabalhadores escravos que morreram por causa das condições em que trabalhavam para a IG Farben. Aqueles prisioneiros de campos que eram vistos como demasiado doentes ou fracos para continuar a trabalhar na fábrica da IG Auschwitz foram selecionados para as câmaras de gás.

A IG Farben pagava 100.000 reichsmarks a cada ano às SS e em troca foi assegurado um fornecimento contínuo de trabalho escravo, enquanto era “aliviada” de prisioneiros que não rendiam o esperado.

Elie Wiesel, o escritor e vencedor do Prémio Nobel e sobrevivente do Holocausto, chegou a Auschwitz em 1944 e foi enviado com o seu pai para campo de trabalho Buna da IG Farben.

Nesse mesmo ano, o sobrevivente do Holocausto e autor Primo Levi estava entre os 125 homens selecionados no terminal ferroviário para servirem de mão-de-obra na casa da IG em Buna-Werke.

Um dos apenas três sobreviventes deste grupo, Levi escreveu mais tarde sobre as suas experiências em detalhes arrepiantes:

Quinze dias depois da minha chegada, eu já tinha a fome prescrita, aquela fome crónica desconhecida para os homens livres… Na parte de trás dos meus pés eu já tinha as feridas dormentes que não cicatrizam. Eu empurrava vagões, eu trabalhava com uma pá, eu apodrecia à chuva, eu tremia ao vento, já o meu próprio corpo já não era meu. A minha barriga estava inchada, as minhas pernas magras

Em Noite, o livro de memórias aclamado de Elie Wiesel sobre as suas experiências pessoais no Holocausto, ele descreve como os veteranos do IG Buna-Werke disseram aos que tinham chegado lá no final da guerra que o tratamento brutal que tinham vivido não tinha nada a ver com aquilo que a força de trabalho convencional da IG viveu:

“Sem água, sem cobertores, menos sopa e pão. À noite, dormimos quase nus e a temperatura era de 30 graus abaixo de zero”

“Nós recolhíamos cadáveres às centenas todos os dias… O trabalho era muito difícil… [Os agentes empregadores] tinham ordens para matar um certo número de prisioneiros diariamente, e todas as semanas havia uma selecção [para as câmaras de gás] – uma selecção impiedosa”

Quando se tratava de “seleção”, era uma subsidiária da IG Farben, com gestores da IG Farben na sua Comissão de Gestão, que fabricavam e forneciam o Zyklon B [gás usado nas câmaras de gás] ao SS.

Este pesticida à base de cianeto venenoso, do qual a IG Farben tinha a patente, foi usado durante o Holocausto para aniquilar mais de um milhão de pessoas em ambos os campos de extermínio de Auschwitz-Birkenau e Majdanek.

A fórmula do Zyklon B usado nas câmaras de gás era deliberadamente feita sem o odorante de advertência normal. A IG Farben também forneceu às SS o metanol usado para queimar os cadáveres.

Em 1946 o Tribunal de Crimes de Guerra de Nuremberga concluiu que, sem a IG Farben a Segunda Guerra Mundial simplesmente não teria sido possível.

O Procurador-Geral, Telford Taylor, advertiu:

“Essas empresas, não os fanáticos nazistas excêntricos, são os principais criminosos de guerra. Se a culpa desses criminosos não for trazida à luz do dia e se eles não forem punidos, eles representam uma ameaça muito maior para o futuro da Paz no mundo do que Hitler se ele ainda estivesse vivo”.

A sua acusação afirmou que, devido às actividades da IG Farben “a vida e a felicidade de todos os povos do mundo foram afectadas negativamente”.

“Acusações tão graves como fomentar a guerra e matar trabalhadores escravos também foram adicionadas. No seu discurso de abertura o Procurador-Geral de Nuremberga assinalou que “o sumário de culpa acusa estes homens de grande responsabilidade na guerra mais horrífica e catastrófica da história. Ele acusa-os de esclavagismo recorrente, pilhagem e assassinato”

De acordo com os advogados de acusação de Nuremberga:

“Observamos que a Farben integrou-se com a tirania nazi, emprestando a sua genialidade técnica para fornecer… matérias-primas vitais para a reconstrução da máquina de guerra alemã, e emergindo com o apoio de Hermann Goering no mais alto nível do planeamento económico e da mobilização para guerra”.

“Constatamos que a Farben estava pronta para matar e, posteriormente, foi inchada pela conquista económica nos países indefesos ocupados”

“Diante duma escassez de trabalhadores, vimos como a Farben se virou para Goering e Himmler e persuadir essas pessoas ilustres a empacotarem as legiões de prisioneiros de campos de concentração como ferramentas da máquina de guerra da Farben”

“Vimos como esses trabalhadores miseráveis morreram aos milhares, alguns no canteiro de obras da Farben, e muitos mais nas câmaras de gás de Auschwitz após a Farben ter esgotado a vitalidade dos seus corpos miseráveis…”

“Literalmente milhões de pessoas foram mortas no próprio quintal de um dos projectos de estimação da Farben – um projecto no qual a Farben investiu mais de 600 milhões de marcos do seu próprio dinheiro”

Embora o Tribunal de Nuremberga tenha indiciado 24 membros do conselho da IG Farben e executivos com base em crimes contra a Humanidade, apenas 13 receberam sentenças de prisão.

E as frases que receberam foram descritas pelo Procurador-Chefe de Nuremberga como “leves o suficiente para agradar a um ladrão de galinhas”.

No início dos anos 1950 os condenados por esclavagismo, saque e assassinato em massa estavam de volta ao leme das suas próprias empresas – a Bayer e a Hoechstand BASF, formadas a partir dos activos da IG Farben em 1952.

Os proprietários destas “novas” empresas eram também accionistas da IG Farben.

Assim, embora a gravidade dos crimes cometidos pela IG Farben significasse que a empresa fosse considerada corrupta demais para que lhe fosse permitido continuar a existir, foi suplantada pelas suas componentes originais – as empresas como a Bayer que eram propriedade e geridas ao mais alto nível pelas mesmas pessoas que geriam a IG Farben.

Aqueles que tinham ajudado Hitler a chegar ao poder e sustentaram com know-how técnico as suas guerras de agressão e o Holocausto, estavam de volta ao controle da indústria.

O executivo da Bayer de nome Fritz ter Meer é um exemplo deste salto para trás.

Executivo da IG durante muitos anos, o cientista mais graduado no seu conselho de supervisão e presidente da sua comissão técnica, ele tornou-se um membro do Partido Nazi em 1937 e foi o executivo responsável pela construção da fábrica IG Farben em Auschwitz, na qual dezenas de milhares de trabalhadores escravos encontraram a morte.

As próprias visitas de Ter Meer a Auschwitz e os relatórios detalhados que recebeu davam a entender que era inconcebível que ele não tinha nenhuma ideia clara do que estava a ocorrer.

O Tribunal Penal de Nuremberga considerou-o culpado de pilhagem, escravidão e assassinato em massa. Como resultado, Ter Meer recebeu a mais longa sentença de qualquer dos membros do conselho de administração da IG Farben.

Mas apesar de ser considerado o mais culpado dos homens que, segundo as palavras do Procurador-Geral, “tornaram a guerra possível… os magos que fizeram com que as fantasias do Mein Kampf se tivessem tornado realidade”, Ter Meer já estava fora da prisão em 1952.

Em 1956 ele tornou-se o presidente do conselho de administração da Bayer, cargo que ocupou até 1964. Ainda hoje a Bayer continua a honrar este assassino em massa condenado.

No dia de Todos-os-Santos de 2006, por exemplo, é sabido que essa corporação colocou uma coroa de flores no túmulo de Ter Meer em Krefeld-Uerdingen, na Alemanha.

No entanto, ao longo de décadas a Bayer recusou-se a pagar uma indemnização aos seus trabalhadores escravos sobreviventes. Só depois de protestos internacionais é que fez isso, e eventualmente, concordou em pagar uma indemnização – mais de 50 anos após o fim da guerra.

A Bayer continuou a crescer no período pós-guerra, tornando-se maior do que o conjunto da IG Farben no seu apogeu. Mesmo como parte da IG Farben, a Bayer manteve a sua força nos produtos farmacêuticos.

Na realidade, experiências científicas tinham sido conduzidas especificamente em nome da Bayer em Auschwitz e noutros campos de concentração.

A IG tinha pago a conta da pesquisa de Josef Mengele, o infame “Anjo da Morte” de Auschwitz-Birkenau, e alguns das suas experiências laboratoriais utilizavam produtos farmacêuticos fornecidos pela Bayer.

Wilhelm Mann, cujo pai tinha liderado o departamento farmacêutico da Bayer, escreveu, como chefe do poderoso comité farmacêutico da IG, a um contacto nas SS em Auschwitz:

Anexei o primeiro cheque. As experiências do Dr. Mengele devem, como nós ambos concordamos, prosseguir. Heil Hitler

O empregado da IG, o major das SS Dr. Helmuth Vetter, destacado para Auschwitz, participou nas experiências médicas em humanos sob as ordens da Bayer.

“Os prisioneiros morreram como resultado de muitas dessas experiências. Vetter foi condenado por crimes de guerra em 1947 e foi executado em 1949, mas o papel da Bayer nesse processo só emergiu mais tarde. Nos arquivos da correspondência de Auschwitz foi descoberta correspondência entre o comandante do campo e a Bayer”

“Dizia respeito à venda de 150 prisioneiros do sexo feminino para fins de experiências laboratoriais e envolveu discussões sobre o preço”

Notas de um câmbio:

“As experiências foram realizadas. Todas as pessoas testadas morreram. Nós entraremos em contacto consigo em breve para uma nova remessa ao mesmo preço”

De acordo com o depoimento do médico das SS Dr Hoven durante o Tribunal Penal de Nuremberga:

“Deve ser do conhecimento geral, e especialmente nos círculos científicos alemães, que as SS não tinham notáveis cientistas à sua disposição.

“É claro que as experiências nos campos de concentração com preparações da IG só ocorreram nos interesses da IG, que se esforçou por todos os meios para determinar a eficácia dessas preparações”

“Eles permitiram que as SS lidassem com o – eu direi – trabalho sujo nos campos de concentração”

“Não era a intenção da IG expor-se desta forma, mas ao invés disso lançaram uma cortina de fumo em torno das experiências de modo a que… eles pudessem manter os lucros só para si.

“Não foram as SS mas sim a IG que tomou a iniciativa das experiências nos campos de concentração”

Nos anos do pós-guerra a Bayer cresceu para se tornar a terceira maior empresa farmacêutica do mundo. Em meados dos anos 1980 a Bayer foi uma das empresas que venderam um produto chamado concentrado de factor VIII para tratar a hemofilia.

Veio a descobrir-se posteriormente que o factor VIII estava contaminado com HIV e, só nos EUA, infectou milhares de hemofílicos, muitos dos quais morreram num dos piores desastres médicos relacionados com farmacêuticos de sempre.

Mas foi só em 2003 que o New York Times revelou que a Bayer tinha continuado a produzir e a vender este produto infectado para a Ásia e América Latina depois de Fevereiro de 1984, quando um produto seguro se tornou disponível, a fim de economizar dinheiro.

Dr. Sidney M. Wolfe, que investigou o escândalo, comentou:

Estes são os mais incriminatórios documentos internos da indústria farmacêutica que eu já vi

No início de 1990 da Bayer é dito que a Bayer colocou pacientes em risco de infecções potencialmente fatais ao não divulgar informações sobre segurança cruciais, durante os testes do antibiótico Ciproxin.

Quase 650 pessoas foram operadas com Ciproxin sem que os médicos fossem informados que os estudos (já em 1989) mostravam que o Ciproxin reagia mal a outras drogas, prejudicando seriamente a sua capacidade de matar bactérias.

Em 2001, a Bayer teve de recolher o seu medicamento anti-colesterol Baycol / Lipobay, que foi posteriormente ligado a mais de 100 mortes e 1.600 feridos.

O ministro da Saúde da Alemanha acusou a Bayer de ter conhecimento das pesquisas que documentavam os efeitos colaterais letais do Baycol durante quase dois meses antes do governo em Berlim ser informado.

Pensa-se para ter sido em parte em resposta ao impacto do escândalo do Baycol que a Bayer comprou a unidade de ciências agrícolas da rival companhia francesa Aventis, que já havia absorvido parte da Hoechst, em Outubro de 2001.

A Bayer CropScience foi criada em 2002, quando a Bayer AG adquiriu a Aventis CropScience e fundiu-a com sua própria divisão de agroquímicos (Bayer Pflanzenschutz [Bayer “Protecção de de Colheitas”].

A empresa de biotecnologia belga Plant Genetic Systems também se tornou parte de Bayer via aquisição da Aventis CropScience.

Hoje, a Bayer CropScience é uma das divisões de negócios centrais da Bayer, que incluem:

  • A Bayer HealthCare: medicamentos, dispositivos médicos e equipamentos de diagnóstico;
  • A Bayer MaterialScience AG: polímeros e plásticos;
  • A Bayer CropScience: culturas geneticamente modificadas e agroquímicos.

A Bayer é o fabricante de pesticidas mais importante do mundo e a sétima maior empresa de sementes do mundo. A Bayer CropScience é responsável pela maioria dos ensaios de campo de Organismos Geneticamente Modificados em países europeus. As culturas geneticamente modificadas da Bayer são na sua maioria “Liberty Link [Ligação Liberdade]” – projectadas para serem resistentes ao seu herbicida “Liberdade”.

O “Liberdade” é um nome comercial para herbicida glufosinato da Bayer. Juntamente com as culturas Roundup Ready da Monsanto, as culturas Liberty Link da Bayer são um dos dois principais tipos de culturas resistentes a herbicidas GM, mas o glufosinato é um herbicida controverso.

Em Janeiro de 2009, o Parlamento Europeu votou para banir os pesticidas classificadas como cancerínogéneos, mutagénicos ou tóxicos para a reprodução.

Em resultado disso, a licença do glufosinato não será renovada. Uma avaliação da Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) afirma que o glufosinato representa um alto risco para os mamíferos.

É classificado como tóxico para a reprodução por causa das evidências de pesquisa que mostram que pode causar partos prematuros, morte intra-uterina e abortos em ratos. Estudos japoneses mostram que a substância também pode dificultar o desenvolvimento e a actividade do cérebro humano.

O inseticida sistémico da Bayer, o Imidacloprid, vendido em alguns países sob o nome de Gaucho, e a clotianidina, também se provou serem altamente polémicos, pois acredita-se que tenham contribuído significativamente para a morte de abelhas.

Houve apelos para os neonicotinóides serem retirados como revestimentos de sementes para as culturas pois podem afectar abelhas, ou mesmo para uma proibição total da sua utilização.

Em Maio de 2008, as autoridades alemãs culparam o Clothianidin pela morte de milhões de abelhas, e o Escritório Federal Alemão de Defesa do Consumidor e Segurança Alimentar (BVL) suspendeu a inscrição de oito produtos de pesticidas para tratamento de sementes, incluindo a clotianidina e o Imidacloprid, no milho e colza.

Em 2008, a Bayer CropScience estava no centro de uma enorme controvérsia no rescaldo de uma explosão numa das suas instalações de produção de pesticidas nos EUA.

Uma investigação do Congresso EUA encontrou sistemas de segurança defeituosos, deficiências significativas nos procedimentos de emergência e falta de formação de funcionários responsáveis pela explosão que matou dois empregados.

A região aparentemente escapou por pouco a uma catástrofe que poderia ter superado a o desastre de Bhopal de 1984.

De acordo com a investigação do Congresso:

Evidências recolhidas pela comissão demonstram que a Bayer envolveu-se numa campanha de sigilo pela retenção de informações críticas do local, pelo condado e pelas equipas de emergência estatais ao restringir o uso das informações fornecidas aos investigadores federais; minando as agências de notícias e grupos de cidadãos preocupados com os perigos que representam as actividades da Bayer, e fornecendo informações imprecisas e enganosas para o público

A Bayer CropScience verificou-se ter deliberadamente removido e destruído provas após a explosão química.

A Bayer CropScience tem estado envolvida num grande número de controvérsias relacionadas com culturas geneticamente modificadas, talvez a mais notável tenha sido a contaminação em 2006 de grande parte do fornecimento de arroz de grão longo dos EUA pelo arroz “Liberty Link” GM não aprovado da Bayer.

Leia: A Bayer e o Governo Americano conscientemente contaminaram milhares de crianças com HIV

Isso causou a pior crise da indústria do arroz nos EUA:

  • Mais de 40% das exportações de arroz dos EUA foram afectadas negativamente
  • Várias acções judiciais federais foram arquivadas
  • O comércio com os 25 países da UE ficou paralisado
  • Outros países proibiram as importações de arroz de grão longo dos EUA
  • Muitos outros países exigem o teste de todas as importações de arroz EUA
  • Alguns mercados de arroz de grão curto e médio foram afectados

Outra cultura de arroz da Bayer GM não aprovada (LL62) também está a ser detectada em stocks de arroz nos EUA.

Os produtores de arroz dos Estados Unidos estão a ser avisados de que nunca mais serão capazes de rotular de forma válida a sua cultura como sendo “livre de OGM”.

Significativamente, um dos factores-chave na venda da Aventis CropScience à Bayer foi uma crise semelhante que envolveu a GMmaize.

O fiasco do Starlink começou quando em Outubro de 2000 vestígios de um milho da GMmaize Aventis chamado StarLink foram detectados em alimentos nos EUA, mesmo só tendo aprovação para serem usados como alimento para animais ou uso industrial.

O Starlink não foi aprovado para consumo humano porque a Agência de Proteção Ambiental não podia descartar a possibilidade de que os seres humanos fossem alérgicos a ele.

A agência aprovou condicionalmente o Starlink da Aventis sob a condição de que não fosse consumido humanos.

O fiasco do Starlink levou a uma recolha em massa de mais de 300 marcas de produtos alimentares norte-americanos devido à enorme escala da contaminação.

A ABC News informou no final de Novembro de 2000:

“No Iowa, o milho StarLink representa 1 por cento do total [de milho] colhido, apenas 1 por cento. Ele contaminou 50 por cento da colheita”

O gene StarLink também foi inesperadamente detectado num segundo lote de milho de companhia e nas exportações da USmaize.

A United Press International relatou: ” A Aventis CropScience quarta-feira falhou em explicar porque é que uma outra variedade de milho, além da sua marca StarLink, está a produzir a proteína [StarLink] Cry9C.”

As exportações de milho americanas para grandes compradores foram gravemente comprometidas. As autoridades federais culparam o aparecimento não autorizado de milho geneticamente alterado na cadeia alimentar exclusivamente no seu fabricante.

Fonte: http://www.gmwatch.org/gm-firms/11153-bayer-a-history

Recursos: http://www.gmwatch.org/gm-firms/11154-bayer-resources

Este artigo foi publicado originalmente em http://humansarefree.com/

2 comentários sobre “A História completa da BAYER — Uma das maiores empresas de controlo populacional do mundo

  1. Chocante de fato. Mas espero isenção, com reportagens de companhias de outros países, inclusive dos EUA, Reino Unido etc. Sobre o conglomerado IG Farben, não há duvidas que essa empresa ao lado de outras grandes companhias alemãs, colaboraram na exploração de mão de obra escrava e no genocídio da Segunda Guerra, Entretanto, alimento dúvidas sobre a veracidade absoluta de todas as notícias veiculadas, em especial, sobre a questão do HIV, se houve a venda de produtos infectados com o HIV é obrigação citar nominalmente todas as empresas envolvidas e não apenas uma, pois isso leva á conclusão que a reportagem é prioritariamente uma campanha para a desmoralização da empresa.

Deixar uma resposta

Top
%d bloggers like this: