O vírus da religião: uma guerra antiga contra a Consciência Humana

Com que então queria iluminação? Pensava que a vida ia ser como uma viagem num barco à vela, suave e agradável, à medida que os véus da ilusão se erguem? Aqueles que ficam “desiludidos” – e não voltaram a entrar em negação depois de verem o que estava do outro lado, ou correram na direção oposta ao sentirem o primeiro travo de “iluminação” – percebem que despertar é um trabalho árduo!

Então, o que estará por detrás desses véus da realidade construída, pode-se perguntar? Para colocar isso em termos sucintos, o que está por detrás do condicionamento social é o seguinte: “A nossa sociedade é o produto de uma raça extraterrestre que se move e respira – e até cria – abaixo da superfície de toda a história humana”.

É muito mais fácil enganar as pessoas do que convencê-las de que foram enganadas – tal é a natureza do viés de validação e outras ferramentas psicológicas de manipulação. A libertação do antigo e histórico “constante” controlo mental é um processo contínuo de Despertar de um estado de negação. O surgimento e o Despertar espiritual envolvem uma ruptura fisiológica dos acordos sociais de consenso das nossas culturas planetárias.

A percepção de que foi enganado além do imaginável pode fazer emergir de uma grande turbulência interior: consternação total, um sentimento de humilhação e uma contracção resultante do facto de que os amigos e familiares continuamente (e inconscientemente) tentam levá-lo de volta à linha do pensamento colectivo “dominante” e aceite. Neste processo de libertação da escravidão da Consciência Humana, se não tem dias em que questiona completamente a sua sanidade, então poderá suceder que não esteja realmente a despertar. Aqui está o único conselho que reflete a verdade desse processo: habitue-se!

Não há como pedir aos agentes da Matriz que validem a Verdade do seu Despertar, pois acabará por ser diagnosticado e medicado. Está simplesmente a ficar são num mundo insano. Agora, mais do que nunca, é a hora daqueles que já levantaram esses véus de enganos ajudarem outras pessoas que precisam que o penso rápido que “tapa a ferida” seja removido rapidamente. Uma lição de história consideravelmente revista em relação às nossas verdadeiras origens humanas está disponível para a maioria da Humanidade. Aceda à informação, eduque-se, pegue a espada da Verdade e comece a agita-la.

Devemos estar dispostos a olhar muito directamente para os factores que estão a inibir e a obstruir a nossa capacidade de ver como o paradigma planetário actualmente implementado emergiu duma história de violência, derramamento de sangue e regimes opressivos. Quando fazemos esta jornada de descoberta, o que descobriremos é que o mecanismo que tem sido usado – e ainda é – para orientar essas agendas, é o tema desagradável e profano da religião e dos falsos impostores de Deus, que escondem os muitos ramos desta árvore despótica.

Estamos a lidar com a programação da mente, lavagem cerebral, fantasmas e crenças que foram tão profundamente incorporados na psique humana colectiva desde há muito tempo, que libertarmo-nos deles requer um esforço considerável (e contínuo). Não só devemos dissociar-nos das distracções diárias que são projectadas para manter-nos alheios ao quadro maior, mas devemos estar preparados para fazer o trabalho de casa para descobrirmos as nossas verdadeiras origens humanas e a agenda actual de controlo social que suprime que oculta a verdade.

Se nasceu neste planeta, então (em algum grau ou medida) sofre os efeitos de uma sociedade que se tornou patologicamente obediente à programação religiosa, e mesmo aqueles que se libertam desse mecanismo tirânico são muitas vezes treinados para se tornarem tolerantes para com todas as religiões, em vez de serem encorajados a identificar claramente este fenómeno desactivador como sendo um dos principais factores que contribuem para a contínua escravização da Humanidade.

É fácil tornar-se um alvo de acusações que envolvem termos carregados como “não amor” e “intolerantes” quando perfura no núcleo do vírus de controlo mental conhecido como Religião. Um dos ditadores mais psicopatas do século 20, o “presidente” Mao Zedong, cunhou a frase “politicamente correcto” como uma ferramenta de propaganda para capacitar indivíduos a auto-policiar os seus pensamentos e palavras – um método muito mais eficaz para manter grupos de pessoas dóceis e subserviente às directivas dominantes do controlo mental do que a força violenta e a coerção física. Esta construção da manipulação social tornou-se num poderoso aliado para combater o surgimento emergente de informações e visões sobre as raízes e o impacto da psicopatologia religiosa – ajudando e encorajando uma “tirania da tolerância livre de contexto” que tenta envergonhar (e assim silenciar) aqueles que questionam a ortodoxia de veneração externa da autoridade.

A maioria das pessoas neste planeta nasceu nas suas ideologias religiosas e é tão viciada em rituais diários que defendem a identificação do “seguidor” (e obediência inquestionável à sua religião), que eles têm pouca inclinação para realmente questionarem se foram enganados. Para esses “fiéis escolhidos”, o seu apego ao ego com a programação religiosa é reactivo por design – eles ficam facilmente ofendidos quando questionamos a verdade da sua religião, a superioridade da sua perpectiva particular de “Deus” e a validade das palavras escritas nos manuscritos religiosos. Para muitos, é realmente uma ofensa punível pôr em causa a “autoridade eterna e inflexível” do seu Deus.

Sempre que surgir este tópico, existirão aqueles que afirmam que as outras formas de arrastamento cultural (que se encontram fora da esfera da religião ortodoxa) estão de alguma forma para além do alcance da corrupção da Consciência separada, sendo justificadas como “filosofias” ou formas “indígenas” de saber. No entanto, o programa patológico de obediência (e a projeção de autoridade fora do próprio Eu soberano) é estendido a todos os cultos de “crença”.

A verdade sobre esses assuntos foi entendida por Siddhartha, que invocou aqueles que foram atraídos para a sua perspectiva para evitar adorar o seu ser, gerar ídolos fora da sua forma ou transformar as suas ideias em leis. E o que aconteceu em resultado disso? A religião conhecida como budismo, que (é claro) gosta de reivindicar que não é uma religião, e ainda detém centenas de milhões de pessoas em palco para replicar a idolatria desse homem falecido há muito tempo. Todos os dias, uma grande percentagem de budistas (em toda a Ásia em particular) ajoelham-se e imploraram a Buda da mesma forma que os cristãos imploram a Jesus – essa forma de vampirismo literalmente enfraquece o sistema nervoso central do corpo.

Uma pessoa pode praticar cinesiologia enquanto olha para uma estátua de Buda para confirmar esse facto. As formas externas da disciplina imposta apenas geram discípulos, ao invés de Seres Humanos autónomos e soberanos. O programa patriarcal é tão prevalente em todo o budismo quanto nas outras denominações religiosas. Existem inúmeros exemplos que podem ser usados ​​para destacar esta realidade, no entanto, o mais óbvio pode ser simplesmente questionar quando é que o Dalai Lama encarnou pela última vez como mulher, ou quando é que ele pretende fazer isso? Siddhartha acabou por se tornar ateu e vegetariano devido à sua extrema insatisfação com os infinitos sacrifícios de sangue feitos aos “Deuses” nos templos da sua era.

Se deseja verificar se está a agir por Amor ou por medo então, veja com que frequência se auto-censura de falar e partilhar a verdade sobre assuntos que possam desafiar o condicionamento do controlo mental da outra pessoa, quando se trata de religião. Partilhar uma verdade terrível sobre a religião é um acto de Amor. É um serviço para a Humanidade. Não é uma questão de intolerância às pessoas, nem tem nada a ver com ódio, racismo ou fanatismo. É uma questão de identificar a programação religiosa limitante que atravessa as mentes da Humanidade, que está agindo como malware dentro do mainframe da Consciência humana. Se um computador tiver um vírus que nele se propague, e que corrompe o seu sistema operativo até ao ponto da paralisia, não o vamos acusar de ser intolerante ou rude – simplesmente identifica o problema e instala um programa para limpar o vírus.

“Precisa de entender que a maioria das pessoas não está preparada para ser desligada. E muitos deles estão tão envolvidos, tão desesperadamente dependentes do sistema, que vão lutar para o proteger. ” ~ Morpheus, ‘The Matrix’

A religião é a falsa panaceia de que tantos estão irremediavelmente dependentes, até ao ponto em que um número razoável de adeptos lutará literalmente até a morte para defender o seu falso território ideológico. A religião é uma forma de síndrome de Estocolmo – definida como

“Sentimentos de confiança ou afeto sentidos em certos casos de sequestro ou rapto por uma vítima em relação ao captor”.

No caso dos que foram feitos reféns pela ideologia religiosa, os seus captores são os mestres planetários alienígenas que se fazem passar por deuses na Terra, e a maioria das suas vítimas nem sequer está ciente de “quem” ou “o quê” os capturou. O mesmo panteão de arquitectos brutais, psicopatas, militantes, endogâmicos, pedófilos e reptilianos, são encontrados espalhados por várias religiões e culturas na Terra, fazendo-se passar por diferentes nomes nas seitas concorrentes deste culto divisivo: o Islão, o Cristianismo, o Judaísmo, o Hinduísmo e assim por diante… uma “fila de assassinos” hierárquica de seres foram “copiados e colados” (com pequenas variações) na tapeçaria de várias religiões ao longo dos tempos e em todas as culturas na Terra. Essas criaturas sombrias não resultam simplesmente da imaginação criativa dum povo primitivo, nem podem ser descartadas como seres mitológicos. E – crucialmente – eles não se foram embora.

As suas antigas e contínuas operações de engenharia genética continuam a perpetuar os programas de divisão, jogando com as ideias de superioridade racial ao longo da mente colectiva morfogenética da Humanidade. Esta divisão está actualmente a ser agitada até níveis ainda maiores que os habituais, de modo a promover a agenda dos seus mestres – uma agenda que inclui um governo global totalitário e a servidão Humana, de forma aberta e evidente. As guerras desses imitadores de deuses estão a ser jogadas pelos seus peões: a Humanidade.

O que actualmente estamos a observar, com a criação e o financiamento de grupos terroristas por agências de inteligência e regimes governamentais corruptos, é a justificação predeterminada para uma guerra total e sem fim – e essa é apenas a leitura superficial de uma história muito mais sinistra. Eles não estão a jogar este jogo dentro dos prazos e dos períodos de vida que os seres humanos podem compreender, e eles estão a usar a crença religiosa em conceitos niilistas como “o Fim dos Tempos”, “a Revelação”, “o Dia do Julgamento”, “o Arrebatamento [The Rapture]” ou o “Apocalipse” como um manual, um roteiro e um guia do utilizador para o cenário do “Jogo Final”, fazendo crer que a profecia está a ser cumprida de uma forma totalmente irreversível.

Qualquer análise ao valor nominal da intriga política nacionalista falha em reconhecer um plano de jogo muito mais essencial: um processo gradual e direccionado de reorganização das peças de xadrez no quadro de jogo, tudo ao serviço de um governo global “unificado”.

“A Bíblia diz-nos que somos como Deus e depois, página após a página, descreve Deus como um assassino em massa. Essa pode ser a chave mais importante para o comportamento da civilização ocidental ” ~ Robert Anton Wilson

Para se envolver numa religião que idolatra um profeta antigo como um “mensageiro de Deus” – um ser humano que, como os textos da própria religião dizem, é pessoalmente responsável pelas decapitações de centenas de pessoas na tentativa de eliminar as linhagens genéticas em nome de Deus – é encarcerar esse arquétipo de pensamento e comportamento militar que o acompanha. Não haverá paz encontrada dentro dessa idolatria. Isso serviria o próprio estado de soberania das pessoas para elas começarem a questionar que tipo de “Deus” escolheria um amigo tão hostil e desagradável para realizar o seu sagrado trabalho na Terra?

O treino militar é outro exemplo da síndrome de Estocolmo e da lavagem cerebral nacionalista e racialista, cujas raízes são encontradas tanto na doutrinação religiosa patriarcal como na crença patriótica, perpetuando a agenda de controlo. A religião, a política e a militarização andam sempre de mãos dadas.

Os pensamentos eludidos dos crentes da Nova Era (inspirados pelos programas de solipsismo religioso / contorno da realidade ocidentais) – e os fantoches da obediência espiritualmente / politicamente correcta que estão a acenar com a bandeira da aceitação religiosa – gostariam que o resto de nós acreditasse que todas as religiões partilham, no seu cerne, um “código” preenchido com “Visões Espirituais”. Talvez seja suposto ser algum tipo de “teste espiritual” encontrar essas ideias esclarecedoras e edificantes, escondidas entre os muitos e variados relatos de deuses assassinos e vingativos que defendem o terrorismo religioso e que ordenam a aniquilação das cidades, ordenam o assassinato de crianças, exigem a violação de meninas virgens, não deem direitos às mulheres, e quem ordena pragas e fome para os afligir? Ao lermos os textos religiosos torna-se bastante óbvio que não estamos a lidar com um ser benevolente e amoroso, mas que estamos a ver o jogo furtivo dos imitadores de fora do planeta que exibem todas as características de um psicopata.

Longe de promover visões espirituais, as religiões são o terreno fértil para a conformidade, a psicopatia e o fervor militante após a lavagem cerebral, jogando com o medo da morte, o castigo no Além e a Salvação dos justos crentes que defendem os “comandos militantes” de Deus. Esses programas são projectados para controlar e limitar as faculdades mentais das pessoas, modificando o seu comportamento no processo. Essa é a sua função. A religião é uma guerra contra a Consciência que foi iniciada num tempo do qual já não existe memória.

Toda a religião carrega as sementes da divisão e do ódio – em várias ocasiões na sua história, um fluxo constante de várias “Fés” levaram a água da agenda dos deuses do planeta, os senhores psicopatas. Foi apenas há algumas centenas de anos que milhões de mulheres na Europa foram alvo de assassinatos depois de serem acusados ​​pela Igreja de feitiçaria. A cicatriz psíquica que é carregada dentro da linhagem genética do princípio feminino da Humanidade em resultado do domínio religioso patriarcal, é uma atrocidade global contínua que serve para traumatizar e desconectar os indivíduos da sabedoria e orientação desse princípio.

Está a tornar-se cada vez mais óbvio que os eventos do ritual do problema / reacção / solução do 11 de Setembro foram iniciados para usar a ameaça orquestrada de terrorismo para justificar a invasão de muitos países do Oriente Médio, criando um vácuo de poder que seria preenchido por um fundamentalismo militante – desencadeando uma crise emergente de refugiados destinada a desestabilizar outros países ao redor do mundo, a fim de estabelecer um maior controlo global (“segurança”), cortesia da Nova Ordem Mundial. O Islão tem-se difundido desde o Médio Oriente já desde há muito tempo, e agora está a ser difundido sistematicamente ao redor do globo para zonas mais “maduras” para hospedar este vírus parasita da Consciência. Não há uma abordagem mais fácil (ou mais brutalmente eficaz) para este tipo de orquestração oculta do que induzir e inflamar o conflito étnico alimentado pelo doutrinamento religioso e, como sempre, a melhor forma de controlar a oposição é lidera-la.

Estes são todos os sintomas de uma malignidade mais profunda e mais antiga, que tem a ver com a modificação do modelo humano original e do sistema endócrino que produz os índices químicos que estabilizam nosso estado de Consciência individual e coletiva. Quando visto dessa perspectiva, identifica-se uma ironia cruel e desumana quando se considera que esses manipuladores do outro mundo são agora adorados como “salvadores” (como parte do mito falaz da “salvação externa”), que é outro aspecto proeminente da patologia religiosa.

Deve cortar o mal pela raíz em vez de simplesmente cortar os galhos. Sem olhar para as origens da servidão religiosa e identificar claramente quem esses impostores de Deus (que usam a Humanidade como uma quinta para o cultivo do gado) realmente são – e ao invés concentrar-se em simplesmente identificar e culpar os modelos governamentais corruptos anteriores e actuais – estará apenas a ver a dança das marionetas, inconsciente da marionete que puxa as cordas. A história da Bíblia hebraica das origens humanas (conhecida como história de Adão e Eva) é uma versão falsa, enganosa e abreviada, derivada de uma interpretação muito mais “equilibrada” com origem em textos cuneiformes sumérios antigos. Esses relatos sumérios recolhidos descrevem uma espécie vinda do espaço, conhecida como os “Annunaki”, que geneticamente modificou a raça humana e a usou como escrava.

Para fazer algum trabalho de casa e continuar a investigar este tópico, procure livros como:

As soluções para a crise global não irão surgir do nível de Consciência com o qual estão a ser geradas actualmente. Tolerar a religião é uma solução de “penso rápido”, “para pôr os óculos cor-de-rosa” sobre uma ferrugem que está apodrecer. Precisamos de dissociar-nos electromagneticamente e neuroquimicamente do nível de Consciência com que esses jogos dualistas são repetidamente jogados. A memória acumulada em torno da servidão religiosa – construída dentro da Consciência coletiva e, portanto, incorporada no campo mórfico do planeta – deve ser transcendida. Somente quando podermos remover-nos colectivamente da largura de banda da ressonância mórfica da frequência religiosa que limita nossa conexão directa com a Fonte, é que seremos capazes de encarnar a verdadeira benevolência da Criação, como aspectos fractais da Consciência Co-criativa.

“Nós somos aqueles de quem estávamos à espera. Nós não precisamos de ninguém para nos salvar dos rufias no recreio. Precisamos de ressuscitar e TORNARMO-NOS NA BIOTECNOLOGIA que somos” ~ Juliet Carter

Inicie o processo de desconstrução e de re-incorporação vendo este vídeo:

The re-evolution will be televised [A re-evolução não será transmitida nos canais de televisão].

Por Karlos Kukuburra,  do site Waking Times

Fonte: http://www.wakingtimes.com/2017/09/04/virus-religion-ancient-war-human-consciousness/?utm_source=Waking+Times+Newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=f1c49de319-RSS_EMAIL_CAMPAIGN&utm_term=0_25f1e048c1-f1c49de319-54394837

2 comentários sobre “O vírus da religião: uma guerra antiga contra a Consciência Humana

Deixar uma resposta

Top
%d bloggers like this: