Os Psicopatas Mandam no Mundo?

wolfsheepclothes

A nossa sociedade é dirigida por pessoas insanas por objectivos insanos. Acho que estamos ser liderados por maníacos para fins maníacos e eu acho que estou sujeito a ser posto de lado como louco por expressar isso. Isto é o quanto isto é insano. ” ~ John Lennon (1940-1980)

Lennon e outros externalizam a aparente paranóia que brota dentro de nós. “O mundo enlouqueceu!” Mais do que ocasionalmente nós alienamos essa ideia, satisfeitos por vermos o mundo tal como os outros o prescrevem. Mas quem são esses outros, e o que é que eles querem?

O termo psicopata é muitas vezes erroneamente avaliado criminalmente, e em grande parte graças a inúteis retratos de perfis de personalidade doentios, distorcidos e violentos nos meios de comunicação popular. Isso levou, por meio da ignorância pública, à crença comum de que o psicopata não tem função, papel ou lugar na sociedade aberta. Uma descarga rápida que permite, à aparentemente maioria sensata, contornar os seus piores.

Qualquer noção de que o psicopata é incapaz de funcionar abertamente numa sociedade é, de acordo com M.E. Thomas1 – admitidamente um sociopata – falhada. A questão não é a capacidade de funcionar, mas sim a capacidade ou a forma que essa função assume. Como diz Thomas, os psicopatas e sociopatas partilham uma história clínica interligada. Ambos podem funcionar, eles simplesmente fazem isso de forma diferente. E embora nos dediquemos a refletir sobre a máscara que essa função pode assumir, em muitas situações sociais eles destacam-se.

A Competição Vence

Jean-Baptiste de Lamarck era um biólogo francês que defendia uma teoria da evolução amplamente repreendida nos círculos estabelecidos. O grande trabalho de Lamarck foi publicado no mesmo ano em que nasceu Charles Darwin – que passaria a substituir a teoria de Lamarck 50 anos depois. No mundo de Lamarck, a cooperação prevaleceu sobre a competição darwiniana como o mecanismo motriz da evolução.

De acordo com os autores G. Greenberg e M.M. Haraway2 foi o ponto de vista de Darwin que serviu para refletir e sustentar uma sociedade vitoriana ligada aos valores livres, capitalistas e imperiais. O seu modelo suportou o código de conduta da “vida de cão”, a vida é dura. A validação científica do mundo natural projectou uma paisagem brutal, fria e insensível. Indiscutivelmente o ambiente perfeito para o aspirante moderno a psicopata dos dias de hoje, e uma visão prevalecente que o poeta Tennyson descreveu como uma “natureza vermelha quer nos dentes quer nas garras.

Serpentes e Escadas

Embora o diagnóstico definitivo de psicopatia em indivíduos permaneça pouco mais que uma área cinzenta, tentativas foram feitas para categorizar os traços psicológicos que distinguem as personalidades psicopáticas. A mais proeminente é a lista de verificação de diagnóstico inventada pelo renomado psicólogo canadense Robert Hare que é usada para determinar um diagnóstico categórico de psicopatia clínica ou, na melhor das hipóteses, uma pontuação de categorias.

De acordo com a lista de Hare, os psicopatas exibem um charme superficial, um ego desenfreado, mentiras patológicas e frieza e uma astúcia calculada para com as suas presas. Eles são muitas vezes impulsivos e irresponsáveis, e exibem uma ausência de empatia e falta de remorsos ou culpa. Estes e outros atributos, tais como a versatilidade criminal e uma capacidade notável para manipular, enganar e controlar, fazem com que sejam marcados como perigosos. Esses são os traços que permitem aos psicopatas deslocarem-se para posições de poder e influência nas hierarquias mais elevadas.

“Sabemos muito menos sobre psicopatia corporativa e as suas implicações”, explica Paul Babiak, psicólogo de Nova York, “em grande parte devido à dificuldade em obtermos a cooperação activa de organizações empresariais para a nossa pesquisa”3. Um dilema que Hare revelou a Jon Ronson, Autor do The Psychopath Test. “Os que estão na prisão são fáceis”, diz Hare. “Eles gostam de se encontrar com os investigadores. Quebra a monotonia do seu dia-a-dia. Mas líderes corporativos, políticos…”4 De acordo com Hare, esses tubarões são uma espécie diferente de peixe.

Um estudo raro sobre psicopatia no local de trabalho realizado por Babiak, Neumann e Hare5 sugere que 1 em cada 25, ou seja 4 por cento dos executivos corporativos apresentam traços de personalidade significativa típica da psicopatia – uma incidência quatro vezes superior à estimada na população em geral. O estudo suporta a alegação de que os psicopatas podem e de facto alcançar as mais altas hierarquias corporativas. Nós só podemos especular, mas Hare admite que Wall Street pode abrigar 1 em cada 10 que são atraídos pelas actividades lucrativas que estão mal reguladas e abrangidas por vazios legais6. Considerando isto e não é surpreendente ver como o próprio sangue e identidade das corporações e instituições financeiras podem frequentemente funcionar a frio.

O estudo indica que, apesar de serem classificados como gestores com capacidades abaixo dos padrões, maus jogadores de equipa e atraindo avaliações de desempenho precárias, os executivos que atingiram o limiar clínico da psicopatia foram valorizados pelos seus superiores imediatos como criativos e inovadores, bons comunicadores e pensadores estratégicos.

Em suma, eles nem sempre podem voar sob o radar. Apesar das falhas, é claro para o psiquiatra americano Hervey Cleckley7 que os psicopatas possuem competências de comunicação, persuasão interpessoal para substituir qualquer impacto negativo da sua carreira. Uma constatação apoiada pelo estudo de Babiak: “Algumas empresas encaravam os executivos psicopatas como tendo potencial de liderança, apesar das análises de desempenho negativas e baixas classificações sobre liderança e gestão por subordinados”8. Segundo os autores isso demonstra uma proficiência para manipular os decisores, Conclusão tirada pelo psicólogo Dennis Doren que observou em instituições a capacidade infalível do psicopata de procurar promover relacionamentos com as hierarquias mais elevadas e demonstrar tremendas capacidades de os influenciar9.

Em muitos casos, a capacidade camaleónica do psicopata de imitar o seu ambiente, lendo e influenciando os colegas através da arte do engodo, seja através de autopromoção ou persuasão subtil, permite que o encantador de serpentes esconda a sua verdadeira pele e passe sem controlo através de costumes sociais. Estudos sugerem que a psicopatia, manifesta ou por procuração, pode ancorar-se no topo, mas será este fenómeno é relativamente isolado, ou terá esse cenário ao longo da história humana sempre prevalecido?

Como acima assim em baixo

Como vice-presidente e diretor de Estudos de Governança na Brookings Institution, Darrell West analisa currículos de indivíduos da área de negócios e de direito especificamente, de acordo com West, “porque as escolas de negócios e de direito treinam os líderes de amanhã”10. No decurso da suas pesquisas efectuou entrevistas a membros do corpo docente. Ele também pesquisou dados sobre as percepções dos estudantes de negócios e da escola de direito. O que ele descobriu foi perturbador.

“A responsabilidade social dos negócios é aumentarem os seus lucros”, afirma West, assumindo a liderança do título de um artigo da revista New York Times de 1970, escrito pelo influente economista e estatístico americano Milton Friedman. O artigo era inequívoco: segundo Friedman, maximizar o valor para o accionista era a exclusiva responsabilidade exclusiva da empresa11.

“Muitas escolas não exigem cursos autónomos que fornecem conceitos amplos sobre o propósito da corporação na sociedade”, diz West. Daqueles que o fazem, “muitos focalizam o propósito da corporação, com ênfase em como maximizar o valor para os acionistas, em particular nas escolas de direito”12. Portanto, a instrução é fundamental, diz West, e coroará a visão de um aluno sobre o mundo. De facto, conclui West, “pesquisas das escolas de negócios mostram que depois de concluir a escola, os alunos ficam mais propensos a ver o valor do accionista como a meta mais importante da corporação”.

Não era que Friedman fosse um profeta. Em retrospectiva, de acordo com West, ele ajudou a moldar a visão de numerosos líderes empresariais, académicos e líderes de pensamento que, em última instância, serviram para afectar o sentido moderno da América do propósito da corporação. Uma identidade inerente que ajuda a moldar o modo como os estudantes de negócios e de direito veem a sua, muitas vezes, falta de responsabilidade para com a sociedade, até hoje.

No mundo real, as inevitáveis equações calculadas friamente jogam por um lado para maximizar o lucro e, por outro, minimizarem a perda. E, como a maioria das equações matemáticas, eles fazem pouco ou nenhum sentido para o leigo.

“Você pode comprar o que você já possui?” Esta era a equação com que se depararam todos os interessados quando a Nautilus Minerals Inc., com sede no Canadá, adquiriu a licença em 2011 do “Estado Independente de Papua Nova Guiné” (PNG) para os seus campos de águas profundas em águas soberanas do litoral do país. A resposta, moralmente claro, é não.

De acordo com Sir Julias Chan, actual governador da província da Nova Irlanda na PNG, a ética é uma mercadoria intangível, e ao contrário da moeda física e fria raramente se acumula. “Primeiro, o Estado cede direitos de exploração e produção a empresas estrangeiras por quase nada”, diz Chan. No caso da PNG 10.000 kina, o equivalente a US $ 4.000. “Por essa miséria, o investidor estrangeiro obtém o controlo total de toda a riqueza que pode ser tirada da terra”.

“O próximo passo é que o Estado busque equidade no projecto, geralmente 30% num projeto de mineração e 22,5% num projeto de petróleo ou gás”, explica Chan. “O Estado” entregou “todos os recursos a uma empresa estrangeira e agora volta a comprar o que já era legalmente sua própria propriedade, para um interesse de 30 por cento no projeto”. Para a PNG isso significava 300 milhões de kina, ou US $ 118 milhões. “E, para fazer isso, o Estado geralmente tira uma taxa de empréstimo comercial que põe o país ainda mais endividado com juros altos”15. Hoje, esta é a forma habitual pela qual o Estado age para se castrar a si próprio e ao seu povo com as altas finanças.

Joel Bakan é professor de Direito na Universidade de British Columbia, no Canadá. Enquanto aqueles que dirigem as corporações são na sua maior parte, pessoas boas e morais, diz Bakan, o dever do executivo é para os interesses comerciais da corporação em primeiro lugar. “O dinheiro que administram não é deles”, explica Bakan. “Eles nunca poderão usá-lo para curar os doentes… ou comprarem uma casa na Toscanânia”. No mundo corporativo, as boas pessoas são encorajadas a comportarem-se mal. Na verdade, a soma das partes corporativas é “singularmente interessada nelas mesmo e incapaz de sentir genuína preocupação pelos outros em qualquer contexto. A corporação, como a personalidade psicopática a que se assemelha, está programada para explorar os outros para fins lucrativos”16.

Sob tais termos, não é difícil imaginar como um sistema pode em breve vir a valorizar e imitar as suas partes mais desviantes. Igualmente as partes, ao longo do tempo, podem vir a ser moldadas pelo todo.

Está atrás de Si

De acordo com o filósofo e autor Aaron James, enquanto o psicopata finge a acção moral como uma ferramenta para manipular os outros, o vazio legal poderá muito bem ser um alvo de igual disputa. Ao contrário do psicopata prototípico, diz James, o idiota “trafica e é movido pela justificação moral”, o que leva a um “sentido particular de posse”.

O exemplo perfeito, de acordo com James, é o do fundador da Apple, Steve Jobs, que viu a sua única obrigação para com a sociedade implicitamente vinculada à produção dos produtos desejados pelos seus consumidores. James observa que o melhor amigo de Jobs, Jony Ive, uma vez disse ao Business Insider: “quando ele está frustrado… a sua maneira de alcançar a catarse é ferindo alguém. E eu acho que ele sente que tem liberdade e à vontade para fazer isso”, disse Ive. “As regras normais do relacionamento social, ele sente, não se aplicam a ele”18.

Com preocupação, James diz, “o raciocínio do idiota é moldado pela justificação moral de que a sua cultura circundante os coloca à sua disposição”19. Por exemplo, de acordo com Hare, muitos criminosos de colarinho branco são psicopatas. “Eles florescem porque as características que definem o distúrbio são realmente valorizadas”, afirma Hare. “Quando eles são apanhados, o que acontece? Um palmada na mão, uma proibição de negociarem durante seis meses e, [oh] e não lhes dão os $ 100 milhões de volta”.

Consequentemente, não só a cultura corporativa controla a produção líquida, mas a qualidade das cabeças produzidas. E, dependendo da cultura, diz James, “um buraco pode ser melhor ou pior comportado do que um psicopata” .21 Um pensamento consolador.

Pode-se argumentar que não é mais reconfortante saber que o psicopata que você tinha tinha identificado ao longo do tempo era realmente um idiota nutrido por um sistema que é, por natureza inerente, socialmente desviante. Se o raciocínio de um idiota típico é movido pela justificação moral, pelo seu ambiente circundante, então a capacidade de uma cultura psicopática e / ou de um sistema para moldarem a sua própria classe governativa está implícita.

Eles deram-nos a sua mente

A força duradoura da psicopatia reside na sua capacidade de manipularem como os outros percepcionam. Mas a capacidade inata do psicopata ou do sistema de moldarem as nossas percepções não é, em si, inteiramente exclusiva do psicopata clínico.

Todos nós desempenhamos o nosso papel nesse jogo. Muitos de nós participam em aprimoramentos cosméticos e adereços que suportam a valsa do nosso ego através deste mundo de porcelana. Seja qual for a pontuação, a lista de verificação de Hare tem um número escolhido para todos nós. A busca do controlo total é a maior conquista da psicopatia. Afinal, que melhor maneira existe de prever uma resposta de uma pessoa ou de um grupo do que dar-lhes a sua mente?

O desejo do concorrente de vencer a todo o custo é certamente difundido. Assim, também, a tendência para a irresponsabilidade, mais evidente na cultura de compensação que se infiltrou na mentalidade social, graças a leis que restringem a capacidade de uma pessoa se desenvolver por meio da ética e de conceitos morais do que está certo ou errado. Como você pode assumir a responsabilidade por pensamentos e conceitos que não são seus? Geralmente, as regras e regulamentos ensinam-nos a entregar o nosso poder, uma transação que é reforçada na sociedade de acordo com Thomas. Ele diz que, se tiverem de escolher entre ter poder e entregá-lo a uma entidade “confiável”, as pessoas muitas vezes optam por desistir dele em vez de assumirem a responsabilidade que vem com ele22.

Na sua aparente busca interminável de reinventar a sociedade à sua imagem, a psicopatia talvez tenha mais do que uma forma expressão. Pesquisas recentes sobre hábitos nos mídia sociais lançam perturbadoras correlações entre o uso intensivo do Facebook e o narcisismo socialmente agressivo. Num estudo, os utilizadores que obtiveram elevadas pontuações num questionário intitulado Inventário da Personalidade Narcisista, relata Damien Pearse, “tiveram mais amigos no Facebook, foram referenciados com mais frequência e actualizaram os seus feeds de notícias com maior frequência. Evidências de que os jovens estão a tornar-se cada vez mais narcisistas e obcecados com a autoimagem e as amizades superficiais”.

Da mesma forma, os meios de comunicação “satirizaram” aqueles que se abstinham do Facebook apelidando-os de altamente suspeitos  – visto que eles poderiam ter algo a esconder. O uso do Facebook é, naturalmente, prevalente e “normal”.

Existe um número infinito de fluxos mediáticos que nos estimulam a ver nossa reflexão, atraindo-nos para potentes correntes subterrâneas e fazendo-nos saltar de um banco para o outro. Nós emergimos apenas para respirar, desorientados e confusos, desconectados do nosso caminho naturais. Mas talvez essa seja a ideia. Certamente é a necessidade inata de controlar e o poder de exercê-la, a qualquer custo e sem cautelas, que frustra a mente patológica dos restantes de nós.

O Complexo de Deus

“Aqueles que se elevam ao poder na corporocracia, são obcecados pelo controlo, viciados no zumbido do poder sobre outros seres humanos.” ~ Bruce Levine, crítico social e psicólogo

Num mundo competitivo sempre haverão aqueles que procuram activamente, justificam ou abraçam traços de psicopatia como uma rota para o sucesso. Para um cirurgião, um desprendimento e cabeça fria têm o seu lugar. Mas glorificar o psicopata é um perigoso caminho a percorrer. De acordo com a psicóloga Linda Mealey, a competição só serve para aumentar o uso de estratégias anti-sociais e maquiavélicas e neutraliza qualquer aumento no comportamento pró-social após o sucesso.

Espiralar a separação da sociedade e reforçar o desapego, estabelece um perigoso precedente, a que James chama de “direito nascido da grandiosidade cósmica”24. Ele cita o barão do petróleo John D. Rockefeller, que viu a sua riqueza não nalgum contexto selvagem do faroeste norte-americano que lhe deu o livre-passe mas, sem remorsos, por direito divino: “Deus deu-me o meu dinheiro”, afirmou Rockefeller.

Este sentido de direito divino, escolhido como sendo separado da sociedade, tem paralelos profundamente perturbadores com a riqueza contemporânea.

Jeff Greene é um investidor multibilionário na área imobiliária e empresário, e possui a casa mais cara da América, segundo as estatísticas. Greene, que fez fortuna apostando nas hipotecas sub-prime, diz que os americanos precisam de ter “menos coisas”: “As expectativas de estilo de vida dos Estados Unidos são muito altas e precisam ser ajustadas, então teremos menos coisas e uma existência menor e melhor”, disse uma palestra aos 60 anos de idade, que deixou fora o aluguer da propriedade palaciana de US $ 195 milhões em Beverly Hills para famílias da realeza e dignitários internacionais por centenas de milhares de dólares por mês26.

No seu coração, assumindo que ele tem um, os departamentos dentro do sistema, sejam políticos, corporativos ou financeiros selecionam, por linhagem, esta mentalidade, dispostos a criá-la, apoiá-la e mantê-la. “Figuras como J.P. Morgan, Randolph Hearst e Mayer Rothschild”, argumenta o autor Stefan Verstappen, “são psicopatas profissionais que atingem o auge da fase financeira, onde não causam menos miséria e destruição que os seus homólogos políticos”.

Em resultado disso, exemplos de conduta psicopática em altos cargos são comuns. Robert Kirkconnell é um veterano de combate da Força Aérea dos EUA condecorado à 27 anos, e abertamente um crítico do programa MK-ULTRA do governo dos EUA que conduziu uma bateria de insensíveis testes psicológicos ou de “controlo mental” sobre seus próprios cidadãos. Em American Heart of Darkness, Kirkconnell acusou a Comissão Presidencial Rockefeller, criada para investigar as actividades da CIA, que ele diz que financiou o programa. Kirkconnell já não vê sua casa como uma república constitucional, mas como uma patocracia dirigida por psicopatas.

Contagiosas Visões Psicopáticas do Mundo?

“Eu tive que ganhar a todo custo, às vezes permitindo que os custos fluíssem sem controlo, apenas para ver o volume do meu poder” ~ M.E. Thomas

“O poder é tudo com o que eu realmente me importei na minha vida”, diz Thomas. “Poder físico, poder de ser desejado ou admirado, poder destrutivo, conhecimento, influência invisível. Eu gosto de pessoas o suficiente para que eu queira tocá-las, moldá-las, arruiná-las”, afirma Thomas. “Quero exercer o meu poder”28. Não é nada pessoal. É dietético. A ideia de arruinar as pessoas, diz ela, é simplesmente deliciosa.

Thomas não é a única. O psicopata invariavelmente brinca com a comida. No processo de busca activa para visitar a desgraça ou o sofrimento dos outros. Thomas considera-se como um tigre branco – um animal de estimação bonito e exótico, mas intrinsecamente perigoso. E enquanto, nas suas próprias palavras, ela se considera domada, interiormente ela continua a lidar com um desejo primordial de destruir.

Essa mentalidade não está perdida na sociedade. Na verdade, é uma cosmovisão capturada sucintamente na análise pessoal feita por Michael Ellner do estado mundo: “Basta olhar para nós”, ele indaga. “Tudo está ao contrário, tudo está de cabeça para baixo. Os médicos destroem a saúde, os advogados destroem a justiça, os psiquiatras destroem as mentes, os cientistas destroem a verdade, os grandes meios de comunicação destroem a informação, as religiões destroem a espiritualidade e os governos destroem a liberdade”. Mas até que ponto este mundo descrito por Ellner provém unicamente da busca cega de poder e lucro?

Existe uma maldade sistemática oculta que cria medo, incerteza e caos para justificar essa perseguição? Será a névoa malévola, essa intenção maligna que atribuímos a actos hediondos e delitos, ilusória, um epifenómeno, um subproduto do cérebro psicopata? Ou é real, autónoma e orientadora do programa? E essa distinção importa? Isso ajuda-nos a interpretar, digamos, o aumento das doenças crónicas, as suas origens e como a profissão de cura se tornou, alegam os críticos, um termo pomposo de relações públicas, uma gestão dos sintomas para fins lucrativos?

O mundo de Kirkconnell oscila no foco. Somos todos vítimas da programação sistémica de desorientação, um desequilíbrio que o predador incita em nós para manter e impor a sua posição e status?

Como um deus, muito do que a psicopatia é está oculto da visão. O psicopata apela ao sentimento de empatia e à Fé da presa na Humanidade. Ele é a ardósia em branco na qual as pessoas projectam as suas esperanças e ideais.

Essa compreensão deve surgir se quisermos expor a psicopatia sistêmica e enfrentarmos as possibilidades sinistramente selvagens, e não menos as identidades mais obscuras e os motivos subjacentes nos quais se baseia.

Darwin Dorr é o director de pesquisa em psicopatologia da Wichita State University, Kansas. “A maioria dos pedófilos são psicopatas”, diz Dorr, “ou pelo menos manifestam de forma significativa as características psicológicas da psicopatia”.

Esses vínculos que ligam o poder e as suas perversões são históricos, endémicos e persistem até hoje. As investigações em torno de um anel pedófilo das elites de Sydney é apenas a ponta de um iceberg frio e caloso que ameaça afundar uma jangada titânica de inverdades. No Reino Unido, a reputação de um anteriormente respeitado DJ, apresentador de televisão e confidente dos poderes instituídos, Jimmy Savile, afundou quando a sua inclinação por crianças, cadáveres e rituais satânicos e preliminares foi revelada a uma população chocada.

As perguntas estão a ser feitas agora fora dos círculos das autoridades britânicas e dos seus gostos curiosos pelos restos dos desperdícios das celebridades. De repente, o termo psicopata parece não ser suficiente. Estarão essas pessoas, o sistema que elas representam, e as entidades que imitam e veneram acima da lei? Certamente as tentativas do Reino Unido e dos poderes estabelecidos mais amplos de impedirem a verdade servem apenas para revelar mais os meios encobertos e o controle amoral pelo qual a psicopatia opera como parte integrante do sistema.

Nick Parkins,

Sobre o Autor

Nick Parkins tem um mestrado em filosofia da mente e gosta de viver fora da caixa. Para ler mais sobre o seu trabalho, ou se você tem uma experiência estranha ou inexplicada que gostava que ele abordasse visite www.nickparkins.co.uk.

O artigo acima apareceu na edição n.º 152 do New Dawn de Setembro / Outubro de 2015).

Fonte: http://www.newdawnmagazine.com/articles/do-psychopaths-run-the-world

Deixar uma resposta

Top
%d bloggers like this: