Os “Perigos ocultos” nas mamografias dos quais todas as mulheres devem estar conscientes

Milhões de mulheres fazem-nas anualmente, mas poucas estão sequer remotamente conscientes de quantos perigos elas estão a expor-se em nome da prevenção, o que inclui os diagnósticos errados, sobrediagnósticos e a promoção do cancro da mama em si.

Um novo estudo publicado nos Annals of Family Medicine intitulado “As consequências psicossociais a longo prazo da mamografia de rastreamento falso-positivo” traz à tona um grande dano subnotificado dos programas de rastreamento de mama: o trauma real e duradouro associado a um diagnóstico falso positivo Do cancro da mama. [1]

O estudo descobriu que as mulheres com diagnóstico falso positivo de cancro da mama, mesmo três anos após serem declaradas livre de cancro, “consistentemente relataram maiores consequências psicossociais negativas em comparação com as mulheres que tinham parâmetros normais em todos os 12 resultados psicossociais”.

Os parâmetros psicossociais e existenciais adversamente afectados foram:

  • Sensação de abatimento
  • Ansiedade
  • Impacto negativo no comportamento
  • Impacto negativo no sono
  • Nível de auto-exame da mama
  • Impacto negativo na sexualidade
  • Sensação de atractividade
  • Capacidade de se “distanciarem mentalmente das coisas”
  • Preocupações com o cancro da mama
  • Calma interior
  • Socialização
  • Valores existenciais

O que é ainda mais preocupante é que “6 meses após o diagnóstico final, as mulheres com resultados falso-positivos relataram mudanças nos valores existenciais e de calma interior tão grandes como aqueles relatados por mulheres diagnosticadas com cancro da mama”.

Por outras palavras, mesmo depois de terem sido “libertadas do cancro”, os efeitos psico-espirituais adversos mensuráveis ​​do trauma do diagnóstico eram equivalentes a realmente ter cancro da mama.

Dado que a probabilidade cumulativa de reavaliação falso-positiva ou recomendação de biópsia após 10 anos de mamografias de rastreamento é de pelo menos 50%, [2] este é um problema que afectará a saúde de milhões de mulheres submetidas a rastreamentos mamários de rotina.

A Maldição do Falso Diagnóstico e do “apontar o osso”

Para além disso, devemos estar conscientes do facto de que esses efeitos adversos “psicossociais” e “existenciais” observados não causam apenas uma “angústia mental” vagamente definida, mas traduzem-se em consequências fisiológicas objectivamente quantificáveis ​​de natureza terrível.

Por exemplo, no ano passado, um estudo inovador foi publicado no New England Journal of Medicine mostrando que, com base em dados de mais de 6 milhões de suecos com 30 anos ou mais, o risco de suicídio era até 16 vezes maior e o de risco de morte relacionado com o coração até 26,9 vezes maior durante a primeira semana após um diagnóstico de cancro positivo versus um negativo. [3]

Este foi o primeiro estudo do seu tipo a confirmar que o trauma do diagnóstico pode resultar, como a etimologia da palavra grega trauma revela, numa “ferida física”. Da mesma forma que as culturas aborígenes tinham um “carrasco ritual” ou “ponteiro ósseo” conhecido como Kurdaitcha que, apontando um osso para uma vítima com a intenção de amaldiçoá-lo até a morte, resultando na morte autónoma do amaldiçoado, assim também o ritual moderno da medicina re-encena antigos sistemas de crenças e diferenciais de poder e, quer o médico moderno queira ou não, ele é um “sacerdote do corpo”. Devemos apenas olhar para a conhecida dialéctica dos efeitos placebo e nocebo para ver esses poderosos processos “irracionais” ainda em curso.

Milhões prejudicadas pelas triagens à mama apesar das garantias em contrário

Uma investigação deste tipo indica claramente que o processo de rastreio convencional acarreta riscos para a saúde, quer para o corpo quer para a mente, que podem ultrapassar os perigos que a vigilância médica acredita serem benéficos e eficazes na mitigação. Por exemplo, de acordo com um estudo inovador publicado em Novembro passado no New England Journal of Medicine, 1,3 milhões de mulheres dos EUA foram sobrediagnosticadas e sobretratadas nos últimos 30 anos. [4] Estes são os “falsos positivos” que nunca foram identificados, resultando na irradiação desnecessária, envenenamento por quimioterapia e cirurgia de aproximadamente 43.000 mulheres por ano. Agora, quando você adiciona a esta estatística lúgubre os milhões de “falsos positivos” que ao ser detectados, no entanto, resultaram na produção de traumas para essas mulheres, o rastreio à mama começa a parecer um verdadeiro pesadelo de iatrogenia.

E isso nem sequer conta para os perigos radiobiológicos do processo de rastreio de mamografia com raios-x em si, o que pode estar a causar uma epidemia de cancro da mama, principalmente induzida pela radiação, em populações expostas.

Por exemplo, em 2006, um artigo publicado no British Journal of Radiobiology, intitulado “Eficácia biológica aumentada da baixa energia de raios-X e implicações para o programa de triagem da mama do Reino Unido”, revelou que o tipo de radiação utilizada nos raios-x à mama é muito mais carcinogénico do que se acreditava anteriormente:

Os estudos radiobiológicos recentes têm fornecido evidências convincentes de que os raios X de baixa energia usados ​​na mamografia são aproximadamente quatro vezes – mas possivelmente até seis vezes – mais eficazes em causarem danos mutacionais do que os raios-X de energia mais alta. Uma vez que as estimativas actuais de risco de radiação são baseadas nos efeitos da radiação gama de alta energia, isso implica que os riscos de cancro da mama induzido pela radiação da radiografia de mamografia são subestimados pelo mesmo factor. [5]

Até mesmo os protocolos de tratamento do cancro da mama em si, recentemente foram associados ao aumento da malignidade do cancro e ao aumento da mortalidade. Tanto a quimioterapia como a radiação parecem enriquecer as populações de células estaminais do cancro, que estão na raiz da malignidade e invasividade do cancro da mama. No ano passado, de facto, a prestigiada revista Cancer, uma publicação da Sociedade Americana do Cancro, publicou um estudo realizado por pesquisadores do Departamento de Oncologia de Radiação do UCLA Jonsson Comprehensive Cancer Center mostrando que, mesmo quando a radiação mata metade das células tumorais tratadas, as células sobreviventes que são resistentes ao tratamento, conhecidas como células-tronco induzidas do cancro da mama (iBCSCs), eram até 30 vezes mais susceptíveis de formar tumores do que as células de cancro da mama não irradiadas. Por outras palavras, o tratamento por radiação regride a população total de células cancerígenas, gerando a falsa aparência de que o tratamento está a funcionar, mas na verdade aumenta a proporção de células altamente malignas para benignas dentro desse tumor, levando eventualmente à morte do paciente por iatrogenia (induzida pelo tratamento). [6]

O que estamos cada vez mais a testemunhar na literatura biomédica em si é que a estratégia convencional de prevenção e tratamento do cancro da mama e os seus protocolos estão falidos. Ou, do ponto de vista do observador mais cínico, são imensamente bem-sucedidos, devido ao facto de que está a gerar biliões de dólares em receitas, produzindo mais males do que aqueles contra os quais afirma estar a lutar.

Chegou o momento de uma transformação radical na forma como entendemos, procuramos, prevenimos e tratams o cancro. Antigamente afirmava-se que os defensores das medicinas naturais não dispunham das chamadas “evidências” revistas pelos pares para apoiarem o seu entendimento intuitivo e / ou anedótica de como manter o corpo humano saudável e em equilíbrio. Esse tempo acabou. O GreenMedInfo.com, por exemplo, tem mais de 20.000 resumos indexados que suportam um retorno a um modelo médico onde a “alternativa” passará a ser a medicina sintética, invasiva e de emergência, e a norma será a de usar alimentos, ervas, minerais, vitaminas e mudanças no estilo de vida para manter, promover e recuperar a saúde ideal.


Referências:

[1]John Brodersen, Volkert Dirk Siersma. Long-term psychosocial consequences of false-positive screening mammography. Ann Fam Med. 2013 Mar-Apr;11(2):106-15. PMID: 23508596

[2] Rebecca A Hubbard, Karla Kerlikowske, Chris I Flowers, Bonnie C Yankaskas, Weiwei Zhu, Diana L Miglioretti. Cumulative probability of false-positive recall or biopsy recommendation after 10 years of screening mammography: a cohort study. Ann Intern Med. 2011 Oct 18 ;155(8):481-92. PMID: 22007042

[3]Research: Come Diagnoses Kill You Quicker Than The Cancer, April 2012

[4]30 Years of Breast Screening: 1.3 Million Women Wrongly Treated, Nov. 2012

[5]GreenMedInfo.com, How X-Ray Mammography Is Accelerating the Epidemic of Breast Cancer, June 2012

[6]GreenMedInfo.com, Study: Radiation Therapy Can Make Cancers 30x More Malignant, June 2012

Escrito por: Sayer Ji

Fonte: http://www.greenmedinfo.com/blog/hidden-dangers-mammograms-every-woman-should-know-about

1 comentário em “Os “Perigos ocultos” nas mamografias dos quais todas as mulheres devem estar conscientes

  1. BOM DIA A TODOS.
    ISSO JÁ É SABIDO HÁ MUITO TEMPO NO ENTANTO SE FAZ NECESSÁRIO QUE A HUMANIDADE PRINCIPALMENTE AS MULHERES QUE SÃO AS QUE SOFREM MAIS EM TODOS OS ASPECTOS ,PRECISAM TE MAIS DISCERNIMENTO E PROCURAREM PESQUISAR MAIS. POIS, É A SAÚDE DELAS QUE ESTA EM RISCO,POIS SE ESTAS MESMAS MULHERES NÃO BUSCAREM INFORMAÇÃO ADEQUADA;ELAS ESTARÃO PERDIDAS. A DICA É NÃO SE DEIXEM LEVAR PELO QUE A MÍDIA COORPORATIVA FALA PROCUREM OUTRAS FONTES PARA TEREM INFORMAÇÕES CONFIAVEIS POIS ESTES CANALHAS DE PLANTÃO TRABALHAM MISERAVELMENTE PARA A INDÚSTRIA DA MORTE ( FARMACEUTICA ). ABRAM A MENTE E EXPANDAM A CONSCIÊNCIA E SE LIBERTEM DESSES MERCENÁRIOS DA MEDICINA. SÓ ASSIM ESTES SERES DAS SOMBRAS ENTENDERAM DE UMA VEZ POR TODAS QUE VOCES DESPERTARAM E QUE ELES NÃO TEM NENHUMA AUTORIDADE SOBRE VOCES,

Deixe um comentário

Top